"A crise humanitária é maiúscula", afirma diretor da Cruz Vermelha

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Igreja Universal cria seu exército particular com "recrutamento" de PMs

    LER MAIS
  • A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto anti-genocídio

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Janeiro 2009

O panorama em Gaza não pode ser mais drástico, segundo os responsáveis do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV). Seu diretor de operações, Pierre Krähenbühl, afirmou ontem em Genebra que “estamos frente a uma crise humanitária maiúscula, de grandes proporções”. Segundo explicou, “o sofrimento para a população se torna insustentável”, um diagnóstico sobre o qual tanto a Cruz Vermelha quanto as Nações Unidas se mostraram unânimes.
Após 11 dias de ataque israelense, “o grande problema é que os feridos [cerca de três mil] têm o acesso aos cuidados médicos cada vez mais dificultado”, comentou Florian Westphal, responsável pelas comunicações do CICV, ao El País. “O pessoal da Meia-Lua Vermelha palestina têm enormes dificuldades para assistir os feridos, e as pessoas morrem muitas vezes esperando a chegada da ambulância”, acrescentou.
Segundo Pierre Krähenbühl explicou à imprensa internacional, os constantes bombardeios e combates dificultam enormemente a chegada da ajuda sanitária indispensável às pessoas necessitadas. “Não temos a mobilidade de que precisamos dentro de Gaza. É necessário acelerar a autorização para que as ajudas cheguem mais rápido do que agora”, insistiu. Uma autorização que, segundo explicou Florian Westphal, “só pode ser dada pelo Exército israelita”.
Outro grave problema em desenvolvimento é o do acesso à água potável. “Em toda a zona norte de Gaza, o abastecimento de eletricidade depende de Israel, e o sistema está gravemente danificado. Se esses problemas não são arrumados com a maior brevidade, mais de 500 mil pessoas correm o risco de ficar sem água potável”, explicou Westphal.

(cfr. notícia do dia 8-01-09, desta página).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A crise humanitária é maiúscula", afirma diretor da Cruz Vermelha - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV