Candidatos evangélicos avançam onde Estado é ausente, diz historiador francês

Revista ihu on-line

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

Edição: 510

Leia mais

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Mais Lidos

  • Seis brasileiros concentram a mesma riqueza que a metade da população mais pobre

    LER MAIS
  • Se eu estiver errado, corrijam-me. As sete heresias da Amoris Laetitia

    LER MAIS
  • Escravidão, e não corrupção, define sociedade brasileira, diz Jessé Souza

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

31 Outubro 2016

A deficiência de serviços públicos essenciais, principalmente a segurança, ajuda a explicar o avanço dos candidatos evangélicos no Brasil, na opinião do historiador francês Laurent Vidal, especialista em história brasileira da Universidade de La Rochelle. Ele foi convidado pela RFI (Radio France Internationale) para analisar o segundo turno das eleições municipais no país, e explicou o sucesso de nomes como o pastor Marcelo Crivella (PRB), no Rio de Janeiro.

A reportagem é publicada por Rádio França Internacional – RFI, 30-10-2016.

“Não é só a fé que leva os candidatos evangélicos ao poder. Eles têm força onde o Estado está ausente, onde a polícia não consegue garantir a segurança, mas também onde até a igreja católica está menos presente”, afirmou o pesquisador, neste domingo (30). “Lembro que, tradicionalmente, até os anos 1970, a igreja tinha um papel social nas periferias. Nas cidades onde ela perdeu esse papel, os templos pentecostais assumiram.”

Vidal ressalta que, além do Rio de Janeiro, outra grande capital brasileira, Belo Horizonte, levou um candidato evangélico para o segundo turno das eleições municipais: Alexandre Kalil (PHS) também lidera nas intenções de votos. O especialista observa que a entrada dos neopentecostais na política foi tão forte que, nos últimos anos, se tornou impossível para um candidato à presidência ignorar essa comunidade. “Até o PT já foi aliado de Crivella no passado”, ressalta.

Dilma cedeu à pressão evangélica

Neste cenário, relembra o historiador, a ex-presidente Dilma Rousseff, que propunha uma agenda progressista em relação a temas da sociedade, como a legalização do aborto, teve de abandonar o projeto por conta da pressão das lideranças evangélicas. O movimento também ajuda a explicar o atual aumento do conservadorismo no país: discussões como o ensino da teoria do gênero nas escolas ou o casamento entre homossexuais alimentaram debates acalorados, por influência dos evangélicos.

Vidal frisa que o fenômeno não é uma exclusividade do Brasil e se repete em vários países latino-americanos, como o Chile e o Peru. Na França, a igreja Universal é considerada uma seita religiosa.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Candidatos evangélicos avançam onde Estado é ausente, diz historiador francês