Advogada nega autoria do PL Terminator e contradições ficam cada vez mais evidentes

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, a reforma da Igreja e o próximo pontificado

    LER MAIS
  • “30% dos eleitos para serem bispos rejeitam a nomeação”, revela cardeal Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos

    LER MAIS
  • Vivemos uma ‘psicopatia difusa’ na política brasileira, diz psicanalista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Janeiro 2011

A advogada Patrícia Fukuma, do escritório Fukuma Advogados, negou que seja coautora do projeto de lei do líder do governo, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), sobre a liberação do uso de sementes estéreis no Brasil. Em nota encaminhada ao site, a advogada afirma que "desconhece as razões pelas quais aparece" o seu nome no documento obtido pela reportagem.

A notícia é do Boletim da AS-PTA, 07-01-2011 e originalmente publicada pelo sítio Congresso em Foco, 22-12-2010.

De acordo com o documento, o nome de Patrícia Fukuma consta nas propriedades do arquivo do Projeto de Lei 5575/2009. O documento estava disponível para acesso público na página da Câmara até a publicação da reportagem do Congresso em Foco. O nome da advogada estava como a autora do documento.

"Reafirmo que não sou coautora do projeto de lei PL5575/2009, de autoria do deputado federal Cândido Vaccarezza, conforme explicado por mim à jornalista Renata Camargo ao longo de três curtas conversas telefônicas. Desconheço as razões pelas quais aparece o meu nome no documento obtido pela jornalista", diz.

Em conversa gravada na última segunda-feira (20), Patrícia afirmou que não era a única autora do projeto, mas que deu "alguns pitacos": "Não é inteiro de minha autoria".

A gravação contextualizada diz: "Na verdade, isso chegou para mim para eu dar uma olhada no projeto. Eu dei uma olhada e fiz algumas considerações. Eu realmente revi a parte da rotulagem e outras questões. Então não é inteiro de minha autoria. Eu fiz uma revisão, vamos dizer...", declarou.

Na nota, encaminhada ao site, Patrícia afirma também que não é, nem nunca foi, advogada da Monsanto. A advogada diz que seu nome não figura "em nenhum processo judicial em trâmite atualmente no Brasil e nos quais a empresa é parte". Em conversa gravada, a assessoria de imprensa da multinacional listou Patrícia como uma das "pessoas que atende a Monsanto em relação a esse tema". O escritório Fukuma Advogados, por telefone, também confirmou que o grupo atende a Monsanto. (...)

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Advogada nega autoria do PL Terminator e contradições ficam cada vez mais evidentes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV