Polônia está passando por uma mudança radical na questão dos abusos sexuais, constata Hans Zollner

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Viagem ao inferno do trabalho em plataformas

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • A implementação do Concílio no governo do Papa Bergoglio. Artigo de Daniele Menozzi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


31 Agosto 2021

 

No ano passado, 10 bispos poloneses foram destituídos de seus cargos e sancionados pelo Vaticano, com o representante papal no país reconhecendo abertamente o motivo – na maioria dos casos, o encobrimento do abuso sexual de menores pelo clero.

A reportagem é de Inés San Martín, publicada por Crux, 30-08-2021.

Esta rápida sucessão de sanções vem depois de décadas de negação de qualquer delito por parte de padres e religiosos poloneses em relação ao abuso sexual clerical, e reflete uma mudança de mentalidade entre pelo menos alguns dentro da Conferência Episcopal, que solicitaram a Pontifícia Comissão de Proteção de Menores para organizar uma conferência para a liderança da Igreja na Europa Central e Oriental em Varsóvia.

A comissão papal, chefiada pelo cardeal americano Sean O'Malley de Boston, concordou em organizar a conferência há quase dois anos, quando o pedido foi feito. As restrições de viagens da covid-19 levaram a um adiamento, mas agora está previsto para acontecer em 19-22.

“Acho que é importante porque mostra que a atenção da Igreja com relação ao abuso sexual infantil e à prevenção precisa realmente cobrir o mundo inteiro e todas as regiões”, disse o padre alemão Hans Zollner. “A Igreja Católica está representada basicamente em todos os países do mundo, e isso significa que existem condições históricas específicas [em diferentes lugares]”.

Zollner, membro da comissão pontifícia e especialista em prevenção e combate ao abuso sexual clerical, disse que a influência de décadas de comunismo na região também é notável, especialmente porque a Igreja mantém credibilidade social porque foi “um reduto de resistência a um estado que estava dominando todos os aspectos da vida, perseguindo a oposição. Falo sobre a Igreja Católica, mas isso também é verdade para a Igreja Ortodoxa”.

“É preciso levar em conta que, historicamente, socialmente e culturalmente, em alguns países a Igreja era a única força onde se respirava, onde se podia de alguma forma contar com as pessoas e onde se encontrava algum espaço para o pensamento criativo fora da caixa, mas sempre correndo o risco de ser perseguido e punido severamente”, disse Zollner.

De acordo com o padre jesuíta italiano Federico Lombardi, ex-porta-voz do Papa Bento XVI, a cúpula em Varsóvia é a continuação de uma cúpula de 2019 realizada em Roma com os presidentes de todas as conferências episcopais e chefes de ordens religiosas para combater o abuso sexual clerical.

Num artigo publicado pelo meio de comunicação do Vaticano, Lombardi observou que, apesar do fato de que “pode-se afirmar sem hesitar que a Igreja universal enfrentou e está enfrentando o problema, que tomou as medidas necessárias para estabelecer normas, procedimentos e leis para lidar com isso corretamente”, ainda há um terreno a percorrer, principalmente quando não se trata de estabelecer normas ou criar estruturas, mas sim de fazer cumprir essas mudanças.

“A próxima Conferência da Igreja na Europa Central e Oriental em Varsóvia sobre a proteção de menores e pessoas vulneráveis, em setembro, está tomando essa direção”, escreveu Lombardi. “Todas as áreas geográficas e eclesiásticas que possuam certas semelhanças do ponto de vista histórico e cultural precisam refletir sobre onde estão e precisam identificar o que precisa ser feito concretamente para aplicar efetivamente as diretrizes da Igreja universal em nível local”.

Embora seja dirigido a bispos da Europa Central e Oriental, a cúpula visa promover o diálogo entre bispos e líderes religiosos e leigos de igrejas de rito latino e oriental na região, para que possam compreender melhor as necessidades e desafios na promoção de estratégias que evitem abuso e para ajudar os feridos por esses crimes.

Zollner disse ao Crux que vários membros da comissão devem comparecer, incluindo O'Malley, mas sua presença dependerá das restrições de viagem da covid-19 que mudam quase que semanalmente, com as últimas especulações sendo de um possível fechamento para os Estados Unidos e outros países não europeus.

Falando sobre a situação na Polônia, Zollner destacou que “em 2013, quando fui convidado pela primeira vez para dar conferências sobre abusos, o enredo foi assim: ‘Já que não ouvimos sob o comunismo, então não houve casos, porque se os comunistas soubessem, teriam feito um escândalo e atacado a Igreja’”.

“Ouvi alguns líderes da Igreja dizerem que isso não era verdade, que havia casos, mas a Igreja e o público ainda não estavam prontos” para que viessem à luz, disse o padre.

Poucos meses depois dessa primeira visita, surgiram notícias do então representante papal na República Dominicana, o arcebispo polonês Józef Wesołowski, acusado de abuso sexual de menores e de posse de pornografia infantil em seu computador. Ele foi destituído e morreu enquanto aguardava um julgamento criminal no Vaticano.

“Isso foi um choque na Polônia, porque se tratava de um arcebispo, um núncio e uma pessoa muito conceituada, pelo menos em alguns setores”, disse Zollner. “Quando voltei, um ano depois, algumas pessoas já estavam contando uma história diferente, e era: ‘É claro que os comunistas sabiam desses [crimes], mas eles chamavam o padre ou religioso, diziam que eles sabiam o que eles tinham feito e ameaçou ir a público. Ou você será removido de sua posição ou colabore conosco e ficaremos calados’”.

Vários filmes e documentários lançados nos últimos três a cinco anos, incluindo não apenas vítimas de abuso, mas também perpetradores, ajudaram a mudar a mentalidade de muitos poloneses, incluindo alguns bispos.

“Não tenho conhecimento de outro país com tantos bispos punidos por falta de implementação das leis da Igreja”, disse Zollner. “Pode ser porque o núncio, ou quem quer que seja, está realmente levando isso a sério, e há relatórios e documentação em andamento, ambos necessários para chegar aos fatos e evidências suficientes para que alguém seja punido”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Polônia está passando por uma mudança radical na questão dos abusos sexuais, constata Hans Zollner - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV