''Resiliência'': uma palavra no poder

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Março 2012

A resiliência é uma resistência mais específica, mais aculturada: uma resistência com mestrado.

A opinião é do jornalista e escritor italiano Stefano Bartezzaghi, professor de Semiótica do Enigma da Libera Università di Lingue e Comunicazione de Milão (IULM), em artigo publicado no jornal La Repubblica, 29-02-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Mesmo que você não saiba o que significa "resiliente", espere sê-lo. Adquira resiliência. Sempre pode lhe servir, ou, melhor, vai lhe servir, sem dúvida. Pegue um dicionário. Quanto mais recente for o dicionário, mais extenso será o verbete "resiliência". Os dicionários de alguns anos atrás se limitavam à acepção técnica: a capacidade de um material de resistir a deformações e choques sem se romper. Mas, dado que a palavra está se tornando de moda em diversos campos, acrescentam-se acepções sobre acepções.

Há a resiliência têxtil, a capacidade dos tecidos de retomar a sua forma original, no iron, nem ironias. Há a resiliência psicológica, a capacidade de absorver traumas e de enfrentar adversidades. Há a resiliência ecológica, que se refere às espécies e ao seu modo de enfrentar as catástrofes ambientais. Há a resiliência informática, a geriátrica e até uma resiliência que concerne à produção de dentaduras. Mas tudo o que tem a ver com esse conceito, aparentemente tão técnico e na moda, parece ser, no fundo, no fundo, melancólico e velho.

Talvez, seja preciso desconfiar de termos abstratos que não tem um verbo por trás: a resistência é a ação de quem resiste, a residência é a condição de quem reside, mas e a resiliência? Quem de vocês simplesmente já começou a resiliar? Julgando a partir do fim das liberalizações, os lobbies têm uma grande resiliência: depois de cada golpe (decreto ou listagens) voltam ao seu estado original com grande velocidade.

Além disso, pode ser que o resiliente tenha no seu nome ecos do rei exilado, coisas de Shakespeare e do Rei Lear, mas o fato é que ele parece ser como um dote um pouco defensivo demais, em termos futebolísticos, um pouco "retranqueiro" demais.

É verdade que a resiliência é uma resistência mais específica, mais aculturada: uma resistência com mestrado. Mas não faça a piada "Agora e sempre, resiliência". Ela definitivamente incendiou um congresso em Bolonha, convocado justamente com esse título alguns dias. Desta vez, quem deveria ser resiliente é a escola pública. Esperamos que ao menos faça alguns gols no contra-ataque.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''Resiliência'': uma palavra no poder - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV