Covid-19 aumentou a pobreza, a fome e as desigualdades. ‘Catástrofe geracional’, afirma a ONU

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • O Sínodo Mundial é uma preparação para um futuro Concílio, afirma arcebispo de Praga

    LER MAIS
  • Em carta, Bento XVI diz esperar se encontrar com os seus amigos no céu

    LER MAIS
  • Müller também se recusa, na 'TV do diabo', a participar do Sínodo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


12 Julho 2021

 

“Decisões e ações tomadas durante os próximos 18 meses determinarão se os planos de recuperação colocarão o mundo no caminho para alcançar as metas”, afirma relatório das Nações Unidas.

A reportagem é de Gabriel Valery, publicada por Rede Brasil Atual - RBA, 11-07-2021.

A pandemia de covid-19 impactou o mundo de forma negativa em muitos setores, aumentado a pobreza e a fome. Pela primeira vez, desde 1998, a porcentagem de pessoas vivendo na extrema pobreza aumentou de 8,4% em 2019 para 9,5% em 2020. Cerca de 90% dos países ainda relatam problemas diversos nos serviços de saúde. A Organização das Nações Unidas (ONU) classifica os efeitos do coronavírus como “catástrofe geracional” na educação.

Diante deste cenário, o Relatório dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 2021, da ONU, aponta para a necessidade de soluções rápidas. “As decisões e ações tomadas durante os próximos 18 meses determinarão se os planos de recuperação da pandemia colocarão o mundo no caminho para alcançar as metas acordadas globalmente que visam a impulsionar o crescimento econômico e o bem-estar social, protegendo o meio ambiente”, afirma o texto.

A entidade trabalha em cima de 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) como parte da Agenda 2030. A ideia é fomentar ações e direcionar boas práticas para que o mundo alcance, ainda que tardiamente, um modelo de desenvolvimento menos agressivo e propenso às catástrofes. Entre estes objetivos, afetados pela pandemia, é possível citar: erradicação da pobreza; fome zero; saúde e bem-estar; igualdade de gênero; água potável e saneamento; energia limpa e acessível; redução das desigualdades; entre outros.

 

Desigualdade

Além do aumento na extrema pobreza, os demais índices de desenvolvimento humano foram afetados como um todo. De acordo com estudos da ONU, de 119 a 124 milhões de pessoas foram empurradas para situação de pobreza em 2020, cerca de 255 milhões de empregos foram perdidos. O número de pessoas afetadas pela fome aumentou de 83 para 132 milhões. “Estamos em um momento crítico na história da humanidade. As decisões e ações que tomamos hoje terão consequências importantes para as gerações futuras”, destaca o subsecretário-geral do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas, Lui Zhenmin.

Se por um lado, os mais pobres e a classe média vivem escassez de recursos, por outro, os mais ricos ficaram mais ricos. A desigualdade crescente atinge níveis brutais em todo o planeta. Uma das evidências é a desigualdade vacinal entre as nações. “A pandemia expôs e intensificou as desigualdades dentro e entre os países. Em 17 de junho de 2021, cerca de 68 vacinas foram administradas para cada 100 pessoas na Europa e na América do Norte, em comparação com menos de duas na África Subsaariana”, completa o relatório.

 

Maiores desafios

A realidade também é especialmente difícil para países em desenvolvimento, como o Brasil. Com recuo da economia global, os fluxos de investimentos estrangeiros diretos reduziram 40%. Isso implicou, de acordo com a ONU, no aumento do endividamento dessas nações.

Mesmo com a desaceleração da economia, não foram notados efeitos significantes na redução do aquecimento global. “A desaceleração econômica em 2020 fez pouco para diminuir a crise climática. As concentrações dos principais gases de efeito estufa continuaram a aumentar, enquanto a temperatura média global estava cerca de 1,2°C acima dos níveis pré-industriais, perigosamente perto do limite de 1,5°C estabelecido no Acordo de Paris”, relata a ONU.

Confira os principais destaques do relatório:

- A taxa global de extrema pobreza aumentou pela primeira vez desde 1998, de 8,4% em 2019 para 9,5% em 2020.

- Entre 1 de fevereiro e 31 de dezembro de 2020, governos de todo o mundo anunciaram mais de 1.600 medidas de proteção social, principalmente de curto prazo, em resposta à crise da COVID-19.

- Impactos relacionados à pandemia são prováveis de desencadear ainda mais um atraso no crescimento, que já afeta mais de 1 a cada 5 crianças

- A pandemia paralisou ou reverteu o progresso e apresenta as maiores ameaças além da doença em si. Cerca de 90% dos países ainda relatam uma ou mais perturbações dos serviços de saúde essenciais.

- O impacto da pandemia da COVID-19 na educação é uma “catástrofe geracional”. Um adicional de 101 milhões de crianças e os jovens ficaram abaixo do nível mínimo de proficiência em leitura, apagando os ganhos educacionais alcançados nas últimas duas décadas.

- A pandemia COVID-19 afetou negativamente o progresso em direção à igualdade de gênero: a violência contra mulheres e meninas se intensificou; espera-se que o casamento infantil aumente e as mulheres sofreram uma parcela desproporcional de perdas de empregos e aumentaram os cuidados em casa.

- 759 milhões de pessoas permaneceram sem eletricidade e um terço da população global carecia de combustíveis e tecnologias limpas para cozinhar em 2019.

- Uma recuperação econômica está em andamento, liderada pela China e pelos Estados Unidos, mas para muitos outros países, o crescimento econômico não deve retornar aos níveis pré-pandêmicos antes de 2022 ou 2023.

- O mundo ficou aquém das metas de 2020 para deter a perda de biodiversidade e a perda de 10 milhões de hectares de floresta a cada ano entre 2015-2020.

- Embora a ajuda oficial ao desenvolvimento tenha aumentado em 2020 para um total de 161 bilhões de dólares, isso ainda está muito abaixo do que é necessário para responder à crise da COVID-19 e cumprir a meta estabelecida há muito tempo de 0,7% da Renda Nacional Bruta.

- Em 2020, 132 países e territórios relataram que estavam implementando um plano estatístico nacional, sendo que 84 tinham planos totalmente financiados. Apenas 4 dos 46 Países Menos Desenvolvidos relataram ter planos estatísticos nacionais totalmente financiados.

- De acordo com o relatório, o esforço de recuperação também dependerá da disponibilidade de dados para informar a formulação de políticas. Garantindo que haja financiamento suficiente disponível para a coleta de dados, tanto por meio da mobilização de recursos internacionais quanto domésticos, será fundamental para esses esforços.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Covid-19 aumentou a pobreza, a fome e as desigualdades. ‘Catástrofe geracional’, afirma a ONU - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV