Inflação. O governo está incomodado

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Bento XVI queria Bergoglio como secretário de Estado?

    LER MAIS
  • Seminaristas: batalha perdida?

    LER MAIS
  • Assessor da bancada ruralista é nomeado presidente da Funai

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Fevereiro 2011

O governo começou a cozinhar mais medidas a fim de conter a inflação e a descrença geral de que vai cortar gastos e conter a alta de preços. Não sabe bem o que, nem sabe conversar com o público a respeito. Mas deixou vazar a sua "preocupação", dados os últimos indicadores econômicos e o aumento da tensão na praça econômica global.

O comentário é de Vinicius Torres Freire em artigo no jornal Folha de S.Paulo, 25-02-2011.

Os desconfortos mais recentes derivam da evidente descrença do mercado em relação ao controle rápido da inflação, do risco de choque do petróleo e do esgotamento de medidas heterodoxas de contenção de crédito e de consumo.

Em dezembro, o governo decidira que o Banco Central tomaria medidas a fim de reduzir a oferta de crédito, como se recorda. Recolheu dinheiro dos bancos com o objetivo de reduzir o dinheiro disponível para empréstimos. Induziu os bancos a reduzir os prazos de financiamento e a elevar as taxas de juros.

Eram as "medidas macroprudenciais". Em miúdos, normas que têm como objetivo primário evitar um excesso de empréstimos que acabe em calotes e problemas em bancos, mas que também servem para conter o consumo e a inflação.

As medidas tiveram o efeito mais ou menos esperado. A quantidade de dinheiro que os bancos têm de deixar "estacionada" no BC aumentou uns R$ 80 bilhões, para quase cerca de R$ 404 bilhões. Os prazos de financiamento pararam de aumentar, juros subiram bastante em janeiro. Se isso vai ter algum efeito na inflação, é cedo para saber.

Mas as "medidas macroprudenciais" não fizeram tanto mais efeito neste mês, segundo disse ontem o BC. Não sabemos se o BC esperava mais arrocho. Ainda assim, fica a dúvida a respeito do que farão BC e governo para esfriar a economia.

Haverá mais "medidas macroprudenciais", um tipo de política anti-inflacionária dita "heterodoxa" (a ortodoxa é elevar a taxa básica de juros, a Selic)? Faz duas semanas, os povos do mercado vinham palpitando que em março poderia haver nova rodada "macroprudencial". O pessoal do governo diz apenas que o assunto será "rediscutido" a partir da semana que vem. Março começa na terça-feira que vem.

Haverá mais aumento de juros? No mercado financeiro, a crença que se pode depreender das taxas de juros futuros na praça é a de que haverá aumento adicional de pelo menos dois pontos percentuais. Haverá novo e grande empréstimo do Tesouro (nós) para o BNDES, que empresta dinheiro a juro baixo, subsidiado para empresas? Faz sentido estimular o crédito via banca pública em momento de contração de gastos e de alta dos juros?

Sim, o ritmo de crescimento do crédito de bancos públicos enfim baixou. Em julho de 2009, o total de crédito dos bancos públicos (afora o BNDES) crescia a 40% sobre o ano anterior; o do BNDES também. No setor privado, a 10%.

Agora, o estoque de crédito dos bancos públicos (sem BNDES) cesce a 18%; mas o do BNDES ainda sobe a 24,5%; o da banca privada, a 20%, próximo da média geral. Haverá, enfim, o tal corte de R$ 50 bilhões no Orçamento de 2011, que ainda não colou na praça?

Haverá, enfim, reação "prudencial" do governo em relação ao risco de um "extra" na inflação devido à alta do preço do petróleo?

Dúvidas e dúvidas, e o governo conversa mal com a praça.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Inflação. O governo está incomodado - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV