Evangelizar sem afundar na restauração: o desafio da Igreja hoje

Revista ihu on-line

Pra onde ir - A crise do Rio Grande do Sul vai além da questão econômica

Edição: 510

Leia mais

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Mais Lidos

  • Sobre o corporativismo clerical

    LER MAIS
  • A histeria da nova extrema direita brasileira e os perigos à vista

    LER MAIS
  • Estamos já em plena ditadura civil?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

23 Janeiro 2012

Três ministérios, três serviços prestados permanentemente aos outros e a Cristo: a benção, a escuta e a esperança. A bênção, a escuta e a esperança nos parecem ser os caminhos da evangelização.

O texto que segue é a contribuição da Conférence Catholique des Baptisé-e-s Francophones (CCBF, Conferência Católica dos/as Batizados/as Francófonos/as) para a preparação do Sínodo sobre a Nova Evangelização que será realizado em Roma, em outubro de 2012. Ele foi enviado pela CCBF à Conferência dos Bispos da França no fim de outubro de 2011.

O artigo foi publicado no sítio da CCBF, Baptises.fr, 17-01-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

"Jesus percorria toda a Galileia, ensinando nas sinagogas, anunciando a Boa Nova do Reino e curando toda espécie de doença e enfermidade do povo" (Mateus 4, 23)

Evangelizar significa assumir a atitude de Jesus que, em todos os relatos evangélicos, encontra, escuta, dá a palavra, eleva e cura. Hoje, a Igreja busca os caminhos para uma "Nova Evangelização", sobretudo na Europa, nos países muito antigamente cristãos, e que, aos olhos de muitos, hoje parecem sê-lo menos. Nos países europeus, o Magistério deplora aquela que chama de secularização e a sua perda de influência, mas os cidadãos, cristãos e católicos em primeiro lugar, não se encontram tão mal. Ao contrário, apreciam a democracia e a liberalização dos costumes que a Igreja por muito tempo obstacularizou.

Além disso, dentro da Igreja, levantam-se movimentos de leigos para contestar o conservadorismo e a governança autoritária dos clérigos. A "Nova Evangelização", nesse contexto, não pode ser entendida em termos de reconquista de um terreno perdido, mas sim como um convite pessoal a se apropriar das palavras de Cristo na própria linguagem e na própria de homens e de mulheres de hoje, a acolher o Verbo na própria carne, mesmo que ela não seja judaico-cristã depois de 2.000 anos.

A criação da CCBF e é a nossa resposta para a nova evangelização.

A CCBF se vê livre de toda ligação clerical ou hierárquica, ela não é um movimento de Igreja, mas também não constrói uma oposição na Igreja.

A Conferência está na Igreja e quer fazer Igreja com todos. A Conferência reúne cristãos muitos diferentes que não têm todos a mesma opinião sobre certas questões sociais. O ponto comum dos membros da Conferência é querer que todos os batizados exerçam a sua vocação de sacerdotes, profetas e reis, leigos e clérigos juntos, unidos em Cristo, no cotidiano e na encarnação de suas vidas.

É com essa finalidade que a Conferência quer colocar todas as suas ações no quadro de três ministérios, três serviços prestados permanentemente aos outros e a Cristo: a benção, a escuta e a esperança. A bênção, a escuta e a esperança nos parecem ser os caminhos da evangelização.

Bênção: e se começássemos a falar bem da Europa?


Abençoar, bendizer, significa "dizer bem". É reconhecer o valor do outro, é o início do respeito e do diálogo. E, mesmo que hoje as instituições e a moeda europeias se encontrem em plena crise, se começássemos a falar bem da Europa e dos europeus?

Depois de séculos de enfrentamentos, os europeus encontraram o sábio caminho da paz. Depois de mais de 60 anos, a Europa está em paz. A paz, primeira riqueza dos homens e primeiro dom de Deus. Desde o fim dos anos 1950, a União Europeia progride, certamente não muito depressa em certas questões, mas os cidadãos do continente globalmente obtiveram disso prosperidade e progresso social. Certos países da União souberam até desenvolver, sob a influência conjunta da social-democracia e da democracia cristã, um modelo social de proteção, que deve ser sustentado e estendido.

A Europa é democrática, aboliu a pena de morte e promove a paz no mundo: seus exércitos são os primeiros fornecedores de tropas para a manutenção da paz, enviadas pela ONU a todo o planeta. Os europeus podem ficar orgulhosos por participar no cotidiano dessa obra, certamente imperfeita, totalmente humana e frágil, mas única no mundo.

Graças sejam dadas aos seus pais fundadores, como Jean Monnet, Konrad Adenauer, Alcide De Gasperi, tenazes leigos católicos, àqueles que os seguiram e a todos aqueles, cidadãos e habitantes da Europa, que trabalham todos os dias para a sobrevivência e o desenvolvimento desse conjunto político, econômico e social que, apesar de seus pesos e disfunções, a Terra inteira nos inveja.

Bendigamos, falemos bem também da juventude europeia, que, quando tem a chance, estuda juntos, muitas vezes fala ao menos duas línguas como em um Pentecostes laico e convive com outros jovens em todas as metrópoles estudantis, sob a égide de um grande pensador cristão independente e livre: Erasmo.

Alguns deploram que a Europa como instituição não faça mais referência ao cristianismo, mas ela talvez precisa ser uma organização cristã? Não, absolutamente não, porque deve dialogar com toda a Terra sem a prioris religiosos. Em contrapartida, a Europa integrou muitos valores do Evangelho, incluindo a paz e o respeito da pessoa e do indivíduo. Pela atenção aos pobres, ela deve continuar essa rota e às vezes confirmá-lo, sob o olhar de seus cidadãos. Reconciliada, a Europa não precisa ser piedosa ou praticante, ou fazer referência – como bloco único – a raízes cristãs. Basta-lhe sempre continuar debatendo e discutindo, conciliando, "fazendo concílio" das suas dificuldades, dos seus desacordos, para permanecer moderna, para viver e fazer viver uma permanente atualização de paz e de progresso social.

É reconhecendo essa Europa da modernidade, dando confiança a essa sociedade secularizada, mas democrática e social, que os cristãos poderão transmitir nela a mensagem de Cristo. Evangelizar significa não apenas socorrer, à beira da estrada, como o Samaritano, a pessoa dada como morta na fé, mas também dar confiança à sociedade (ao dono da pensão) para levar a termo a sua obra.

Escuta: saber ouvir as pessoas, a Igreja e a Palavra de Deus


A CCBF coloca a evangelização no centro do seu ministério de Escuta: a escuta das pessoas, do povo simples com o qual a Igreja e os fiéis convivem, a escuta da Igreja, de sua Tradição e de seu Magistério, e a escuta da Palavra de Deus

Embora distantes da Igreja, ou opostos às suas opiniões, aos seus ritos ou aos seus posicionamentos, os nossos concidadãos, no entanto, têm uma rica espiritualidade: é o específico do homem. Evangelizar significa sobretudo escutar, dar a palavra a essas interioridades, a essas expressões da fé ou da não fé que alguns crentes rígidos prefeririam nem ouvir, mas que são o terreno fértil dos imensos questionamentos espirituais do nosso tempo e a ocasião para que aqueles que se dizem cristãos testemunhem a sua fé em Cristo.

Aqui, pelo debate e pelo testemunho, pode haver escuta mútua: expressão de uma espiritualidade pessoal, mais ou menos cristã, ou nada cristã, e apostolado de uma fé cristã que dá à luz o seu Cristo, não com um discurso teórico, mas sim com uma palavra existencial. Com esse objetivo, a Conferência promoverá oficinas de expressão da fé, ou da espiritualidade, abertas a todos.

A Conferência também está à escuta da Igreja, de sua Tradição e de seu Magistério, e se vê próxima dos seus clérigos, que precisam do sustento dos batizados para exercer seus ministérios.

Muito frequentemente, esses ministérios ordenados são o lugar de sofrimentos humanos, que nada mais são do que a consequência da incompreensão, de rigidezes e da falta de atenção justamente dentro da nossa Igreja. Escutar os nossos clérigos, os nossos padres, as nossas religiosas é acolher fraternalmente os seus questionamentos e os seus problemas, e oferecer soluções que respeitem mais o espírito dos discípulos de Cristo do que a simples disciplina regulamentar e organizacional.

Uma Tradição e um Magistério vivos e presentes devem ser audíveis por todos. Para a Conferência, escutá-los não é lhes outorgar uma obediência cega. A obediência evangélica não é a execução de uma ordem, mas sim uma escuta, uma discussão, uma disputatio, uma necessária interpretação, especialmente pelos e para os leigos encarregados, segundo as próprias palavras da constituição dogmática sobre a Igreja Lumen Gentium, capítulo 4, §31, do Concílio Vaticano II, de "iluminar e ordenar de tal modo as realidades temporais, a que estão estreitamente ligados, que elas sejam sempre feitas segundo Cristo".

A Conferência se esforçará, portanto, para predispor espaços públicos de debate em torno das questões levantadas pela Tradição e pelo Magistério, de modo que a Tradição continue sendo aquilo que se pode e se quer transmitir e intercambiar (tradere em latim), e de modo que o Magistério, encarnado na vida dos homens e das mulheres deste tempo, seja unicamente o de Cristo. Assim, falando a mesma linguagem dos seus contemporâneos, os católicos poderão ser escutados por todos, crentes ou não crentes, o que é uma condição prévia para uma nova evangelização exitosa.

Enfim, evangelizar é sobretudo escutar a Palavra de Deus. Ler, falar, contar, discutir os relatos bíblicos e evangélicos, destacar as suas asperezas, os subentendidos, os símbolos, as correspondências, as contradições, os exageros, os escândalos. Não tomar nada ao pé da letra, mas fazer uma leitura e uma escuta ativas, revoltadas, implicadas, para finalmente, com a ajuda do Espírito, poder escutar o seu sal que dá sabor à nossa vida e nos faz dizer "Eu creio".

Nessa perspectiva, a Conferência irá orientar o seu ensinamento segundo a exortação apostólica Verbum Domini "sobre a Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja", que insiste na importância da Bíblia, no pecado unicamente como não escuta da Palavra e no papel dos leigos na evangelização.

Esperança: Cristo se dirige a cada um de nós, para que possamos fazer e refazer a Igreja


Se criamos a Conferência, é porque não podemos mais suportar que a nossa Igreja seja átona, que os cristãos se afastem dela silenciosamente, porque não são mais ouvidos. Sabemos também que toda oposição leigos-clero é estéril, e que a nossa Igreja não se transforma como um partido, uma empresa, um país ou uma associação. Por isso, queremos ficar no meio do barco, não reivindicar nada, mas esperar tudo, não ir embora, mas não calar, porque acreditamos que somos a Igreja e Cristo todos juntos, leigos e clérigos, liberais e mais tradicionais, homens e mulheres igualmente.

Para que a nossa Igreja não seja mais estática, em pane ou tentada a afundar na restauração de um passado superado e contrário à evolução da sociedade, porque nós somos a Igreja e somos modernos, parte ativa da sociedade atual, porque não desenvolvemos uma contracultura, mas estamos na vida real, com todos os outros, cristãos e não cristãos, temos no coração o nosso sacerdócio de batizados/as e, por tudo isso, temos a Esperança de que fazemos e continuaremos refazendo a Igreja, porque Cristo se dirige a cada um de nós e a cada um daqueles que encontramos no nosso apostolado.

Pouco a pouco, não mais de forma hierárquica, nem mediante um poder temporal, mas, de ser humano para ser humano, em rede, em rizoma [1], faremos crescer, faremos florescer e daremos o fruto da Vida.

Conférence Catholique des Baptisés Francophones, pelo seu Conselho de Administração

Nota:

1 - Rizoma é um modelo descritivo e epistemológico no qual a organização dos elementos não segue uma linha de subordinação hierárquica, segundo uma concepção de árvore, mas sim na qual cada elemento pode influenciar qualquer outro elemento. A concepção é dos filósofos franceses Deleuze-Guattari.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Evangelizar sem afundar na restauração: o desafio da Igreja hoje