Pesquisadores fazem balanço de CO2 da floresta

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro ataca Papa Francisco depois de seu apelo para proteger a Amazônia

    LER MAIS
  • Por que a América Latina é a 'região mais desigual do planeta'

    LER MAIS
  • Mina Guaíba colocará em risco a segurança hídrica de Porto Alegre

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

28 Novembro 2011

Conhecer o real papel da Amazônia para o controle climático é chave para o país definir sua posição nas negociações internacionais e defender a competitividade das empresas brasileiras. A região captura mais carbono do que emite? Em busca de respostas, cientistas brasileiros esquadrinham a mata para medições em pontos estratégicos e estão perto de chegar a resultados conclusivos.

A reportagem é de Sergio Adeodato e publicada pelo jornal Valor, 28-11-2011.

"Ao que tudo indica, a floresta tem sequestrado da atmosfera em média uma tonelada de carbono por hectare ao ano, o que, extrapolando para toda a Bacia Amazônica, significa 300 milhões de toneladas, superior às emissões totais brasileiras, de 250 milhões", revela o pesquisador Niro Higuchi, do Instituto de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

O primeiro passo dos cientistas foi desenvolver um método preciso para saber quanto cada árvore acumula de carbono com base no diâmetro do tronco. Em seguida, a floresta no Estado do Amazonas foi dividida em parcelas com tamanho equivalente a um quarto de um campo de futebol, onde foram analisadas as árvores com mais de dez centímetros de diâmetro. O modelo é agora ampliado para os estoques de carbono de toda a Região Amazônica, mediante rastreamento com imagens de radar que identificam em detalhes a cobertura florestal.

"Como oportunidade de negócio e item de valor para a remuneração de quem conserva a natureza e seus serviços ambientais, o carbono precisa de medição específica e confiável, dentro de padrões aceitos internacionalmente", explica Higuchi.

Em paralelo, a pesquisadora Luciana Gatti, do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), em São Paulo, coordena operações que rastreiam a Amazônia com sobrevoos que medem a concentração e o fluxo de carbono no ar, entre 300 metros e 4,5 km da superfície da floresta. O objetivo é medir o dióxido de carbono, metano e outros gases, emitidos principalmente por desmatamento e queimadas. "Já sabemos que o lado Oeste da Amazônia absorve mais carbono do que emite, porque o crescimento florestal é maior", diz Gatti, adiantando resultados que estarão em breve em publicação científica. "Já não é verdade a tese normalmente aceita de que a floresta adulta é neutra na tarefa de capturar e emitir carbono".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pesquisadores fazem balanço de CO2 da floresta - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV