"O inferno e o paraíso também não são lugares, são processos espirituais", afirma Andrés Torres Queiruga

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Papa Francisco desafia a esquerda católica

    LER MAIS
  • Papa Bergoglio: “A propriedade privada não é intocável, a justiça social é necessária”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Janeiro 2011

"A definição do purgatório do Papa não é nova, mas a população a desconhece porque a pregação não está muito atualizada", afirma o teólogo espanhol.

A reportagem é de A. Ramil, publicada no sítio La Opinión A Coruña, 13-01-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Ele assegura que a definição de purgatório do Papa não é algo novo, mas que faz parte do "conhecimento comum teológico" há vários anos, e que uma situação semelhante é vivida por outros termos de tradição católica como o inferno e o paraíso. Prova disso é que o teólogo Andrés Torres Queiruga já analisou essas questões em sua obra O que queremos dizer quando dizemos inferno? (Paulus, 1996).

Eis a entrevista.

As palavras de Bento XVI significam uma mudança no conceito de purgatório que a Igreja tem?

Em nada. O único que demonstram é a ignorância teológica que a nossa sociedade atual vive, já que afirmar que o purgatório não é um lugar físico faz parte do conhecimento comum teológico há anos.

Então, em que consiste exatamente o purgatório?

Trata-se de um processo espiritual interno. É lógico pensar que, dado que ninguém morre sendo totalmente bom, há uma espécie de conversão e purificação no encontro com Deus.

As representações tradicionais desse conceito religioso fizeram com que a população tenha uma visão errônea dele?

Sim, e o fato de que a pregação não está muito atualizada também contribui nesse sentido para que a população desconheça o verdadeiro significado do purgatório. Nesse sentido, é preciso dizer que as palavras do Papa são positivas, porque ajudam os católicos a compreender que o objetivo não é convencer Deus da purificação de nossos pecados para que seja bom e nos livre das penas do purgatório. O fundamental é alimentar nossa fé e nossa esperança em que o encontro com Deus será para todos salvação definitiva.

A mesma confusão existe com o inferno e o paraíso?

Sim. Tanto o inferno quanto o paraíso e o purgatório são questões que ultrapassam o espaço e o tempo, e, portanto, não se deve fazer uma descrição física de uma geografia celestial. Eles fazem alusão a processos espirituais que intuímos à luz das experiências reais que vivemos em nossa vida presente e que tentamos expressar com símbolos que animem nossa esperança.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"O inferno e o paraíso também não são lugares, são processos espirituais", afirma Andrés Torres Queiruga - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV