'Populismo eleitoral de Bolsonaro já aparece no mercado. A euforia acabou', diz ex-presidente do BC

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS
  • Seu bispo necessita dos seus conselhos: o que dirá a ele?

    LER MAIS
  • Dinâmica religiosa nos Estados Unidos. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Agosto 2021


Para Affonso Celso Pastore, os indicadores já refletem em parte o efeito da agenda populista do governo; economia enfraquecida em 2022 aumenta as chances de ruptura institucional.

A reportagem é de Adriana Fernandes, publicada por O Estado de S. Paulo, 19-08-2021.

Ex-presidente do Banco Central, Affonso Celso Pastore diz que está "comprada" uma desaceleração do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022, ano de eleições, com a ação do BC para barrar o descontrole da inflação.

Pastore diz que o populismo eleitoral do presidente já está retratado na piora dos preços e indicadores do mercado. A euforia da “Faria Lima” (principal centro financeiro da capital paulista) e com a recuperação da economia e das contas públicas acabou, e os empresários também acordaram, avalia. “O empresariado acordou. O despertador tocou tão forte, que não deu para ficar dormindo”, afirma.

"A euforia foi embora. Agora, o risco já está aparecendo na Bolsa. Acabou o entusiasmo, a Bolsa devolveu o que tinha ganhado esse ano. Esse é o clima com o qual o nosso presidente vai entrar na campanha eleitoral de 2022."

A preocupação agora é com o que Jair Bolsonaro pode fazer diante de um cenário econômico mais adverso, justamente no ano em que vai tentar a sua reeleição. Para Pastore, uma piora da economia com a combinação de inflação e juros altos, desemprego e baixo crescimento, que tira popularidade e voto em 2022, pode levar o presidente a forçar uma ruptura institucional. "O presidente está dizendo que ele nega o resultado da eleição. Isso é muito grave", afirma.

A íntegra da reportagem-entrevista, pode ser lida aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

'Populismo eleitoral de Bolsonaro já aparece no mercado. A euforia acabou', diz ex-presidente do BC - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV