"Jesus e os fariseus; um reexame interdisciplinar". Discurso do Papa Francisco

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Um gargarejo nos salvará? Enxaguar a boca e o nariz por 30 segundos com produtos de uso comum reduz muito a carga viral

    LER MAIS
  • Nós precisamos repensar radicalmente a forma como vivemos e trabalhamos

    LER MAIS
  • As duas faces perversas da informalidade: sobretrabalho e intermitência

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Mai 2019

O Santo Padre Francisco, durante a Audiência com os Professores e Alunos do Pontifício Instituto Bíblico, preferiu entregar o discurso preparado para a ocasião, acrescentando apenas algumas palavras de improviso, afirmando que preferia cumprimentar todos os participantes um a um.

Às 9h30 da manhã da última quinta-feira, na Sala Clementina do Palácio Apostólico Vaticano, o Santo Padre Francisco recebeu em audiência os Professores, os Estudantes do Pontifício Instituto Bíblico e os participantes da Conferência sobre "Jesus e os Fariseus: um reexame interdisciplinar", por ocasião de 110º aniversário da fundação do Instituto.

Publicamos abaixo o discurso preparado que o Papa entregou aos presentes na audiência com os Professores e Alunos do Pontifício Instituto Bíblico de Sala Clementina e divulgado pela Sala de Imprensa da Santa Sé. A tradução é de Luisa Rabolini.

Discurso do Santo Padre

Caros irmãos e irmãs,

dou-lhe as boas vindas com satisfação por ocasião do 110º aniversário do Pontifício Instituto Bíblico, e agradeço ao Reitor por suas palavras corteses. Quando, em 1909, São Pio X fundou o "Biblicum", confiou-lhe a missão de ser "um centro de altos estudos da Sagrada Escritura na cidade de Roma, para promover o mais efetivamente possível a doutrina bíblica e os estudos relacionados dentro do espírito de Igreja católica "(Litt. Ap. Vinea electa, 7 de maio de 1909: AAS 1 [1909], 447-448).

Desde então, esse instituto tem trabalhado para permanecer fiel à sua missão, mesmo em tempos difíceis, e muito contribuiu para promover a pesquisa acadêmica e o ensino em estudos bíblicos e áreas afins para estudantes e futuros professores provenientes de cerca de setenta países diferentes. O Cardeal Augustin Bea, por muito tempo Reitor do "Bíblico" antes de ser cardeal, foi o principal promotor da Declaração conciliar Nostra Aetate, que colocou sob novas fundações as relações inter-religiosas e particularmente aquelas judaico-católicas. Nos últimos anos, o Instituto intensificou sua colaboração com estudiosos judeus e protestantes.

Apresento meus cumprimentos aos participantes da Conferência sobre "Jesus e os Fariseus. Um reexame interdisciplinar", que pretende abordar uma questão específica e importante para o nosso tempo e se apresenta como um resultado direto da Declaração Nostra Aetate. Ele se propõe a entender os relatos, às vezes polêmicos, sobre os Fariseus no Novo Testamento e em outras fontes antigas.

Além disso, aborda a história das interpretações eruditas e populares entre judeus e cristãos. Entre os cristãos e na sociedade secular, em diversas línguas, a palavra "Fariseu" muitas vezes significa "pessoa hipócrita" ou "presunçosa". Para muitos judeus, no entanto, os Fariseus são os fundadores do judaísmo rabínico e, portanto, seus ancestrais espirituais.

A história da interpretação favoreceu imagens negativas dos Fariseus, mesmo sem uma base concreta nos relatos evangélicos. E muitas vezes, ao longo do tempo, tal visão tem sido atribuída pelos cristãos aos judeus em geral. Em nosso mundo, tais estereótipos negativos infelizmente se tornaram muito comuns. Um dos mais antigos e prejudiciais estereótipos é precisamente aquele do "Fariseu", especialmente quando usado para colocar os judeus sob uma luz negativa.

Estudos recentes reconhecem que hoje se sabe menos sobre os Fariseus do quanto acreditavam as gerações precedentes. Estamos menos certos de suas origens e de muitos de seus ensinamentos e práticas. Portanto, a pesquisa interdisciplinar sobre questões literárias e históricas sobre os Fariseus abordados por esse congresso, ajudará a adquirir uma visão mais verdadeira deste grupo religioso, contribuindo também a combater o antissemitismo.

Se considerarmos o Novo Testamento, vemos que São Paulo inclui entre aqueles que anteriormente, antes de encontrar o Senhor Jesus, eram motivos para se vangloriar, também está o fato de ser "segundo a Lei, Fariseu" (Fp 3: 5).

Jesus teve muitas discussões com os Fariseus sobre preocupações comuns. Ele compartilhou com eles sua fé na ressurreição (cf. Mc 12,18-27) e aceitou outros aspectos de sua interpretação da Torá. Se o livro dos Atos dos Apóstolos afirma que alguns Fariseus se uniram aos seguidores de Jesus em Jerusalém (cf. 15: 5), isso significa que deveria haver muito em comum entre Jesus e os Fariseus. O próprio livro apresenta Gamaliel, um líder dos Fariseus, que defende Pedro e João (cf. 5: 34-39).

Entre os momentos mais significativos do Evangelho de João está o encontro de Jesus com um Fariseu chamado Nicodemos, um dos líderes dos judeus (cf. 3.1). É a Nicodemos que Jesus explica: "Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna" (3,16). E Nicodemos defenderia Jesus antes de uma assembleia (cf. Jo 7,50-51) e compareceria ao seu sepulcro (cf. Jo 19:39). Independentemente de como for considerado Nicodemos, é claro que os vários estereótipos sobre os Fariseus não se aplicam a ele, nem encontram confirmação em outras partes do Evangelho de João.

Outro encontro entre Jesus e os líderes religiosos de seu tempo é relatado de diferentes maneiras nos Evangelhos sinóticos. Isso diz respeito à questão do "grande" ou "primeiro mandamento". No Evangelho de Marcos (cf. 12.28-34), a pergunta é feita por um escriba, não identificado mais especificamente, que estabelece um diálogo respeitoso com um professor. De acordo com Mateus, o escriba se torna um fariseu que estava tentando colocar Jesus à prova (cf. 22.34-35). De acordo com Marcos, Jesus conclui dizendo: "Você não está longe do reino de Deus" (12:34), indicando assim a alta estima que Jesus tinha por aqueles líderes religiosos que estavam realmente "próximos do reino de Deus".

O rabino Aquiba, um dos rabinos mais famosos do segundo século, herdeiro do ensinamento dos Fariseus, [1] indicava a passagem de Lv 19:18: "amarás o teu próximo como a ti mesmo" como um grande princípio da Torá. [2] Segundo a tradição, ele morreu como um mártir com o Shemá nos lábios, o que inclui o mandamento de amar o Senhor com todo o coração, a alma e a força (cf. Dt 6: 4-5). [3] Portanto, até onde podemos saber, ele estaria em substancial sintonia com Jesus e seu interlocutor escriba ou fariseu. Da mesma forma, a chamada regra de ouro (cf. Mt 7:12), embora em diferentes formulações, é atribuída não apenas a Jesus, mas também a seu contemporâneo mais ancião, Hilel, geralmente considerado um dos principais Fariseus de seu tempo. Tal regra já está presente no livro deuterocanônico de Tobias (cf. 4:15).

Assim, o amor ao próximo constitui um indicador significativo para reconhecer as afinidades entre Jesus e seus interlocutores Fariseus. Certamente constitui uma base importante para qualquer diálogo, especialmente entre judeus e cristãos, inclusive hoje.

De fato, para amar melhor nossos vizinhos, precisamos conhecê-los e, para saber quem são, muitas vezes precisamos encontrar maneiras de superar antigos preconceitos. Por esta razão, a vossa conferência, estabelecendo relação entre credos e disciplinas com a intenção de alcançar uma compreensão mais madura e apurada dos Fariseus, permitirá que eles sejam apresentados de maneira mais apropriada no ensino e na pregação. Estou certo de que tais estudos, e as novas vias que eles abrirão, contribuirão positivamente para as relações entre judeus e cristãos, em vista de um diálogo cada vez mais profundo e fraterno. Que ele possa encontrar uma ampla ressonância dentro e fora da Igreja Católica, e ao vosso trabalho possam ser concedidas abundantes bênçãos do Altíssimo ou, como diriam muitos de nossos irmãos e irmãs judeus, de Hashem.

Obrigado.

Notas:

[1] S. EUSEBII HIERONYMI, Commentarii em Isaiam, III, 8: PL 24, 119.

[2] Sifra em Levítico 19.18; Gênesis Rabba 24.7 em Gen 5.1.

[3] Texto original e versão italiana no Talmude Babilônico, Tratado Berakhot, 61b, Volume II, editado por D.G. Di Segni, Giuntina, Florença 2017, p. 326-327.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Jesus e os fariseus; um reexame interdisciplinar". Discurso do Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV