Irreverência

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Igreja Universal cria seu exército particular com "recrutamento" de PMs

    LER MAIS
  • A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto anti-genocídio

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Dezembro 2019

"Depois de tudo que passou em vida, Jesus não iria se ofender com a gozação, ele que foi um grande irreverente", escreve Luis Fernando Verissimo, escritor, na crônica publicada por O Estado de S. Paulo, 12-12-2019.

Eis o texto.

Grupos religiosos querem proibir que vá ao ar o programa especial de Natal do “Porta dos Fundos”, que inclui uma sátira de Jesus Cristo e da Sagrada Família. Sátira, frequentemente de símbolos e figuras veneráveis, é o que a turma do “Porta dos Fundos” faz como ninguém na TV brasileira. Quem sabe que vai se sentir ofendido pelo programa mesmo antes de vê-lo pode recorrer à forma mais direta de censura, que é mudar de canal e deixar que quem admira o grupo e sua irreverência se divirta, sem precisar pedir licença para ninguém. Mas quem não quer ver a sátira não quer que ninguém a veja.

Não precisavam se preocupar. Depois de tudo que passou em vida, Jesus não iria se ofender com a gozação, ele que foi um grande irreverente. A ideia do Cristo como um agitador contra os poderosos do seu tempo, e não apenas os vendilhões expulsos do templo, tem pouco trânsito – para dizer o mínimo – entre os religiosos de hoje. Jesus foi perseguido até a morte, até a crucificação, a irreverência extrema, pelos que ele ameaçava com sua pregação revolucionária.

Os grupos que agora protestam contra o que ainda não viram são exemplos da intolerância que envenena o atual debate político e cultural do País, amostras da inegável imbecilização, se é que existe a palavra, que nos ameaça. Não se sabe se o veneno é uma destilação natural do clima que domina o País desde a bolsonarização (se é que existe a palavra), ou é aplicado conscientemente para nos emburrecer.

A coleção de frases infelizes ditas por nomeados para gerir a área cultural só pode significar que o objetivo é esse mesmo, nos tornarem mais irracionais, e perdermos uma guerra para a qual estamos mal-armados.

Enfim, como diria o grande irreverente, “Perdoai-os Senhor, eles não sabem o que dizem”. Ou pior, sabem, mas dizem assim mesmo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Irreverência - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV