7 de Setembro: mentira e verdade se encontram na parábola da vida

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • O novo rosto do clero: perfil dos “padres novos” no Brasil

    LER MAIS
  • Por que Bolsonaro ainda não caiu

    LER MAIS
  • Papa deve enviar Greta Thunberg para a COP26 em seu lugar

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Setembro 2021

 

"Aonde chegamos? Um Brasil de impávido colosso às margens de sectarismos, fascismos, radicalismos e tantos ismos de intolerância política e religiosa. Até quando a mentira ficará solta, transvertida de verdade, vivendo nos palácios construídos nos planaltos e sobre a miséria, a fome de 20 milhões de brasileiros, nas planícies de um gigante pela própria natureza, que exclui, dizima, seus filhos da primeira hora, os indígenas".

O artigo é de Jacir de Freitas Faria, doutor em Teologia Bíblica pela Faje (BH), mestre em Ciências Bíblicas (Exegese) pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma e professor de Exegese Bíblica. É membro da Associação Brasileira de Pesquisa Bíblica (ABIB). Sacerdote Franciscano. Autor de dez livros e coautor de quinze. Último livro: O Medo do Inferno e arte de bem morrer: da devoção apócrifa à Dormição de Maria às irmandades de Nossa Senhora da Boa Morte (Vozes, 2019). 

 

Eis o artigo. 

Neste 7 de setembro tão importante para a nação brasileira, me vem à mente uma parábola, uma história, criada no século XIX, mas atualíssima. Trata-se do encontro da verdade com a mentira.

A história é a seguinte: um belo dia a verdade e a mentira se encontraram. A Mentira disse à Verdade: “Hoje o dia está maravilhoso!” A Verdade olhou para os céus e suspirou, pois o dia estava realmente lindo. Elas passearam muito tempo juntas, chegando finalmente ao lado de um poço. A mentira disse à verdade: “A água está muito boa, vamos tomar um banho juntas!” A verdade, mais uma vez, desconfiada, testou a água e descobriu que realmente a água estava muito boa. Elas se despiram e começaram a tomar banho. De repente, a Mentira saiu da água, vestiu as roupas da Verdade e fugiu. A Verdade, furiosa, saiu do poço e correu para encontrar a Mentira e pegar suas roupas de volta. As pessoas, vendo a verdade nua, desviavam o olhar, com desprezo e raiva. A pobre Verdade, depois de muito tempo procurar, voltou ao poço e desapareceu para sempre, escondendo nele a sua vergonha.

Desde então, a Mentira viaja ao redor do mundo, vestida como a Verdade, satisfazendo as necessidades da sociedade, porque percebeu, em todo caso, que Mundo não nutre nenhum desejo de encontrar a Verdade nua e crua, prefere a Mentira com as roupas da verdade.

Outro final dessa história diz que a verdade, quando voltou ao poço, recusou-se a vestir a roupas da mentira e, sem ter que se envergonhar, a verdade saiu nua a caminhar pelas ruas e cidades. Por isso, desde então, para muita gente é mais fácil aceitar a mentira com a roupa da verdade, do que aceitar a verdade nua e crua.

Gostou? Jean-Léon Gérôme, em 1896, eternizou essa parábola com sua pintura: “A Verdade saindo do poço”. E agora eu lhe pergunto: não está na hora de sairmos desse poço de águas enlameadas pelo genocídio, agressões aos poderes estabelecidos, injustiça, fome e miséria? Sair com roupa ou sem roupa? Sair para apoiar a mentira ou a verdade? A mentira que roubou as nossas roupas anda por aí vestida de verde e amarelo. E o que é pior, manipulando a verdade do evangelho que diz: “Conhecereis a verdade, e ela vos libertará” (Jo 8,32).

Aonde chegamos? Um Brasil de impávido colosso às margens de sectarismos, fascismos, radicalismos e tantos ismos de intolerância política e religiosa. Até quando a mentira ficará solta, transvertida de verdade, vivendo nos palácios construídos nos planaltos e sobre a miséria, a fome de 20 milhões de brasileiros, nas planícies de um gigante pela própria natureza, que exclui, dizima, seus filhos da primeira hora, os indígenas. A escolha é sua! Como pede-nos o presidente da CNBB, Dom Walmor: “não se deixe convencer por quem agride os Poderes Legislativo e Judiciário. Independentemente de suas convicções político-partidárias, não aceite agressões às instituições que sustentam a democracia”. [1]

Você prefere a mentira com a roupa da verdade ou a verdade nua e crua? Pare, pense e reflita.

 

 

Nota: 

[1] SILVA, Walmor. Dia da Pátria - 7 de setembro – Mensagem de Dom Walmor. Disponível aqui. Acesso em 4 set. 2021.  

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

7 de Setembro: mentira e verdade se encontram na parábola da vida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV