‘Tapa na cara’: Bolsonaro responde à Copa América com rapidez que faltou para vacinas

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Os católicos ainda leem? Sinodalidade e a “Igreja que escuta” nesta era digital. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Estou obcecado pelo Evangelho. O Evangelho não é Religião. Artigo de José María Castillo

    LER MAIS
  • Tenho medo dos padres

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


01 Junho 2021

 

Ao mesmo tempo em que ignorou por meses compra de 70 milhões de doses da Pfizer, presidente confirmou quase que de imediato a realização do torneio aqui no Brasil.

A reportagem é publicada por Rede Brasil Atual - RBA, 31-05-2021.

“O governo brasileiro demonstrou agilidade e capacidade de decisão em um momento fundamental para o futebol sul-americano.” Foi assim que o presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez, classificou a disposição de Jair Bolsonaro em aceitar sediar a Copa América, mesmo com o Brasil prostrado diante da pandemia da covid-19. Essa mesma agilidade, porém, faltou na hora de garantir vacinas para conter a doença. O presidente teve a oportunidade de fazer a compra de 70 milhões de doses em agosto do ano passado, mas só assinou contrato em março deste ano. A comparação foi feita pelo narrador e jornalista Luís Roberto, no SporTV, na tarde desta segunda-feira (31).

Tanto Luís Roberto, no canal pago da Globo, quanto Juca Kfouri, em comentário na rádio CBN e no portal UOL, utilizaram a expressão “tapa na cara” para classificar a desfaçatez do governo de Jair Bolsonaro (veja vídeos abaixo). “O presidente (Rogério) Caboclo (da CBF) conversou com o presidente Jair Bolsonaro, que apoiou a iniciativa de imediato. Também teve o aval dos Ministérios da Casa Civil, da Saúde, das Relações Exteriores e da Secretaria Nacional do Esporte”, acrescentou Alejandro Domínguez, segundo reportagem em O Estado de S. Paulo. O paraguaio ainda tentou minimizar a crise que assola o país, afirmando que “o Brasil vive um momento de estabilidade (em relação à pandemia)”.

 

Sem noção

 

O paraguaio parece não estar ciente da gravidade da crise sanitária no país que achou para sediar a Copa América após a desistência de Colômbia e Argentina. O Brasil registra média móvel diária de casos acima de 50 mil desde 25 de fevereiro e acima de 1,8 mil mortes desde 13 de março. Ao todo, já são cerca de 16,5 milhões de infectados e 460 mil vítimas fatais. É o terceiro do mundo em casos e o segundo em falecimentos.

Na América do Sul, apesar de ter aproximadamente o mesmo número de habitantes de todos os vizinhos de continente somados, o Brasil tem cerca de 4 milhões de casos e 147 mil mortes a mais do que todos eles juntos (12 milhões e 315 mil). A Argentina desistiu de receber o torneio justamente por conta da gravidade da pandemia por lá. Com 45 milhões de habitantes, registram 3,8 milhões de casos e 77 mil mortes. Os números são da Worldometers.

 

Prioridades?

 

Se foi ágil para receber a Copa América, o governo Bolsonaro andou no sentido oposto para comprar vacinas contra a pandemia da covid-19. Segundo depoimento na CPI da Covid dado pelo CEO regional da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, o presidente e o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello ignoraram três ofertas apresentadas pela empresa em agosto do ano passado para a aquisição de 70 milhões de doses do imunizante. Os contratos foram assinados somente em 18 de março de 2021.

Murillo também confirmou que o presidente mundial da Pfizer, Albert Bourla, enviou carta ao governo brasileiro, em setembro do ano passado. O documento reafirmava as propostas apresentadas até aquele momento. E explicitava o interesse da empresa em chegar a um acordo com o país. Segundo ele, a correspondência foi endereçada ao presidente Jair Bolsonaro, ao vice-presidente Hamilton Mourão, ao então chefe da Casa Civil, Braga Neto e a Pazuello. Também constavam como remetentes o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o embaixador brasileiro nos Estados Unidos, Nestor Foster. De acordo com o executivo, não houve resposta a essa comunicação por parte do governo brasileiro.

 

Escárnio, desrespeito, horror

Além do “tapa na cara” citado por Juca Kfouri e Luis Roberto, representantes da imprensa esportiva brasileira foram às redes sociais criticar a Copa América no Brasil. “O casamento perfeito entre uma entidade negacionista e um país negacionista. Parabéns aos envolvidos”, disse André Rizek, também do SporTV. Paulo Vinícius Coelho, do mesmo canal, afirmou que a realização do torneio “é desrespeito e merece novo movimento: “Não vai ter Copa América”. Gian Oddi, da ESPN, retuitou um texto do também jornalista Jamil Chade em que ele classifica a decisão como um “escárnio e revela que autoridades – do futebol e da política – simplesmente não respeitam vidas, e nem mortes”.

Milly Lacombe, colunista do UOL, cravou que a “Copa América no Brasil é uma deliquência moral”. Luis Augusto Símon, o Menon, que assina um blog no UOL, também qualificou como “escárnio” e “falta de respeito”. Chamou a decisão de Bolsonaro de “risada sobre pilhas de cadáveres” e “horror”. Lívia Laranjeira, repórter do SporTv usou de ironia: “a pandemia acabou?” e Renato Maurício Prado, da Fox Sport, afirmou que “qualquer pessoa de bom-senso sabe que não faz o menor sentido insistir na realização desse torneio mequetrefe (que agora é realizado quase que ano após ano) em meio a uma pandemia que devasta a América do Sul.”

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

‘Tapa na cara’: Bolsonaro responde à Copa América com rapidez que faltou para vacinas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV