Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Entrevistas

O pecado do excesso: desinformação e mau uso reduzem a eficácia dos antibióticos. Entrevista especial com Luis Caetano Antunes

“O acesso a informações precisas poderia reduzir a prescrição inadequada de antibioóticos pela comunidade médica. Campanhas publicitárias na mídia, por sua vez, poderiam ajudar a conscientizar a população sobre a importância do uso correto destas drogas e dos malefícios de seu uso abusivo”, explica o pesquisador.

Foto: waldircardoso.wordpress.com
O antibiótico é uma das descobertas que revolucionaram a medicina possibilitando sanar diversas doenças, que hoje são consideradas simples e de fácil tratamento, mas que antes do surgimento dessa classe de medicamentos não tinham cura. Entretanto, cientistas alertam que podemos estar a caminho da “era pós-antibiótico”, em que essas drogas deixarão de ter efeito em função do aparecimento das chamadas superbactérias. Ironicamente, esses microrganismos têm se originado a partir do uso indiscriminado e incorreto de antibióticos.

Conforme aponta em entrevista por e-mail à IHU On-Line, o pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz, Luis Caetano Antunes, o excesso e má administração desses medicamentos potencializam mutações nas bactérias que as tornam mais capazes de sobreviver a adversidades.

“Mutações que geram resistência estão sempre surgindo, aleatoriamente, em populações de microrganismos. Entretanto, na ausência do antibiótico essas mutações não favorecem em nada as bactérias que as carregam, e logo desaparecem. Porém, se um antibiótico está presente, essa mutação trará um benefício para a bactéria que a possui. Caso o uso do antibiótico não seja feito da maneira correta (tratamento interrompido, doses esquecidas, etc), as bactérias mais sensíveis, isto é, sem mutações, serão eliminadas, mas as bactérias contendo essas mutações sobreviverão e se multiplicarão”, explica.

O pesquisador adverte que essas mutações que conferem maior resistência às bactérias se proliferam com facilidade e podem ser transmitidas para diferentes grupos de microrganismos no corpo humano, gerando uma série de infecções intratáveis. Ao longo da entrevista, Antunes fala ainda sobre a importância dos antibióticos e das pesquisas em diferentes fontes para o descobrimento de novos medicamentos, e da urgência de conscientizar a sociedade, os profissionais, estudantes e pesquisadores da área da saúde sobre o assunto. “Apesar de haver um certo consenso sobre a relevância do tema, é necessário que a comunidade médica e científica sensibilize os gestores e a população sobre a importância deste assunto. Além disso, é fundamental que haja uma formação mais sólida dos estudantes de medicina quanto ao desafio representado pelo uso abusivo de antibióticos e a resistência microbiana gerada por este fenômeno”, frisa.

Luis Caetano Antunes é bacharel Magna cum laude em Microbiologia e Imunologia e mestre em Ciências Biológicas - Microbiologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. É doutor em Microbiologia pela University of Iowa, nos Estados Unidos, onde trabalhou no laboratório do membro da National Academy of Sciences, Dr. E. Peter Greenberg. Realizou seu pós-doutorado na University of British Columbia, no Canadá, trabalhando no laboratório do então estudioso do Howard Hughes Medical Institute International Research, Dr. B. Brett Finlay. Atualmente é pesquisador em Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz.

Confira a entrevista.

Luiz Caetano Antunes
Foto: www.ensp.fiocruz.br
IHU On-Line - O uso de antibiótico sem prescrição médica já é um problema de saúde pública no Brasil?
Luis Caetano Antunes - É difícil estimar o tamanho deste problema. Antes da implementação da Resolução da Diretoria Colegiada - RDC 44/2010, pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA, era senso comum que antibióticos podiam ser facilmente adquiridos em farmácias de todo o Brasil sem a apresentação de receita. Com a introdução desta medida, espera-se que esse comportamento tenha sido alterado, tanto pela maior dificuldade imposta para a compra do remédio sem receita, como pela maior conscientização da população e dos profissionais envolvidos, como os farmacêuticos e atendentes de farmácias.

Apesar de não se poder afirmar com convicção que a compra desses medicamentos sem receita ainda ocorra em níveis preocupantes, essa é certamente uma possibilidade. Além disso, a compra com receita também pode ser prejudicial à saúde pública, caso a prescrição tenha sido feita de forma incorreta, ou se a tomada do medicamento também for feita de maneira inadequada. Ou seja, o mau uso dos antibióticos não se limita à sua compra sem a devida receita médica, mas envolve uma série de outros fatores.

IHU On-Line - É possível identificar por quais razões as pessoas consomem antibiótico de modo abusivo? É por conta da automedicação ou da prescrição médica?

Luis Caetano Antunes - Tanto a automedicação quanto a prescrição médica incorreta contribuem para esse problema. Entretanto, é importante notar que não é só o uso “excessivo” de antibióticos que representa um problema. O uso incorreto também é prejudicial. Se um paciente interrompe o tratamento antes do tempo, ou esquece doses com frequência isso também pode acarretar em problemas de resistência bacteriana e falha terapêutica.

Acredito que a maior causa para que isso ainda ocorra seja a falta de informação. Isso vale tanto para a comunidade médica quanto para a população em geral. O acesso a informações precisas poderia, por exemplo, reduzir a prescrição inadequada destes

“O remédio é sempre associado a algo positivo, que cura. Isso faz com que a população, na dúvida, tenha a tendência de utilizar estas drogas mesmo quando não há necessidade 

  

 

medicamentos pela comunidade médica. Campanhas publicitárias na mídia, por sua vez, poderiam ajudar a conscientizar a população sobre a importância do uso correto destas drogas e dos malefícios de seu uso abusivo. No momento atual, a população simplesmente não tem essas informações. O remédio é sempre associado a algo positivo, que cura. Isso faz com que a população, na dúvida, tenha a tendência de utilizar estas drogas mesmo quando não há necessidade.

IHU On-Line - Quais são os efeitos colaterais do uso abusivo desse tipo de medicação? Fala-se que o uso abusivo de antibióticos geram bactérias super-resistentes no organismo. Poderia nos explicar a relação entre essas questões?

Luis Caetano Antunes - O maior problema associado ao uso abusivo de antibióticos é a geração de bactérias resistentes. O antibiótico é uma droga feita para matar os microrganismos. Entretanto, em uma população de microrganismos, assim como em uma população de qualquer ser vivo, existem sempre mutações sendo produzidas. Esse é um processo normal e responsável pela evolução das espécies. Mutações são geradas aleatoriamente. A grande maioria destas mutações não gera nenhuma mudança importante no organismo, e por isso são perdidas ao longo das gerações. Entretanto, quando uma mutação gera um benefício, ela acaba sendo selecionada. Em outras palavras, se uma mutação faz com que um organismo se torne mais forte e melhor capacitado para enfrentar as dificuldades impostas pelo ambiente onde vive, esse organismo terá uma maior chance de sobrevivência e reprodução, fazendo com que essa mutação seja mantida e propagada. Isso também ocorre com a resistência aos antibióticos.

Um microrganismo é dito resistente a um antibiótico quando aquela droga não tem mais a capacidade de inibir a sua sobrevivência e crescimento. Mutações que geram resistência estão sempre surgindo, aleatoriamente, em populações de microrganismos. Entretanto, na ausência do antibiótico essas mutações não favorecem em nada as bactérias que as carregam, e logo desaparecem. Porém, se um antibiótico está presente, essa mutação trará um benefício para a bactéria que a possui. Caso o uso do antibiótico não seja feito da maneira correta (tratamento interrompido, doses esquecidas, etc), as bactérias mais sensíveis, isto é, sem mutações, serão eliminadas, mas as bactérias contendo essas mutações sobreviverão e se multiplicarão.

Mesmo que no fim essa infecção seja curada, é possível que o indivíduo esteja agora colonizado por bactérias resistentes e, caso essas bactérias venham a causar um outro processo infeccioso no futuro, o antibiótico que foi usado para trata-lo da primeira vez não será mais eficaz. Para piorar ainda mais a situação, bactérias possuem mecanismos bastante eficientes para transferir mutações entre si. Assim, estas bactérias resistentes presente no organismo do indivíduo poderão também transferir essa resistência para outras bactérias do corpo humano.

IHU On-Line - O que seria uma alternativa ao uso de antibióticos hoje?

Luis Caetano Antunes - Realisticamente falando, não existe alternativa concreta ao uso de antibióticos. Antibióticos serão sempre necessários, e por isso a importância de seu uso correto e controlado. A alternativa que temos é continuar a busca por novas drogas. Drogas para as quais os microrganismos ainda não tenham desenvolvido resistência. Entretanto, isso tem sido difícil, e cada vez menos antibióticos novos são descobertos e lançados no mercado.

  

“Realisticamente falando, não existe alternativa concreta ao uso de antibióticos, eles serão sempre necessários, e por isso a importância de seu uso correto e controlado 

Eu acredito que a solução para esse problema será a procura por estas drogas em fontes não convencionais. Por exemplo, o corpo humano é colonizado por uma comunidade altamente complexa de bactérias, que interagem com o nosso organismo pacificamente, sem causar doenças e auxiliando-o em uma série de funções. Estas comunidades evoluíram com o organismo humano por centenas de milhares de anos, e sabemos que elas exercem uma função protetora contra bactérias nocivas. Essa diversidade microbiana e as moléculas que estas bactérias produzem poderão se tornar uma fonte importante de novas moléculas a serem utilizadas no controle de infecções no futuro.


IHU On-Line - É possível estimar qual tem sido a eficácia da Resolução RDC 44 da Anvisa, que proíbe a venda de antibióticos sem prescrição médica?

Luis Caetano Antunes - É difícil saber na prática se a RDC 44/2010 realmente teve um impacto na venda destes medicamentos sem receita. O que sabemos é que a venda de antibióticos teve uma queda expressiva nos primeiros meses após a implementação desta medida. Entretanto, após cerca de seis meses os números retornaram ao patamar anterior. Isso sugere que a maior razão do uso inadequado de antibióticos não é na verdade a tomada de medicação sem receita pela população, mas sim a prescrição indiscriminada destas drogas, já que agora, mesmo com a exigência da receita, os níveis de consumo continuam elevados.

IHU On-Line - Como a discussão sobre o uso de antibióticos é feita entre os especialistas da área da saúde? Há consenso sobre como as pessoas devem consumir esse tipo de medicamento?

Luis Caetano Antunes - Em minha opinião a discussão sobre esse assunto ainda é feita muito em nível científico. Apesar de haver um certo consenso sobre a relevância do tema, é necessário que a comunidade médica e científica sensibilize os gestores e a população sobre a importância deste assunto. Além disso, é fundamental que haja uma formação mais sólida dos estudantes de medicina quanto ao desafio representado pelo uso abusivo de antibióticos e a resistência microbiana gerada por este fenômeno.

(Por Patrícia Fachin e Leslie Chaves)

Para ler mais:


  • 26/05/2013 - A medicalização da vida faz mal à saúde. Entrevista especial com José Roque Junges
  • 25/05/2013 - Mais medicalização, menos autonomia. Entrevista especial com Charles Dalcanale Tesser
  • 15/10/2014 - Bioética, biopolítica e tanatopolítica. A obsessão doentia pela saúde perfeita. Entrevista especial com Anna Quintanas
  • 12/02/2014 - A financeirização da saúde. Entrevista especial com Luiz Vianna Sobrinho
  • 07/09/2013 - Programa Mais Médicos e os problemas estruturais da saúde pública brasileira. Entrevista especial com Nêmora Barcellos
  • 15/04/2013 - Saúde e tecnologia. A busca da imortalidade. Entrevista especial com Luis David Castiel
  • 16/09/2007 - Saúde Coletiva: contribuições e debates. Entrevista com Liana Bastos
  • 21/02/2011 - Lei de patentes fez País gastar R$ 123 milhões a mais com 4 medicamentos
  • 26/11/2010 - Europa de olho nos nossos medicamentos
  • 19/10/2009 - Correa anuncia revogação de patentes de medicamentos
  • 22/05/2007 - Vaticano dá apoio ao Brasil em política de acesso a medicamentos
  • 15/08/2010 - Vaticano denuncia 700 mil mortes anuais por medicamentos falsos
  • 30/07/2015 - Pesquisa da Fundação Tropical desenvolve remédio para curar a malária em um dia
  • 12/08/2014 - OMS aprova uso de remédio não testado em humanos para tratar ebola
  • 05/05/2014 - “A alimentação é o nosso primeiro remédio”. Entrevista com Richard Béliveau
  • 18/10/2010 - Brasil defende direito de quebrar patente de remédios
  • 06/07/2010 - Homeopatia é para o organismo, remédio para a doença, afirma biólogo
  • 28/11/2007 - 85% da humanidade não pode pagar seus remédios
  • 23/03/2006 - Nova fonte para a produção de remédios
  • 10/12/2015 - Por que o uso de antibióticos na criação de animais ameaça a saúde humana
  • 18/01/2016 - Alternativas atraentes para os antibióticos
  • 20/05/2015 - OMS busca plano global contra resistência crescente a antibióticos
  • 05/05/2014 - Para OMS, resistência de bactérias a antibióticos é 'ameaça global'
  • Veja também:


  • A medicalização da vida. A autonomia em risco. Revista IHU On-Line nº 420.
  • Adicionar comentário


    Código de segurança
    Atualizar

    Cadastre-se

    Quero receber:


    Refresh Captcha Repita o código acima:
     

    Novos Comentários

    "É imprecionante que com todo esse conhecimento a mentira continua e até quando o STF vai se manter..." Em resposta a: O xadrez do grampo de Jucá
    "Sabe a população ou seja o povo que trabalha paga os impostos nunca deve vez na politica nacional ..." Em resposta a: Meias verdades sobre a crise e o Brasil
    "Gostariamos de pedir orações pela equipe do Atendimento Unisinos. O último mês foi bem triste, p..." Em resposta a: Atendimento Espiritual

    Conecte-se com o IHU no Facebook

    Siga-nos no Twitter

    Escreva para o IHU

    Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

    Conheça a página do ObservaSinos

    Acompanhe o IHU no Medium