Investimento anunciado pelo governo representa apenas 25% do valor necessário para cumprir a meta do plano de saneamento

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS
  • Desigualdade entre ricos e pobres é a mais alta registrada no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Abril 2018

O governo Federal anunciou a liberação de dois bilhões de reais para serem gastos com saneamento básico em 76 municípios brasileiros. Além disso, o ministro das Cidades, Alexandre Baldy, revelou que serão liberados mais 3,5 bilhões de reais para o setor, em abril.

A reportagem é de Cristiano Carlos, publicada por Agência Rádio Mais, 15-04-2018. 

Os valores já superam em quase duas vezes os investimentos realizados pelo governo Federal em saneamento básico em 2017. Porém, o aporte representa apenas 25% do valor que seria necessário para cumprir a meta anual de investimentos para a universalização do saneamento, como prevê o Plano Nacional de Saneamento Básico.

O país tem como objetivo oferecer água e tratamento de esgoto para toda população até 2033. Para isso ocorrer, o governo Federal terá de investir cerca de 300 bilhões de reais até lá. Por ano, os gastos governamentais com saneamento deveriam ser de cerca de 22 bilhões de reais.

Além da baixa aplicação de recursos, o setor carece de regras mais claras. O marco regulatório do saneamento básico vigente atualmente não especifica metas aos estados e municípios na fomentação do saneamento, como explica o presidente da Subcomissão Permanente de Saneamento Ambiental, João Paulo Papa, do PSDB de São Paulo.

“É uma lei de diretrizes nacionais para o saneamento básico e, como tal, ela não define claramente o que cada município, cada estado deve, por exemplo, investir nos sistemas de saneamento. Ela apenas define as regras gerais para o saneamento básico nacional”.

Para o senador Cristovam Buarque, do PPS do Distrito Federal, as políticas para potencializar o saneamento no país não podem se resumir apenas à viabilidade de investimento. Ele explica que o planejamento da infraestrutura para o saneamento básico precisa ser eficiente, responsável e, preferencialmente, de menor custo.

“A maneira fundamental de fazer isso é: um, ação política de querer. Dois, a divisão técnica de engenharia de fazer de uma maneira eficiente, barata. Três, é a discussão financeira. Onde buscar o dinheiro necessário? E sendo um governo responsável, quantos anos vamos precisar?”

O governo Federal estuda a possibilidade de enviar ao Congresso Nacional uma proposta para alterar o marco regulatório do saneamento básico. A ideia é tornar as regras do setor mais claras, com previsão de metas e incluir a iniciativa privada nos projetos por meio de Parcerias Público-Privadas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Investimento anunciado pelo governo representa apenas 25% do valor necessário para cumprir a meta do plano de saneamento - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV