Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Espiritualidade » Comentário do Evangelho

DOMINGO 23 DE SETEMBRO Evangelho segundo São Marcos 9,30-37

Partindo daí Jesus e seus discípulos atravessavam a Galiléia. Jesus não queria que ninguém soubesse onde ele estava, porque estava ensinando seus discípulos. E dizia-lhes: «O Filho do Homem vai ser entregue na mão dos homens, e eles o matarão. Mas, quando estiver morto, depois de três dias ele ressuscitará.» Mas os discípulos não compreendiam o que Jesus estava dizendo, e tinham medo de fazer perguntas.
Quando chegaram à cidade de Cafarnaum e estavam em casa, Jesus perguntou aos discípulos: «Sobre o que vocês estavam discutindo no caminho?» Os discípulos ficaram calados, pois no caminho tinham discutido sobre qual deles era o maior. Então Jesus se sentou, chamou os Doze e disse: «Se alguém quer ser o primeiro, deverá ser o último, e ser aquele que serve a todos.» Depois Jesus pegou uma criança e colocou-a no meio deles. Abraçou a criança e disse: «Quem receber em meu nome uma destas crianças, estará recebendo a mim. E quem me receber, não estará recebendo a mim, mas àquele que me enviou.»

(Correspondente ao 25º domingo comum, do ciclo B do Ano Litúrgico).

Locutor: Gilberto Faggion

O messianismo de Jesus

O evangelho deste domingo inicia apresentando a Jesus ensinando a seus discípulos/as enquanto caminham, atravessando a Galiléia, lugar onde desenvolveu sua atividade missionária.

Desde o começo a comunidade primitiva entende o discipulado no seguimento do Mestre, na medida que o seguem, vão conhecendo seu Projeto, acolhendo seus ensinamentos.

Mas nem sempre eles conseguem entender as palavras de Jesus como é o colocado hoje.

O conteúdo do ensinamento de hoje é o que se costuma chamar de segundo anúncio da paixão.  O evangelho de Marcos apresenta três anúncios da paixão. O que mostra a importância deste tema para a comunidade primitiva.

Jesus tem clara consciência do que lhe vá a acontecer: "O Filho do Homem vai ser entregue na mão dos homens, e eles o matarão. Mas, quando estiver morto, depois de três dias ele ressuscitará".

Seu messianismo passa pelo sofrimento da paixão e morte, mas é a vida do Pai que tem a última palavra sobre a morte e o ressuscita!

Os discípulos continuam sem entender o anuncio que Jesus faz de sua morte e ressurreição, mas o medo cultural lhes impede de perguntar ao seu Mestre.

Diante de diferentes situações ou realidades, que vivemos às vezes nos surgem perguntas que não nos animamos dirigir Jesus.  Por quê?

Talvez porque ao igual que os primeiros discípulos e discípulas não compreendemos que nosso Deus é aquele que assumiu a fraqueza de nossa humanidade com suas limitações e sofrimentos.

De modo que nada de que nos acontece lhe é indiferente e menos alheio, porque Ele é o Deus conosco, presente no meio de nossa frágil história humana.

Tenhamos hoje a confiança de fazer ao Senhor aquelas interrogações que temos cravadas em nosso corações faz tempo.

A discussão dos discípulos no caminho, sobre quem deles era o maior, manifesta que nada tinham compreendido das palavras de Jesus.

Mas este, conhecendo aos seus, com paciência pedagógica, vai tentar novamente explicar-lhes qual é sua proposta de vida.

O detalhe de Marcos ao nos disser que depois de estar na casa, Jesus se sentou e chamou aos doze nos permite imaginar a cena de um encontro privado com os seus mais próximos, "uma aula particular".

As sentenças de Jesus que vêm em seguida parecem descosidas, sem nexo lógico. Mas se as lemos atentamente vemos que tem íntima relação com o tema da paixão que foi anunciada no caminho.

Na primeira sentença: "Se alguém quer ser o primeiro, deverá ser o último, e ser aquele que serve a todos".  O caminho para ser maior, é oposto ao que pensavam os discípulos e os de sua época e também os da nossa!

Ser grande é ser servo de todos, como tão bem o exemplifica João no evangelho do lava pés (Jo 13), ou Paulo na sua carta aos Filipenses: "Ele assumiu a condição de servo... humilhou-se e foi obediente até a morte e morte de cruz" (Fl 2,7-8).

Para entender a segunda sentença temos que ter presente que na época de Jesus as crianças eram das criaturas mais insignificantes, não tinham condições de participar da vida social nem religiosa.
Então quando Jesus coloca uma criança no meio deles, no meio da comunidade, está mostrando que o serviço passa por acolher e cuidar aos mais pequenos, marginalizados.

A novidade de Jesus e de sua comunidade está justamente em buscar servir em primeiro lugar, aqueles que a sociedade por diferentes motivos despreza e deixa de lado.

Seguindo a proposta de Jesus se entende o que o Concílio diz a respeito da Igreja, "a qual guiada pelo Espírito Santo, pretende continuar a obra do próprio Cristo que veio ao mundo para dar testemunho da verdade, para salvar e não para condenar, para servir e não para ser servido". (GS 3)

A imagem de Jesus abraçando a criança não só é para revelar a ternura do Senhor, senão também através dela Marcos nos mostrar, além das palavras, a identificação de Jesus com a criança, com os pequenos da sociedade.

Jesus é o menor de todos, pois se fez servo em sentido pleno: até dar sua própria vida. Então novamente o evangelista está colocando que ser discípulo, discípula é acolher a Jesus como o Messias servidor que enfrenta a morte para comunicar vida para todos.

Mais ainda, é aceitar que o caminho do discípulo/a não é diferente ao do de seu Mestre, ou seja eles/as também "deverão" passar pela cruz, para chegar a ressurreição, pessoal e comunitária.

Olhando para nossa vida e comunidade, que ou quem colocamos no centro para servir? Estamos dispostos/as a viver o serviço até as últimas conseqüências?

Oração

Oração da Generosidade

Senhor,
ensina-me a ser generoso,
a dar sem calcular,
a trabalhar
sem importar-me com a recompensa,
a entregar-me aos outros
sem esperar o seu muito obrigado,
a servir sempre meus irmãos,
a fazer a caridade do sorriso,
quando não tiver outra coisa a dar,
a doar-me em tudo e cada vez mais àquele que de mim precisar,
a só esperar em ti
a minha recompensa,
e mesmo que esta não existisse,
a fazer tudo isso
simplesmente porque essa é tua vontade. Amém!


Referências

CONCILIO VATICANO II. Constituição Dogmática "Gaudium et Spes". Petrópolis: Ed. Vozes, 1997.

DELORME, J. Leitura do Evangelho segundo Marcos. São Paulo: Paulinas, 1982.

GOEDERT, Valter Mauirício. Ele está no meio de nós: meditações pascais. São Paulo: Ed. Paulinas, 2003.

KONINGS, Johan. Espírito e mensagem da liturgia dominical. Porto Alegre: Escola Superior de Teologia, 1981.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"É incompatível negócio com Igreja. Uma das causas de reprovação do povo é o pensamento permane..." Em resposta a: “As paróquias eliminem as listas dos preços dos sacramentos", pede o Papa
"Mais uma vez vejo intervenção ponderada e honesta, do Ricardo Semler! Que conheci, apenas, há uns..." Em resposta a: Nunca se roubou tão pouco

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes