Cardeal Turkson: “É uma vergonha” que a água potável não seja uma prioridade

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • “Uma nova educação para uma nova economia”: Prêmio Nobel de Economia, Joseph Stiglitz, ministrará videoconferência nesta quinta-feira

    LER MAIS
  • O enorme triunfo dos ricos, ilustrado por novos dados impressionantes

    LER MAIS
  • Família Franciscana repudia lei sancionada por Bolsonaro que declara o dia 04 de outubro, dia de São Francisco de Assis, como dia Nacional do Rodeio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

31 Agosto 2016

Permitir que pessoas tomem água não potável ou que não tenham acesso a fontes confiáveis e limpas é vergonhoso, disse o Cardeal Peter Turkson a líderes religiosos.

“É uma vergonha” também que as necessidades das pessoas “sejam secundárias às necessidades de empresas, que ficam com grande parte dela e que poluem o restante”, declarou o presidente do Pontifício Conselho “Justiça e Paz”.

A reportagem é de Carol Glatz, publicada por Catholic News Service, 29-08-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

É também uma vergonha que “governos busquem outras prioridades e ignoram os gritos sedentos”, declarou o prelado no discurso que fez em um encontro inter-religioso na segunda-feira em Estocolmo, Suécia.

O evento sobre como as organizações religiosas podem contribuir para os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU que lidam com a água fez parte da reunião anual de Estocolmo chamada Semana da Água Mundial, que busca encontrar soluções concretas para questões relacionadas à água ao redor do mundo. A reunião também ocorreu tendo em vista o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, em 1 de setembro.

Com palestrantes representando as comunidades judaica, cristã, muçulmana, hindu e budista, o encontro de 29 de agosto voltou-se sobre a forma como as comunidades religiosas poderiam promover o acesso seguro a sistemas sanitários e a água potável para todos. Cerca de 660 milhões de pessoas estão sem água potável, e a cada ano milhões, a maioria criança, morrem de doenças relacionadas ao fornecimento e a sistemas sanitários impróprios, segundo a ONU.

Fé é práticas religiosas, disse Turkson, oferecem a “motivação necessária à virtude” que inspira as pessoas a protegerem a dignidade e dos direitos humanos.

As organizações religiosas podem ajudar os jovens a abraçar os valores de “solidariedade, altruísmo e responsabilidade” necessários para se tornar “administradores e políticos honestos”, complementou.

Os líderes religiosos também poderiam ajudar a organizar “campanhas inter-religiosas voltadas à limpeza dos rios e lagos no intuito de fomentar o respeito mútuo, a paz e a amizade entre os diferentes grupos”, bem como para promover uma “hierarquia inteligente de prioridades para o uso da água”, especialmente onde há demandas concorrentes”, disse.

Leia mais...

Cardeal Turkson: é plausível uma encíclica sobre não violência e doutrina da guerra justa

Objetivos do desenvolvimento sustentável no Antropoceno

Na questão do clima, católicos estão inclinados a 'sentir a dor do planeta e dos pobres'

OMS: 748 milhões de pessoas não têm acesso a água potável no planeta

"Água potável pode se tornar uma miragem"

No dia 1º de setembro, ocorre o 2º Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Turkson: “É uma vergonha” que a água potável não seja uma prioridade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV