PL da mineração e garimpo coloca em risco a existência dos povos indígenas amazônicos

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Junho 2021

 

Jornalista ambiental, Juliana Radler alerta sobre as ameaças à sustentabilidade da maior área de floresta preservada da Amazônia brasileira.

A reportagem é publicada por Jornal da USP, 23-06-2021.

O programa Ambiente é o Meio desta semana conversa com Juliana Radler, jornalista e assessora do Programa Rio Negro (PRN) do Instituto Socioambiental (ISA), sobre as ameaças aos povos indígenas da região. A jornalista também trabalha em parceria com a Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (FOIRN), fundada em 1987, “quando os indígenas da região lutavam pela demarcação das suas terras”, conta.

 

Ouça a entrevista.

 

Aos ouvintes da Rádio USP, Juliana informa que, atualmente, existe em São Gabriel da Cachoeira, no Alto Rio Negro, Amazonas, sete terras indígenas demarcadas em área contínua, o que representa “a preservação de uma grande área de floresta” que se encontra na “região mais preservada da Amazônia brasileira”.

Apesar de ser a mais preservada e onde se encontram diversos povos indígenas, a região sofre “ameaças à sustentabilidade e existência desses povos e dessa floresta ainda preservada”, alerta. Entre as ameaças, segundo a jornalista, está o PL 191/2020, projeto de lei que regulamenta a mineração e o garimpo dentro de terras indígenas, autoriza plantio de sementes transgênicas, de construção de hidrelétricas, a pecuária e a instalação de projetos para obtenção de petróleo e gás. Para Juliana, trata-se “de um ecocídio e também de um genocídio dos povos indígenas”.

E o ISA, adianta, “é uma das organizações da sociedade civil brasileira mais reconhecidas pelo seu trabalho junto a populações tradicionais, povos indígenas, ribeirinhos, extrativistas e quilombolas”, atuando de forma a propor soluções a questões sociais e ambientais, com foco na defesa de bens e direitos sociais, meio ambiente, patrimônio cultural, direitos humanos e os direitos desses povos.

 

Ambiente é o meio

Apresentação: Professores Marcelo Marine Pereira de Souza e José Marcelino de Resende Pinto (ambos professores da FFCLRP)

Coordenação: Rosemeire Talamone

Produção: Marcelo Marine Pereira de Souza e José Marcelino de Resende Pinto (ambos professores da FFCLRP)

Edição Geral: Cinderela Caldeira

Edição Sonora: Mariovaldo Avelino e Luiz Fontana

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 107,9; ou Ribeirão Preto FM 107.9, ou pela internet aqui ou pelo aplicativo no celular para Android e iOS.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

PL da mineração e garimpo coloca em risco a existência dos povos indígenas amazônicos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV