Indígenas e camponeses pedem que governo garanta acesso à terra

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Assim o 1% se prepara para o apocalipse climático

    LER MAIS
  • O holocausto da Amazônia põe a civilização em alerta. Artigo de Marina Silva

    LER MAIS
  • Recorde de queimadas reflete irresponsabilidade de Bolsonaro. Nota do Observatório do Clima

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

31 Março 2012

Com as cestas vazias, os pés machucados e os corpos esgotados, mas com os corações cheios de esperança, regressaram ontem a suas comunidades milhares de homens e mulheres indígenas e camponeses, que, depois de percorrerem a pé mais de 250 Km até alcançarem a capital, conseguiram o compromisso do governo para as suas demandas.

A reportagem é de Mayra Rodríguez e publicada pela Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação (ALC), 30-03-2012.

Pequenos agricultores do Valle do Polochic enfrentam conflitos agrários. Eles pedem que lideranças indígenas e camponesas não sejam perseguidas por causa da luta que empreendem na defesa da terra, e o cancelamento da mineração a céu aberto na região.

Há um ano, comunidades indígenas foram desalojadas de forma violenta. Líderes de 14 dessas comunidades reuniram-se, na terça-feira, com magistrados da Corte Suprema de Justiça, com as lideranças políticas do Congresso e com o presidente da República, Otto Pérez Molina.

À Corte Suprema dirigiram pedido de suspensão total de todo tipo de desalojamento que transgridam os direitos individuais e coletivos dos povos originários. Também solicitaram a investigação dos assassinatos de líderes de movimentos sociais.

Indígenas e camponeses reivindicaram dos políticos a aprovação de sete leis sobre desenvolvimento rural integral, que facilite o acesso e recuperação de terras, a proteção dos bens naturais, como água e matas.

O presidente da República recebeu 68 petições, incluindo a cancelamento de licenças de exploração e exploração de mineradoras, petroleiras e dos projetos de hidrelétricas. Também pediram que o governo deixe de conceder incentivos para monoculturas.

Depois de dez horas de negociação as petições reduziram-se a oito, com o compromisso do governo de atendê-las e agendar outra reunião para o dia 19 de abril.

A marcha que saiu de Cobán Alta Verapaz, no dia 19 de março, ocorreu um ano depois que o governo de Colom desalojou centnenas de famílias q’eqchi’s de 14 comunidades do Vale do Polochic para favorecer empresa pertencente a familiares do ex-presidente Oscar Berger. Líderes indígenas foram mortos em confrontos verificados depois da expulsão de suas terras.

“Quando dizemos que não queremos mineração é porque ela provoca destruição nos lugares onde vivemos. Não aceitamos a construção de hidrelétricas porque as águas inundarão nossas terras para entregar a energia a empresas estrangeiras. Estamos convictos que para combater a fome e a desnutrição o que urge é o acesso à terra para semear”, argumentam.

Segundo dados do Comitê da Unidade Camponesa, 15 mil pessoas participaram da marcha nos últimos nove quilômetros do trajeto

Igrejas posicionaram-se em apoio às reivindicações de indígenas e camponeses. “Fazemos um chamado para que as diferentes instituições encarregadas de velar pelos recursos naturais”, pediu o Conselho Ecumênico Cristão da Guatemala.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Indígenas e camponeses pedem que governo garanta acesso à terra - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV