Compartilhar Compartilhar
Aumentar / diminuir a letra Diminuir / Aumentar a letra

Entrevistas

''Não é possível fazer ciência antártica de maneira isolada''. Entrevista especial com Martin Sander e Maria Virgínia Petry

Os professores e pesquisadores da Unisinos descrevem o trabalho realizado na Antártica, que envolve a questão das aves, das geleiras e outros aspectos nas áreas de biologia e paleontologia.

Confira a entrevista.

No último sábado de fevereiro, um incêndio atingiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, onde pesquisadores brasileiros desenvolviam um intenso e importante trabalho. O episódio causou comoção nacional, considerando a morte de dois militares brasileiros. A Unisinos realiza pesquisas na Antártica desde a década de 1980, mas os representantes da universidade que se encontravam lá nada sofreram. “Embora tenhamos perdido a EACF, o projeto poderá continuar com a pesquisa nas demais ilhas com o apoio dos refúgios, assim como dentro da Baía do Almirantado com os Navios”, garante a professora Virginia Novaes, em entrevista concedida por e-mail à IHU On-Line. Ela e o professor Martin Sander trazem relatos das descobertas realizadas no continente. Ele explica que “o Ministério do Meio Ambiente precisava de respostas sobre mudanças ambientais globais – e seus reflexos no Brasil. A Antártica era o ambiente que poderia trazer respostas”. E Sander relembra pontos dessa trajetória: “quando iniciamos na década de 1980, o conhecimento e os apoios eram bem diferentes dos de hoje. Não existia internet, microcomputadores, a importação de equipamento era limitada ou impossibilitada. A comunicação entre colegas universitários ou instituições era realizada por cartas que levavam de duas a três semanas para chegar ao seu destino e mais um tanto para serem respondidas. O conhecimento era meio enciclopédico, pois até o acesso aos trabalhos científicos era restrito ou quase inacessível. No início, a nossa missão era buscar e reunir informações sobre a Antártica. Logo após, como as expedições exigiam envolver e qualificar a graduação, e em parte através da pesquisa, além de capacitar recursos humanos, também tinham como missão chamar a atenção ao tema ou ‘desenvolver a mentalidade para estudos antárticos’. Ninguém falava de Antártica no Brasil”.

Martin Sander é graduado em Ciências Biológicas. Realizou especialização em Metodologia do Ensino Superior, pela UFRGS, e em Zoologia, pela PUCRS. Além de trabalhar na Área da Saúde da Unisinos, colabora com os Parques Nacionais de Aparatos da Serra e Serra Geral, no Rio Grande do Sul.

Maria Virgínia Petry é professora e pesquisadora no Laboratório de Ornitologia e Animais Marinhos da Unisinos. Possui graduação em Ciências Biológicas pela mesma universidade, mestrado em Biociências pela PUCRS e Universidade do Chile e doutorado em Biociências (Zoologia) pela PUCRS. É vice-coordenadora do Módulo II (Impacto das Mudanças Globais sobre as Comunidades Terrestres) do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Antártico de pesquisas Ambientais – INCT-APA.

Confira a entrevista.

IHU On-Line Quais eram as pesquisas que estavam sendo desenvolvidas na Estação Antártica Comandante Ferraz, base da Marinha do Brasil naquele continente?

Martin Sander As pesquisas do Programa Antártico Brasileiro – Proantar não se desenvolvem somente junto à Estação Antártica Comandante Ferraz – EACF, mas em refúgios específicos em outras localidades geográficas, nos navios de apoio, em acampamentos e até em cooperação com outros países. Nos últimos anos, e em conformidade aos relatórios emitidos pela Secretaria da Comissão Interministerial para Recursos do Mar – Cirm, todas as seis áreas de domínio da Ciência Antártica estavam representadas com projetos de pesquisa na Antártica. Tais áreas são ciências: Física, Ambientais, da Vida, da Terra, Humanas, das Tecnologias. Elas nvolviam cerca de 60 coordenadores e mais de 20 instituições de pesquisa, universidades, institutos ou empresas de pesquisa.

IHU On-Line Qual a missão do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Antártica de Pesquisas Ambientais?

Martin Sander A missão do Instituto é: “valorizar a região antártica como oportunidade para desenvolvimento de investigações científicas transdisciplinares, promovendo a educação, a difusão de informações e a gestão ambiental”. O Instituto surgiu em meados da década de 2000 e em grande parte pelo crescimento das atividades de pesquisa na Antártica e as demandas específicas que se faziam presentes aos programas internacionais. Aproximadamente em 2002 o CNPq, em conjunto com o Ministério do Meio Ambiente – MMA e a Comissão Interministerial para os Recursos do Mar – Secrim, lançou um edital convocando cientistas a realizarem pesquisa induzida na Antártica. O Ministério do Meio Ambiente precisava de respostas sobre mudanças ambientais globais – e seus reflexos no Brasil. A Antártica era o ambiente que poderia trazer respostas, segundo o CNPq. Além do mais, o Brasil havia ratificado o Protocolo de Madri, assumindo compromissos internacionais que exigiam a realização de pesquisa científica e de preservar o meio ambiente antártico. Portanto, para atender a essas demandas foram criadas duas Redes de Pesquisas, envolvendo pesquisadores e instituições diversas. A Unisinos participou delas através de professores e alunos das áreas de biologia e geologia. O resultado do trabalho dessas redes, o incremento de novos pesquisadores, originados dos cursos de graduação e pós-graduação, além da elaboração de planos estratégicos e de ação do Ministério de Ciências e Tecnologia levaram à criação do Instituto.

IHU On-Line Quais foram os projetos desenvolvidos nos últimos 15 anos e quais os principais avanços que o senhor aponta a partir das pesquisas lá realizadas pelos brasileiros?

Martin Sander Na Unisinos se atuou em duas áreas nesses últimos anos: Biologia e Paleontologia. Os avanços estão em parte: a) no incremento da produção científica nacional e internacional; b) a crescente participação de universitários em cursos de pós-graduação, desenvolvendo suas dissertações e teses em temas antárticos; c) a manutenção de pesquisa antártica dos universitários da graduação nas atividades de bolsas de iniciação científica e dos trabalhos de conclusão de cursos; d) e na “nova metodologia” de trabalho, para nós, brasileiros: o trabalho em grupos ou redes. Não somente nas instituições de pesquisa, mas entre as diversas instituições e com as diferentes nações que atuam na região antártica. Não é possível fazer ciência antártica de maneira isolada.

IHU On-Line - Qual o futuro deste trabalho a partir de agora, com o incêndio que atingiu a estação?

Virgínia Petry O projeto que envolve as aves marinhas da Antártica é desenvolvido nas proximidades da Estação Antártica Comandante Ferraz EACF e em várias outras ilhas do Arquipélago das Shetlands do Sul. Na Ilha Elefante e na Ilha Nelson, ficamos alojados nos refúgios Brasileiros Emilio Goeldi e Crulls, e na Ilha Pinguim realizamos acampamentos temporários com o apoio do Navio de Apoio Oceanográfico Ary Rongel e Navio Polar Almirante Maximiano da Marinha do Brasil. Embora tenhamos perdido a EACF, o projeto poderá continuar com a pesquisa nas demais ilhas com o apoio dos refúgios, assim como dentro da Baía do Almirantado com os Navios.

IHU On-Line Como qualifica o trabalho de pesquisa da Unisinos entre os demais pesquisadores brasileiros que lá estão?

Martin Sander Quando iniciamos na década de 1980, o conhecimento e os apoios eram bem diferentes dos de hoje. Não existia internet, microcomputadores, a importação de equipamento era limitada ou impossibilitada. A comunicação entre colegas universitários ou instituições era realizada por cartas que levavam de duas a três semanas para chegar ao seu destino e mais um tanto para serem respondidas. O conhecimento era meio enciclopédico, pois até o acesso aos trabalhos científicos era restrito ou quase inacessível. No início, a nossa missão era buscar e reunir informações sobre a Antártica. Logo após, como as expedições exigiam envolver e qualificar a graduação, e em parte através da pesquisa, além de capacitar recursos humanos, também tinham como missão chamar a atenção ao tema ou “desenvolver a mentalidade para estudos antárticos”. Ninguém falava de Antártica no Brasil. Por este motivo, estávamos sempre envolvidos com palestras em escolas, agremiações, nas mídias, além dos inúmeros congressos nacionais e internacionais. Em 2005, a universidade fez a opção de levar a pesquisa para a pós-graduação e em parte o Projeto de Aves Antárticas passou a integrar esse novo modelo. Tudo isso resultou em ampliação do quadro de especialistas em assuntos antárticos. Hoje temos muitas pessoas capacitadas, dezenas de trabalhos de conclusão de curso realizados sobre o tema, além de dissertações e teses de mestrado e doutorado. Publicações nacionais, internacionais e participações em eventos científicos importantes continuam e são constantes. Muitos dos nossos ex-alunos estão hoje aprimorando seus estudos em outras instituições do país e até no exterior. Portanto, foram aceitos e dão continuidade ao conhecimento. Esse é um bom indicador, pois sair de casa e ser acolhido por outra casa, podendo compartilhar com as outras instituições, é com certeza a resposta da nossa boa qualidade.

IHU On-Line Qual a especificidade do projeto sobre aves marinhas na Antártica?

Martin Sander Desde os primeiros anos a nossa proposta era estudar as aves em seu ambiente natural. Isso me foi dito pelo professor Dr. Helmuth Sick, do Museu Nacional, ainda na graduação: “... se quiser estudar aves marinhas, deverá ir para o sul da América ou Antártica, lá onde elas se reproduzem”. Também, logo na primeira expedição, em 1982, foi possível ter acesso a informações específicas com pessoas especializadas de outras nações. Isso possibilitou o intercâmbio e a participação em propostas internacionais. Em parte, isso é mantido até os dias de hoje, quando ainda o foco é mapeamentos geográficos, alimentação, relações inter e intraespecífica, além de outros, como a questão da gripe aviária. O que mudou, em parte é a metodologia. Por exemplo, no passado, a alimentação era estudada através do regurgito estomacal. Hoje esse estudo é realizado por meio dos isótopos de carbono através do sangue. Ainda, o parentesco entre as aves era realizado com fotografias através da morfologia e agora pelo DNA. Muitos dados anteriores de 2005, e que ainda não foram publicados, podem agora ser revitalizados e servem para comparação com as informações atuais. Isso é gratificante e poucas instituições têm este banco de dados como a Unisinos.

IHU On-Line Que informações mais surpreendem nos recentes censos das aves marinhas?

Virginia Petry Alteração no número de aves que reproduzem na região assim como a distribuição e no tamanho das áreas de nidificação. A presença de espécies vagantes oriundas das ilhas subantárticas do sul e/o norte do continente Americano assim como do continente africano. Mas o mais surpreendente é o resultado que obtivemos com o monitoramento através de geoprocessamento dos indivíduos de adultos de petrel-gigante-do-sul durante o período reprodutivo. Os dados mostraram que o deslocamento desses indivíduos atinge a região sul da América do Sul e até 70º de paralelo sul, durante a viagem de alimentação que dura, em média, uma semana para trazer alimento para os seus filhotes.

IHU On-Line Como o aquecimento global tem interferido na paisagem natural da Antártica ao longo desses anos que a Unisinos realiza pesquisas no continente?

Martin Sander – Em especial a região antártica que se confronta com a América, a parte mais quente do continente, apresenta várias geleiras que regrediram em relação à zona de praia. Lugares em que o acesso era realizado sobre o gelo, hoje é feito a pé, pela praia. Mas na parte oposta as geleiras cresceram e, de maneira geral, a Antártica está como era há muitos e milhares de anos passados. O congelamento das águas superficiais está alterado. Em algumas localidades o congelamento dessas águas não ocorre mais ou, se ocorre, é de maneira rápida ou em períodos irregulares. Lembro que a região sul-americana da Antártica está mais quente e isso provoca a redução direta na produção e crescimento de camarão-antártico ou krill. Portanto, a renovação dos estoques alimentares está ocorrendo de maneira inadequada e isso afeta diretamente outras espécies que dependem desse crustáceo.

IHU On-Line Em que sentido a migração das aves pode nos dar indicações do avanço das mudanças climáticas e do aparecimento de doenças?

Martin Sander – A migração é um dos vários movimentos que as aves e outros animais fazem de maneira intencional, com periodicidade demarcada e rota definida. O movimento geralmente parte das áreas de reprodução para localidades de “invernada” com retorno para as mesmas áreas de origem, com a meta de manter a alimentação. A origem das migrações está intimamente associada com a evolução geomorfológica e deriva continental que ocorre no planeta Terra. Em um trabalho que publicamos em dezembro de 2010 na revista “Marine Ornithology” sobre a dispersão de pardelão-gigante, verificamos que a área global de dispersão da ave foi deslocada várias milhas mais para o norte. Fato similar também foi registrado para aves do hemisfério norte, que estão se deslocando mais para o norte e indo invernar mais para o sul. Isso pode ser um grande problema, pois está cada vez mais difícil para as aves obterem seu alimento; ou o gasto de energia para a ave é ampliado; ou ainda aumenta a vulnerabilidade da ave, pela caça furtiva em áreas em que antes não ocorria, além de vários outros aspectos. Com o derretimento ou recuo de geleiras, podem surgir no ambiente micro-organismos letais que antes estavam inativos. Estudos de solos ornitogênicos e paleontologia já demonstraram a existência de pinguins, por exemplo, em áreas no passado e que hoje são completamente diferentes.

IHU On-Line Que trabalho é feito na Ilha Elefante?

Martin Sander As atividades de pesquisa brasileiras na Ilha Elefante iniciaram com a geologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro através do professor Rudolph Trow, que na época (em 1984-1985) trabalhava com rochas metamórficas. Nessa pesquisa também integrou a aluna de geologia Airmara Linn (Sage). Em 1985-1986 a biologia da Unisinos realizou sua primeira expedição à Ilha Elefante com atividades relacionadas com aves, até o início dos anos 1990. Lá, assim como em outras regiões, realizou atividades de marcação de aves e o desenvolvimento de dois projetos internacionais de grande porte, o International Giant Petrel Banding Project (IGPBP) e a Convention for the Conservation of Antarctic Marine Living Resources (CCAMLR) do SCAR – Scientific Committee on Antarctic Research. Naquela época, realizávamos o mapeamento espacial das áreas de reprodução e avaliações de longo prazo (dez anos) sobre alimentação, crescimento e variação populacional das aves que ali nidificavam. Atualmente as atividades são coordenadas pela professora doutora Maria Virginia Petry da Unisinos. E na Ilha Elefante, neste ano, estão sendo realizadas as seguintes atividades: acompanhamento da chegada das aves marinhas para a reprodução, monitoramento dos filhotes, anilhamento e coleta de material biológico para detecção de diferentes patologias, como a gripe aviária.

IHU On-Line Como avalia o trabalho da Marinha do Brasil em relação aos investimentos feitos para as pesquisas na Antártica?

Martin Sander A marinha do Brasil é uma das integrantes do Programa Antártico Brasileiro, assim como a Força Aérea do Brasil e outros. Certamente sem o apoio e neste momento da nossa trajetória, é quase impossível atuar na Antártica de maneira formal. A totalidade dos países sul-americanos que atuam na Antártica depende quase que exclusivamente das forças armadas de cada país para o apoio logístico. Pequena exceção é o Chile e a Argentina, que também atuam de maneira independente ou compartilhada com as forças armadas, através de seus institutos. Os demais países com atividades na Antártica o fazem de maneira governamental através de programas específicos e ou institutos, separados das forças armadas. Algumas instituições, como a Sea Shepherd Conservation Society atuam de maneira privada e não governamental.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Cadastre-se

Quero receber:


Refresh Captcha Repita o código acima:
 

Novos Comentários

"Se é verdade que houve um erro em expor-se um animal selvagem no episódio aqui relatado, também ..." Em resposta a: 'Erramos', diz Rio 2016 após morte de onça presente em tour da Tocha
"Estou de acordo com os professores.Quem tem direito as terras são os índios, não que sejam dono d..." Em resposta a: Acadêmicos do MS exigem punição para assassinos de Guarani Kaiowá
"Gostei, pois é assim que Igreja católica com seu espírito de supremacia gosta de se referir as Ig..." Em resposta a: A Igreja Católica Romana não é Igreja, afirma sínodo da Igreja ortodoxa

Conecte-se com o IHU no Facebook

Siga-nos no Twitter

Escreva para o IHU

Adicione o IHU ao seus Favoritos e volte mais vezes

Conheça a página do ObservaSinos

Acompanhe o IHU no Medium