Governo Bolsonaro. Pelo menos 2 milhões de famílias caíram para a extrema pobreza

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • O declínio da Teologia da Libertação: uma releitura de 'O novo rosto do clero' de Agenor Brighenti

    LER MAIS
  • Liturgia e sinodalidade. Questões-chave

    LER MAIS
  • Biden e o Papa – a lista negra da Igreja nos Estados Unidos e o futuro do catolicismo. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Setembro 2021

 

Pelo menos 2 milhões de famílias brasileiras tiveram a renda reduzida e caíram para a extrema pobreza entre janeiro de 2019 e junho deste ano. Os dados são do Cadastro Único do governo federal, o chamado CadÚnico, que aponta para um aumento mês a mês de pessoas na miséria desde novembro de 2020. Em dezembro de 2018, durante o governo Michel Temer (MDB), eram 12,7 milhões na pobreza extrema. Dois anos e meio depois e com Jair Bolsonaro na Presidência, esse número chegou a 14,7 milhões em junho de 2021. Família em extrema pobreza é aquela com renda per capita de até R$ 89 mensais. Em regra, são pessoas que vivem nas ruas ou em barracos e enfrentam insegurança alimentar recorrente.

 

A reportagem é de Carlos Ribeiro, publicada por Folha de S. Paulo, 27-09-2021.

A íntegra da reportagem pode ser lida aqui.


Fome é dor, é uma porrada

“Já faltou comida a ponto de eu pegar três ovos com farinha e dar para meus filhos comerem, pegar só uma colher para mim e mentir para eles que eu estava cheia. Passar fome é dor, é uma porrada. A dor passa, a fome não. Ela remói. Uma dor que agonia. Sei o que é” – Michele Figueiredo Bastos, 41, está desempregada, mãe de três filhos – Portal Uol, 26-09-2021.

 

Maior agonia

“Quando a gente almoça, ninguém janta. Quando janta, ninguém almoça. Quando vejo meus netos com fome, procuro dar um jeito, junto latinha para vender. Não dá para ficar sossegado” – Emanuel Feitosa Gomes, 62, agricultor, tinha dividido três salsichas e três ovos com duas filhas desempregadas e quatro netos. A panela de sopa ia salvar a janta, segundo ele. Ver os netos com fome é a maior agonia – Portal Uol, 26-09-2021.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Governo Bolsonaro. Pelo menos 2 milhões de famílias caíram para a extrema pobreza - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV