Objetivos da ONU estão em risco: ''Poucos países estão dentro dos prazos''

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O mercado não é Deus e a meritocracia é apenas um grande blefe”, desabafa banqueiro italiano

    LER MAIS
  • Agronegócio pode ter infectado 400 mil trabalhadores no Brasil por Covid-19

    LER MAIS
  • Meio bilhão de cristãos pedem que G20 reforme a atual arquitetura econômica

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Julho 2018

Era setembro de 2015 quando as Nações Unidas lançaram a Agenda 2030 e os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs), hoje o quadro universal sobre as questões de sustentabilidade. Desde então, passaram-se quase três anos: em que ponto estamos? Quem responde é o relatório “Responsabilidades globais: implementar os objetivos”, editado pela Fundação Bertelsmann e pela SDSN Network, a rede de soluções para o desenvolvimento sustentável promovida pelas Nações Unidas e coordenada pelo professor Jeffrey Sachs.

A reportagem é de Andrea Di Turi, publicada por Avvenire, 29-07-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Trata-se de um relatório com mais sombras do que luzes: “A situação não é muito promissora. Em relação a alguns objetivos, estamos distantes”, reconhece o professor Angelo Riccaboni, ex-reitor da Universidade de Siena e responsável SDSN pela área do Mediterrâneo. “Precisamos de mais compromisso. E de um maior senso de urgência.”

De acordo com o relatório, apenas poucos países do G20 fizeram ações decisivas para alcançar os ODSs. Muitos estão fazendo progressos rápidos. Mas, no conjunto, o mundo corre o risco de não conseguir.

O Índice SDG, que leva em conta os progressos realizados no que diz respeito a todos os objetivos, vê nos primeiros lugares o “costumeiro” norte da Europa, com a Suécia, Dinamarca e Finlândia. Mas que ainda não estão na trajetória para atingir os objetivos. Alemanha e França são os únicos países do G7 entre os 10 primeiros (dos 193 monitorados).

A Itália é o 29º, o que significa que ela está na “lanterna” em nível continental. Mas, mesmo assim, à frente dos Estados Unidos (35º), China (54º), Rússia (63º).

Nenhum país do G20, no entanto, alinhou completamente o seu orçamento nacional com os ODSs. Muitas nações de alta renda erradicaram quase completamente a pobreza extrema e a fome, mas são deficitárias, por exemplo, na ação pelo clima. Enquanto as nações de baixa renda tendem a não dispor de infraestruturas e de mecanismos adequados para gerir as questões ambientais fundamentais.

“Mas também há sinais positivos – explica o professor, que também é presidente da Fundação Prima, uma iniciativa euro-mediterrânea, cofinanciada (500 milhões de euros) por 19 países europeus e pela Comissão da União Europeia, para pesquisas sobre temas como gestão sustentável da água ou sistemas agrícolas sustentáveis – como o fato de que muitos países oficializaram e institucionalizaram seu compromisso com os ODSs: entre eles, a Itália está entre os primeiros (com a recente constituição da Comissão Nacional para o Desenvolvimento Sustentável no Palácio Chigi), junto com o Brasil e o México. Mas é preciso aumentar o ritmo, em todos os níveis: os decisores políticos, o setor privado, a sociedade civil.”

A Itália, porém, no relatório, não tem selos “verdes” (avaliação positiva) em relação ao ponto do caminho em que se encontra no que diz respeito a cada um dos ODSs. Há alguns selos “laranja”, por exemplo sobre a biodiversidade terrestre, a saúde e o bem-estar, a nutrição. Mas também preocupantes selos “vermelhos” (índice de atraso grave) sobre temas como consumo e produção responsáveis ou a luta contra as mudanças climáticas.

Então, quais são os caminhos à disposição para aumentar o ritmo? “É preciso pressionar – responde Riccaboni – pela inovação, tecnológica e social. E ser concretos, que, aliás, é o objetivo da nossa rede: promover soluções para alcançar os ODSs. Por exemplo, fizemos um ‘mooc’ (curso de formação a distância via internet, aberto a todos, disponível em www.sdgacademy.org) sobre o tema dos sistemas alimentares sustentáveis, com 2.000 alunos já inscritos. E, há muitos anos, lançamos um projeto sobre o tema ‘plastic busters’, hoje particularmente atual, para livrar o Mediterrâneo do plástico. Certamente, um dos temas fundamentais para agir, por causa das implicações que tem sobre a pobreza, a saúde, o ambiente, é a comida. E um papel fundamental é desempenhado pelos consumidores, que estão cada vez mais atentos a questões de sustentabilidade. Nesse sentido, a Itália, que é o país da dieta mediterrânea, da comida como socialidade, poderia aproveitar a oportunidade para reiterar a importância de um certo estilo de vida. Que está destinado a ser cada vez mais redescoberto.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Objetivos da ONU estão em risco: ''Poucos países estão dentro dos prazos'' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV