Sínodo 2023: Dez mulheres nomeadas para as comissões preparatórias

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Julho 2021

 

16ª assembleia geral é precedida por processo inédito de consulta, com assembleias diocesanas e continentais.

A reportagem é publicada por Ecclesia, 20-07-2021.

A Secretaria do Sínodo dos Bispos anunciou a composição das três comissões que vão preparar a assembleia geral de 2023, convocada pelo Papa, com a presença de dez mulheres entre 41 elementos.

A Comissão Teológica, a Comissão Metodológica e o Comitê Consultivo de Orientação do próximo Sínodo dos Bispos incluem religiosas e teólogas da África do Sul, Alemanha, Austrália, Burquina-Faso, Estados Unidos da América, Espanha, Filipinas, França e Singapura.

A Comissão Metodológica vai ser coordenada pela irmã Nathalie Becquart, subsecretária do Sínodo dos Bispos e primeira mulher com direito a voto nestas assembleias.

“A presença de mulheres nas três comissões é um elemento importante, que demonstra os passos que estão a ser dados em direção a uma presença cada vez maior de mulheres nos órgãos de decisão da Igreja, um compromisso do Papa Francisco no caminho da sinodalidade”, assinala o portal ‘Vatican News’.

A 8 de julho, o Papa tinha nomeado o cardeal Jean-Claude Hollerich, arcebispo do Luxemburgo e presidente da Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE), como relator-geral da 16ª assembleia geral do Sínodo dos Bispos.

O Vaticano anunciou a 21 de maio o adiamento desta assembleia para outubro de 2023, um ano depois do que estava inicialmente agendado, precedida por um processo inédito de consulta, com assembleias diocesanas e continentais.

A assembleia de 2023, convocada pelo Papa Francisco, tem como tema “Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão”.

Em setembro de 2018, o Papa publicou a constituição apostólica ‘Episcopalis Communio’ (Comunhão Episcopal) com a qual reforçou o papel do Sínodo dos Bispos, sublinhando a importância de continuar dinâmica do Concílio Vaticano II (1962-1965).

Em mais de 50 anos, as assembleias sinodais foram sempre consultivas, mas o Papa recorda que, segundo o Direito Canônico, o Sínodo goza de “poder deliberativo”, quando lhe é concedido pelo pontífice.

A nova constituição apostólica promove uma aproximação das assembleias sinodais ao modelo dos concílios ecumênicos [mundiais], como o que foi realizado entre 1962 e 1965, em quatro sessões.

 

 

 

A abertura do Sínodo de 2023 acontece no Vaticano, sob a presidência do Papa, nos dias 9 e 10 de outubro de 2021, e em cada diocese católica, a 17 de outubro, sob a presidência do respetivo bispo.

Estas celebrações dão início à “fase consultiva” da 16ª assembleia geral do Sínodo dos Bispos, a partir de um documento preparatório, um questionário e um vademécum com propostas de consulta em cada diocese.

O Vaticano determina que cada bispo nomeia um responsável ou uma equipe diocesana para a consulta sinodal; cada Conferência Episcopal deve fazer o mesmo.

As conclusões de cada diocese vão ser enviadas à respetiva Conferência Episcopal, para redação de uma síntese que deve chegar ao Vaticano antes de abril de 2022.

Os contributos alargam-se aos organismos da Cúria Romana, Universidades, Faculdades de Teologia, Uniões de Superiores e Superioras Gerais de Institutos Religiosos, Federações de Vida Consagrada e movimentos internacionais de leigos.

A Secretaria-Geral do Sínodo, que recebe as sínteses dos contributos, procede à redação do primeiro ‘Instrumentum Laboris’ (instrumento de trabalho) antes de setembro de 2022.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sínodo 2023: Dez mulheres nomeadas para as comissões preparatórias - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV