''A nação nordestina foi moldada no lombo de um jumento''. Entrevista especial com Kátia Lopes

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Como a ciência defende a floresta. Entrevista com Carlos Afonso Nobre

    LER MAIS
  • Santa Irmã Dulce, a ''Madre Teresa brasileira''. Bolsonaro ausente

    LER MAIS
  • Luiz Eduardo Merlino morre mais uma vez

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Junho 2012

Ao refletir sobre um protocolo para a exportação de jumentos do Nordeste para a China, a veterinária e agrônoma alerta para os riscos de maus tratos com os animais: “se deixar do jeito que está com certeza teremos um dos maiores símbolos do Nordeste ameaçado de extinção”, alerta.

Confira a entrevista.

Uma polêmica tem envolvido o povo do Nordeste nos últimos dias, e que tem sido pouco repercutida, apesar da gravidade do tema. Trata-se do protocolo de intenções assinado entre a China e a Secretaria de Agricultura do Rio Grande do Norte para a exportação de jumentos. Fala-se em cerca de 300 mil jegues por ano que seriam enviados do Nordeste para a China.

Entre tantos que têm se manifestado contrariamente está a veterinária de Mossoró-RN, Kátia Lopes, que preside a ONG Defesa da Natureza. Em entrevista concedida por telefone para a IHU On-Line ela oferece vários elementos para análise e reflexão acerca deste protocolo, contextualizando-o na percepção regional: “temos uma estima muito grande aqui no Nordeste pelo jumento. Devemos muito a esse animal. Na formação da nossa civilização muita gente defende que foi no lombo de um jumento que a nação nordestina nasceu. Ele é o símbolo da resistência da nossa região. E foi por isso que compramos essa briga. Muitas vezes a mídia ou algumas pessoas nos acusam de estar brigando apenas pela exportação de carne. Mas não é por isso. Estamos brigando pelo contexto do documento, que só fala desse possível acordo entre uma empresa chinesa com o Brasil para exportação desses animais para utilização da carne, produtos e principalmente – o que nos fere mais – a utilização desses animais vivos em testes de cosméticos lá”.

Kátia explica que “o jumento é um dos símbolos da resistência do nordestino, porque é um animal pequeno e forte como poucos, com um sistema imunológico fantástico, que se alimenta com muito pouco e que se adaptou ao nosso clima. Todo nordestino deveria se orgulhar desse animalzinho que é nosso símbolo: pequeno, resistente, sofredor e forte”.

Kátia Regina Freire Lopes possui graduação em Agronomia e em Medicina Veterinária e mestrado em Ciência Animal pela Universidade Federal Rural do Semiárido. É sócio-fundadora da ONG Defesa da Natureza e dos Animais, de Mossoró-RN (mais informações em facebook.com/ongdna).

Confira a entrevista.

IHU On-Line A Secretaria de Agricultura do Rio Grande do Norte assinou um protocolo de intenções para exportar jumentos para a China. Qual é a origem, o conteúdo e o contexto deste documento?

Kátia Lopes – Nós tomamos conhecimento deste documento falando apenas e exclusivamente da exportação de carne. A nossa curiosidade era justamente saber como esses animais estavam sendo criados, até sob o viés da saúde pública, porque é comum o aparecimento de problemas com algumas exportações de carne em relação a doenças ou a higiene. Então, começamos a prestar atenção de onde saíam esses animais. No final, conseguimos uma cópia deste documento. E ele nos assustou exatamente porque não se trata apenas da exportação da carne. Seria até hipocrisia da nossa parte brigar pela não exportação da carne do jumento, quando temos exportação de frangos, de bois, de suínos e outras espécies cuja carne é exportada. O problema deste documento é que, além da exportação da carne e dos produtos oriundos dela, vem exatamente a frase: “animais vivos para livre secção na utilização de cosméticos”. E aí a preocupação é ainda maior, porque se nós aqui no Brasil já não estamos mais aceitando esse tipo de tratamento com os animais dentro do nosso país, como vamos exportá-los exatamente para esses procedimentos? Outro ponto é: como esses animais seriam capturados aqui para serem levados até lá? De navio, de avião? Como seria o manejo? E o sofrimento até chegar lá? Mesmo porque já sabemos que a utilização de alguns animais para testes de alguns produtos é inviável. Muitos medicamentos que são bons para animais dão problemas para a espécie humana. Existem milhares de maneiras de testar medicamentos e cosméticos que não sejam aplicados em animais.

A estima pelo jumento

Temos uma estima muito grande aqui no Nordeste pelo jumento. Devemos muito a esse animal. Na formação da nossa civilização muita gente defende que foi no lombo de um jumento que a nação nordestina nasceu. Ele é o símbolo da resistência da nossa região. E foi por isso que compramos essa briga. Muitas vezes a mídia ou algumas pessoas nos acusam de estar brigando apenas pela exportação de carne. Mas não é por isso. Estamos brigando pelo contexto do documento, que só fala desse possível acordo entre uma empresa chinesa com o Brasil para exportação desses animais para utilização da carne, produtos e principalmente – o que nos fere mais – a utilização desses animais vivos em testes de cosméticos lá. Aqui, nós não temos mais criação de jumentos como se tinha antigamente. Infelizmente, temos pessoas que abrem a boca para dizer que o jumento perdeu toda a sua utilidade. Temos animais aqui caracterizados como selvagens (cinco gerações sem chegar perto de humanos). Por isso é complicado falar em “preço de mercado” quando se refere aos jumentos, pois não existe o comércio deles aqui. Então, muitas perguntas estão ficando sem resposta.

IHU On-Line Um dos argumentos do governo norte-rio-grandense é de que os jumentos estão perdendo espaço na lida do campo no Nordeste, invadem as estradas e provocam acidentes e se tornaram um problema em vários municípios. É um fato?

Kátia Lopes – Na verdade, ocorrem alguns acidentes nas estradas provocados por animais. Isso é fato e não acontece apenas aqui. Cada região tem animais característicos que terminam provocando acidentes. Segundo dados da Polícia Rodoviária da nossa região, o índice de acidentes provocados por animais é baixo, mas um só já seria motivo para nos preocuparmos. Entre estes, estão envolvidos bovinos, caprinos, ovinos, cães, raposas, cavalos e, claro, jumentos. O fato é que os jumentos ficam mais em evidência porque acabam abandonados nas estradas. É até vergonhoso para nossa espécie dizer isso, mas quando um ovino, um bovino ou um caprino são atropelados, as pessoas pegam, colocam dentro da mala e levam para fazer churrasco. Por isso que ficam mais evidentes os acidentes com jumentos. No Brasil não temos o costume, a cultura, de comer carne de jumento e de cavalo. A utilidade do jumento fica sendo questionada justamente por isso. Em segundo lugar, a lida dele no campo foi substituída, de uma certa forma, pela moto.

IHU On-Line Quais são as alternativas para o uso do jumento na região?

Kátia Lopes – Há muitas utilidades. Queremos inclusive tocar adiante um projeto de ecoterapia utilizando jumentos, tanto para lazer e descanso como para fins terapêuticos, por exemplo, na fisioterapia. Será a “jumentoterapia”.

IHU On-Line Como os agricultores e pequenos proprietários têm se posicionado nesse debate?

Kátia Lopes – O que temos é falta de informação. Quando a população chega a tomar conhecimento dos detalhes do protocolo, de que a comercialização não será apenas da carne do animal, fica revoltada. Temos recebido ligações de denúncias de animais abatidos no tiro, de pessoas que brincam de “tiro ao alvo” com jumentos, outros pegam jumentos para treinamento de vaquejar, em lugar de utilizar o boi. Então, percebemos que a população está do lado do jumento. Infelizmente uma pequena parte, que tem acesso à mídia, faz um marketing negativo em relação à espécie e acaba sendo a ideia em foco. Mas o pessoal já está mudando de opinião, a imprensa local também está colaborando com a divulgação das informações, exatamente para proteger essa espécie. Porque se deixar do jeito que está com certeza teremos um dos maiores símbolos do Nordeste ameaçado de extinção.

IHU On-Line Nesse momento como estão as negociações entre o governo do Rio Grande do Norte e a China? O protocolo avançou ou, em função dos protestos, houve um recuo?

Kátia Lopes – Aqui entra a história do que realmente ficamos sabendo. Já tivemos reuniões e protestos e nos foi passado que, por enquanto, trata-se apenas de um protocolo de intenções, que não foi efetivado ainda. Mas é um protocolo que vem desde 2004. No entanto, só agora tomamos conhecimento. Ainda está tudo “na surdina”. Oficialmente a posição do governo é de que se trata apenas de um protocolo de intenções. Estamos sob alerta.

IHU On-Line Quais são os maus tratos que podem sofrer os jumentos neste processo?

Kátia Lopes – Primeiro, é preciso saber como seria a captura desses animais. Oficialmente não temos grandes criadores de jumentos aqui no Nordeste, nem no Brasil como um todo. Os chineses estão querendo 300 mil jumentos por ano. Não temos sequer população para enviar e manter essa necessidade. E essa seria uma primeira falha, que não permite nem o funcionamento do protocolo.

O mau trato começaria pelos jumentos na estrada. Desde o estresse da captura até o armazenamento e manutenção desses animais até o embarque. Como seriam esses embarques? Geralmente por navio, em função de ser uma carga muito pesada para o avião. Quanto tempo esses animais ficarão até chegar na China? Como seria esse manejo dentro dos contêineres? O jumento e o equídeo, de forma geral, tem o metabolismo muito sensível, apesar de ser uma espécie mais resistente, ainda tem particularidades fisiológicas, precisando de alimentação e exercícios. Chegando lá, seriam submetidos a testes de cosméticos, ou seja, esses animais seriam submetidos às mais perversas práticas possíveis: desde arrancar pálpebra para ficar pingando colírio no olho, ou fazer feridas no corpo para ter contato direto da substância com a pele, até ingestão de substâncias. O campo de concentração nazista seria uma colônia de férias perto do que esses testes podem fazer a esses animais. Isso nos assusta muito.

IHU On-Line Qual é o lugar do jumento na história nordestina? Qual é a sua simbologia? O seu valor econômico e cultural?

Kátia Lopes – Por mais que eu fale, não vou conseguir mensurar a importância do jumento para nossa cultura. Desde poemas a quadros históricos e monumentos na nossa região, o jumento está sempre presente. A nação nordestina foi moldada no lombo de um jumento. Tem o fator religioso também, quando lembramos de José e Maria, grávida, em cima de um jumentinho. E quando entrou em Jerusalém, Jesus estava no lombo de um jumentinho. Podemos citar também o fator econômico, pois foi um animal que levou a nossa sociedade e a nossa região à devastação da caatinga bruta, nos seus primórdios, ajudando no transporte de carga e a arar a terra. O jumento é um dos símbolos da resistência do nordestino, porque é um animal pequeno e forte como poucos, com um sistema imunológico fantástico, que se alimenta com muito pouco e que se adaptou ao nosso clima. Todo nordestino deveria se orgulhar desse animalzinho que é nosso símbolo: pequeno, resistente, sofredor e forte.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''A nação nordestina foi moldada no lombo de um jumento''. Entrevista especial com Kátia Lopes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV