Alexandre Vannucchi Leme. 40 anos depois. Entrevista especial com Aldo Vannucchi

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Março 2013

“Essa informação de que ele havia sido morto fugindo da polícia é falsa, porque colegas de cárcere e testemunhas do tribunal militar, algumas vivas ainda hoje, que estavam em celas contíguas, ouviram, no dia 16 de março, os gritos dele dizendo: ‘Eu me chamo Alexandre Vannucchi Leme, sou da ALN e não disse o nome de ninguém’”, afirma tio de estudante morto durante a ditadura militar.

Confira a entrevista.


“Depois de ter passado 40 anos, estamos felizes de prover que a morte do Alexandre é não apenas uma lembrança de luto, mas uma proposta renovada de luta, luta pacífica pela autêntica democratização do nosso país”. A declaração é de Aldo Vannucchi, tio de Alexandre Vannucchi Leme, estudante da USP, que foi torturado e morto pelo regime militar brasileiro em 1973, e se tornou um dos símbolos do movimento estudantil no combate à ditadura.

Vannucchi Leme participava da Ação Libertária Nacional – ALN, que reunia tanto católicos como não católicos, marxistas e não marxistas. “Alexandre não era marxista; era católico de família católica, mas viu na ALN um caminho válido de afirmar a sua vontade de libertação do povo naquela altura da nossa história”, relata Vannucchi. O jovem foi preso pela Operação Bandeirantes em 16 de março de 1973, e em seguida torturado até a morte.

Na entrevista a seguir, concedida à IHU On-Line por telefone, Aldo Vannucchi relembra a trajetória do sobrinho no enfrentamento à ditadura militar e comenta o trabalho da Comissão da Verdade: “Não queremos mandar ninguém para a cadeia, mas queremos que o Brasil conheça os nomes dos envolvidos, quais pessoas praticaram atos de terror nos porões da ditadura, quem foram os médicos legistas que homologaram falsos atestados de óbito, quais foram os militares que atuaram no regime, quais foram os delegados da Polícia Civil, quais foram os ‘paus-mandados’ que praticaram tanta barbárie. Só isso e tudo isso é o que nós queremos”.

Às 12h da manhã de hoje, 15 de março, a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça e a 66ª Caravana da Anistia reconhecerão, num ato oficial, Alexandre Vannucchi Leme como anistiado político, no Instituto de Geociências da USP. Às 18h será celebrada uma missa na Catedral da Sé, recordando a que foi presidida por D. Paulo Evaristo Arns, em março de 1973, em memória de Alexandre Vanucchi Leme. A missa, na catedral da Sé, em São Paulo, celebrada sob intensa repressão do aparato militar, foi o primeiro ato massivo, depois do AI-5 de 1968, de contestação contra a ditadura militar.

Aldo Vannucchi (foto) é ex-reitor da Universidade de Sorocaba Uniso. Cursou mestrado em Teologia e Filosofia, e lecionou na Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Sorocaba.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Pode nos contar a trajetória de Alexandre Vannucchi Leme, enquanto estudante e militante do movimento estudantil durante a ditadura militar brasileira?

Aldo Vannucchi
Alexandre Vannucchi Leme, meu sobrinho, é natural de Sorocaba, SP, onde cursou os estudos iniciais, a educação básica, o científico (ensino médio), e o curso normal (magistério): pela manhã ele cursava o ensino médio e à noite, o magistério. Com 18 anos prestou vestibular para o curso de Geologia, da Universidade de São Paulo – USP, passando em primeiro lugar. Era um jovem muito talentoso, estudioso, amava ler e já dominava o inglês com perfeição. No movimento estudantil, distinguiu-se por ser uma liderança intelectual e afetiva: era muito simples nos seus contatos, no jeito de se vestir, tinha facilidade de brincar com os colegas, haja vista o apelido que recebeu dos amigos: Minhoca. Isso porque era franzido de corpo, mas também porque gostava da terra, do chão, da rocha. Não é à toa que queria ser geólogo. No movimento estudantil, destacava-se por essa “fome” de aprender e pela grande facilidade de relacionamento e de conquistar amigos em Sorocaba e em São Paulo.

IHU On-Line – Ele também recebeu alguma influência política da família?

Aldo Vannucchi
– Sem dúvida. Os pais dele eram professores e ele, para mim, era o filho que eu ainda não tinha. À época, eu era padre e ele participava comigo de muitas reuniões seja no mundo universitário, porque eu era diretor da Faculdade de Filosofia, embrião da atual Uniso, seja na Igreja, porque eu era assistente eclesiástico da Juventude Operária Católica – JOC. Alexandre participava dessas reuniões, sabia da minha posição em relação à ditadura, porque eu também fui preso logo nos primeiros dias do Golpe de 64. Ele morava pertinho do Seminário Diocesano, onde eu lecionava e, então, desde pequeno estava na minha companhia e recebeu essa influência de toda a família, que sempre foi muito atenta à realidade nacional e, no meu caso, de grande participação política não partidária, mas de muita atuação em favor do pobre, do operário e em valorização do jovem universitário em Sorocaba.

IHU On-Line – Como aconteceu o envolvimento dele com a Ação Libertadora Nacional – ALN?

Aldo Vannucchi
– Em São Paulo, assim como no Brasil todo, havia vários movimentos revolucionários num leque muito variado, seja de extrema esquerda, apelando para a violência e para o uso de armas, até outras alas mais atentas a um processo histórico que aconteceria com a atuação intelectual, com transformação progressiva das estruturas. Assim, por exemplo, havia a Ação Popular, liderada pela Juventude Universitária Católica – JUC, e a Ação Libertária Nacional – ALN, que reunia tanto católicos como não católicos, marxistas e não marxistas. Alexandre não era marxista; era católico de família católica, mas viu na ALN um caminho válido de afirmar a sua vontade de libertação do povo naquela altura da nossa história.

IHU On-Line – Como acontecia o diálogo entre marxistas e católicos?

Aldo Vannucchi
– Nessa época havia um encontro muito comum na tentativa de jovens católicos beberem no marxismo não, evidentemente, a seiva materialista, mas o processo de denúncia do status quo e, ao mesmo tempo, de libertação e redenção da classe operária e de todo o proletariado.

IHU On-Line – À época da ditadura, os jornais publicaram que Alexandre havia sido atropelado. Como aconteceu a investigação da morte dele até se confirmar a notícia de que havia sido morto pelos militares?

Aldo Vannucchi
– Ele studava em São Paulo e vinha a Sorocaba a cada 15 dias. Depois, houve uma temporada em que ele não voltou para casa e ficamos preocupados. Na ocasião recebemos um telefonema anônimo, talvez de algum amigo dele, dizendo que ele havia sido preso. Isso aconteceu no dia 17 de março, precisamente o dia em que foi assassinado. Com essa notícia de que ele havia sido preso, tanto eu quanto o pai dele, meu cunhado, começamos uma peregrinação em São Paulo procurando-o em delegacias, hospitais, presídios, sem conseguir informações. Até que, no dia 23 de março, os jornais publicaram a notícia, segundo a ótica oficial da ditadura, de que Alexandre havia sido morto fugindo da polícia, atingido por um caminhão. Novamente, meu cunhado e eu voltamos a São Paulo para procurar informações, as quais não eram dadas de jeito nenhum. Somente conseguimos os ossos dele 10 anos depois da morte.

Mas essa informação de que ele havia sido morto fugindo da polícia é falsa, porque colegas de cárcere dele e testemunhas do tribunal militar, algumas vivas ainda hoje, que estavam em celas contíguas, ouviram, no dia 16 de março, os gritos dele dizendo: “Eu me chamo Alexandre Vannucchi Leme, sou da ALN e não disse o nome de ninguém”. No dia seguinte, após muitas torturas, os carrascos pediram que os outros presos se colocassem de costas para as grades, sem olhar para os corredores, enquanto arrastavam o corpo de Alexandre. Depois, os outros presos viram sangue nos corredores. Então, ele morreu por causa das torturas. Tanto é assim que a família entrou há pouco tempo com um processo pedindo a correção do atestado de óbito dele, não de traumatismo craniano, mas de morte causada por torturas.

IHU On-Line – E conseguiram alterar o atestado de óbito?

Aldo Vannucchi
– Não, ainda não. O que conseguimos – e será anunciado hoje (15-03-2012), no encontro em São Paulo – é um documento dizendo que ele não era um terrorista, um subversivo, mas sim um anistiado político.

IHU On-Line – Houve, ao longo desses quarenta anos, alguma declaração do Estado ou dos militares em relação ao caso de Alexandre?

Aldo Vannucchi
– Não. Logo após o seu falecimento, a família entrou com um processo, mas ele foi obstruído, porque todos os processos acabavam caindo no Tribunal Militar, onde havia sempre um voto a favor, digamos assim, da verdade e os nove outros votos eram negados. O único voto a favor da verdade naquela altura era do general Rodrigo Jordão, tanto assim que chegou um momento em que ele pediu dispensa daquele tribunal e se afastou.

IHU On-Line – Em 30 de março de 1973, dom Paulo Evaristo Arns realizou uma missa em memória de Alexandre, com a presença massiva de estudantes, colegas e militantes. Como o senhor avalia a atuação da Igreja nesse período?

Aldo Vannucchi
– Quando Alexandre foi morto, os estudantes da USP tentaram fazer um grande movimento de denúncia de toda aquela mentira, de toda aquela violência e recorreram a dom Paulo Evaristo Arns. Eles queriam uma manifestação pública dele, da Igreja, até porque o Alexandre, dias antes, havia participado de um debate na PUC-SP sobre a posição da Igreja naquele momento histórico da vida e da história do Brasil. Alexandre foi um dos estudantes que fez perguntas para dom Evaristo e participou daquele debate. Dom Evaristo atendeu aos estudantes e falou que, em vez de um movimento público, iriam celebrar uma missa na Sé, e foi o que aconteceu: uma missa com milhares de pessoas, missa envolvida por grande perigo de novas prisões, mas que foi celebrada com muita seriedade, muita devoção, marcando profundamente não só os presentes como também a história da Igreja perante aquela ditadura da época.

Além de dom Evaristo Arns, havia também a atuação de dom Cândido Padin, que era bispo auxiliar de São Paulo. Evidentemente havia dom Helder Câmara, do Nordeste, e outros bispos, não muitos, porque infelizmente a ditadura teve apoio de parte significativa do clero e da hierarquia brasileira. Mas dom Evaristo e outros marcaram posição especialmente a partir deste caso do Alexandre, denunciando a ditadura, a violência, a censura, a tortura. Dom Evaristo marcou muito, especialmente por ter lembrado que os militares haviam negado à família de Alexandre aquilo que não foi negado ao próprio Cristo: a entrega do cadáver para sua mãe.

IHU On-Line – Como avalia a atuação da Comissão da Verdade no sentido de rever a historiografia desse período? Há alguma expectativa em relação ao trabalho que ainda pode ser desempenhado?

Aldo Vannucchi
– A Comissão da Verdade chegou tarde, mas merece todo crédito, todo apoio e esperamos que ela chegue a bom termo. Está havendo muita resistência por parte de grupos que ainda hoje acham que naquele tempo havia disciplina, ordem e até milagre econômico, mas a Comissão da Verdade está fazendo um belíssimo trabalho. Ela está atuando não apenas em âmbito nacional, mas também nos estados, e espero que chegue a bom termo, porque é questão de justiça e de direito: o direito à verdade, à memória, à justiça histórica. Também gostaria de lembrar que, no caso do Alexandre, nós estamos esperando essa declaração de que ele, dentro de toda a verdade histórica, não foi um terrorista, até porque o acusavam de atos terroristas em uma temporada na qual ele estava hospitalizado em Sorocaba. Naqueles dias em que acusam atos de terror praticados por ele, na realidade ele estava hospitalizado aqui na cidade (Sorocaba), porque havia feito uma cirurgia de apêndice, uma apendicectomia. Então, a mentira fica escancarada. Essa Comissão da Verdade está terminando os seus trabalhos, e não queremos mandar ninguém para a cadeia, mas, sim, que o Brasil conheça os nomes dos envolvidos, quais pessoas praticaram atos de terror nos porões da ditadura, quem foram os médicos legistas que homologaram falsos atestados de óbito, quais foram os militares que atuaram no regime, quais foram os delegados da Polícia Civil, quais foram os “paus-mandados” que praticaram tanta barbárie. Só isso e tudo isso é o que nós queremos.

IHU On-Line – Gostaria de acrescentar algo?

Aldo Vannucchi
– Simplesmente dizer que depois de dez anos conseguimos, através do molde da arcada dentária dele, identificar seus ossos e trazer a urna contendo-os para enterrar no jazigo da família, em Sorocaba. Depois de ter se passado 40 anos, estamos felizes de prover que a morte do Alexandre é não apenas uma lembrança de luto, mas uma proposta renovada de luta, luta pacífica pela autêntica democratização do nosso país.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Alexandre Vannucchi Leme. 40 anos depois. Entrevista especial com Aldo Vannucchi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV