Passaporte vacinal: a lógica de Agamben e um pequeno passo ausente

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Byung-Chul Han: smartphone e o “inferno dos iguais”

    LER MAIS
  • Os 13 tweets do Papa no dia do IV Encontro Mundial de Movimentos Populares

    LER MAIS
  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Agosto 2021

 

O fascismo usou a ciência para definir as leis raciais. Não foi uma colaboração diante de uma emergência.

O comentário é do jornalista e escritor italiano Mattia Feltri, em artigo publicado em L’HuffingtonPost.it, 04-08-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Eis o texto.

 

Com um novo artigo no jornal La Stampa, o filósofo Giorgio Agamben, nessa quarta-feira, 4, tenta especificar o paralelo entre as leis emergenciais de contenção da Covid e aquelas que levaram à Shoá.

Não é uma equiparação, escreve ele – e seria uma equiparação anormal –, mas sim a tentativa de estabelecer como, a décadas de distância e em condições totalmente diferentes, a relação entre ciência e política produz efeitos semelhantes sobre o direito e, portanto, sobre a liberdade.

Agamben lembra que as leis raciais de 1938 foram precedidas pelo manifesto no Giornale d’Italia em que dez preclaros cientistas afirmaram, com bases “puramente biológicas”, que a humanidade está indubitavelmente dividida em raças, e a raça judaica é estranha à raça itálica.

Temo que, assim, a lógica de Agamben não funciona ou, para funcionar, precisa de mais um passo, pequeno, mas irremediável. Porque as leis raciais não foram determinadas pelo manifesto dos cientistas, mas, ao contrário, o manifesto foi solicitado ou, melhor, imposto por Benito Mussolini para entregar às leis raciais uma fundamentação científica. Portanto, a ciência foi o pretexto usado pela política – e por uma ditadura, é preciso lembrar.

Para que a lógica de Agamben funcione, caberia pressupor que a Covid também é um pretexto, e não uma emergência diante da qual todo o mundo, democrático ou não, busca soluções de olhos vendados, ou quase, e com a colaboração da ciência.

Caberia pressupor que a Covid foi criada em laboratório para promover as condições de assujeitamento da humanidade a uma ditadura sanitária ou, pelo menos, que a Covid foi a oportunidade certa aproveitada. Então sim, então a política teria usado o vírus e a ciência como pretexto para um desígnio diferente, infinitamente mais amplo e tremendo, da proteção à saúde. Somente assim a lógica de Agamben encontraria a medida exata.

Mas às custas de partir de um postulado que introduz ao mundo dominado pelos reptilianos.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Passaporte vacinal: a lógica de Agamben e um pequeno passo ausente - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV