Malafaia contesta Bolsonaro e diz que armar o cidadão é loucura

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • “Podemos dizer que esta crise foi um notável êxito científico e um enorme fracasso político”. Entrevista com Yuval Noah Harari

    LER MAIS
  • Necropolítica: a política da morte em tempos de pandemia. Artigo de Eduardo Gudynas

    LER MAIS
  • Pode a Igreja Católica concordar em mudar alguma coisa?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Fevereiro 2021

Desta feita até mesmo o evangélico pentecostal número um do bolsonarismo, o pastor Silas Malafaia, abriu as baterias: “Armar o cidadão é loucura”, disse numa postagem no YouTube. Quem defende a vida não pode aprovar esse “absurdo”. Ele conclamou a bancada evangélica a votar contra a revisão da Lei do Desarmamento (PL 3722/2012), que tramita no Congresso, e derrubar os quatro decretos do presidente Jair Bolsonaro liberalizando o porte e compra de armas e munições.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

Segundo Malafaia, o projeto é “lobby da indústria de armas”. Pesquisa encomendada pela Conferência Nacional dos Transportes (CNT), divulgada na segunda-feira, 22, mostra que o presidente da República mente ao argumentar que a população quer se armar, promessa de campanha e uma das principais bandeiras do governo Bolsonaro.

A CNT/MDA ouviu 2.002 pessoas presencialmente entre 18 e 20 de fevereiro, em 137 cidades de 25 unidades da Federação. D@s entrevistad@s, 68,2% são contra a flexibilização, compra e posse de armas de fogo, e 28,8% a favor. A pesquisa indica ainda que 74,2% d@s entrevistad@s não têm posse e não se interessam em ter posse de armas; 19,7% não têm posse, mas gostariam de ter.

O vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), criticou os decretos de Bolsonaro. Disse que ele extrapolou as competências da Presidência da República. O deputado Daniel Coelho (Cidadania-PE) ingressou com proposta de decreto legislativo para derrubar os decretos de Bolsonaro. Entre outros pontos, o projeto 3722/2012, de autoria do deputado Peninha Mendonça (PMDB-SC), propõe a derrubada da exigência da idade mínima para o cidadão ter a posse de arma, de 25 para 21 anos.

“Nós somos a favor que a polícia esteja muito bem preparada de armamento, porque para enfrentar bandido com arma de guerra não é com revólver 32, não”, disse Malafaia, que emendou: “Agora, há uma diferença entre a polícia estar bem armada e armar o cidadão. Isso é loucura!”

Ao contrário de Malafaia, o pastor Augusto Nicodemus Gomes Lopes, vice-presidente da Igreja Presbiteriana do Brasil, disse ao portal Gospel que, se a legislação em vigência no país permitir o porte de arma, não há nenhuma passagem na Bíblia que proíba o cristão de ter a sua própria arma para uso pessoal com propósitos de defesa.

A atualização do Decreto 9.846/2019 permite que atiradores possam adquirir até 60 armas, e caçadores até 30 armas, e eleva a quantidade de munição a ser adquirida para 2 mil para armas de uso restrito e de 5 mil para armas de uso em geral. E, pior, Bolsonaro atualizou o Decreto 10.030/2019 dispensando a necessidade de registro de Produtos Controlados pelo Exército.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Malafaia contesta Bolsonaro e diz que armar o cidadão é loucura - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV