Mudanças Climáticas: Infertilidade térmica representa uma ameaça para a biodiversidade

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Reitor da Unisinos rejeita medalha oferecida pelo Itamaraty

    LER MAIS
  • Carta dos epidemiologistas à população brasileira

    LER MAIS
  • A Bíblia como vocês nunca leram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Mai 2021

 

Um novo estudo feito por ecologistas da Universidade de Liverpool adverte que a infertilidade masculina induzida pelo calor fará com que algumas espécies sucumbam aos efeitos da mudança climática mais cedo do que se pensava.

A reportagem é de University of Liverpool e reproduzida por EcoDebate, 24-05-2021. A tradução e edição são de Henrique Cortez

Atualmente, os cientistas estão tentando prever onde as espécies serão perdidas devido às mudanças climáticas para que possam planejar estratégias eficazes de conservação. No entanto, a pesquisa sobre tolerância à temperatura geralmente se concentra nas temperaturas que são letais para os organismos, ao invés das temperaturas nas quais os organismos não podem mais se reproduzir.

Publicado na Nature Climate Change, o estudo de 43 espécies de mosca-das-frutas (Drosophila) mostrou que, em quase metade das espécies, os machos se tornaram estéreis em temperaturas mais baixas que as letais. É importante ressaltar que a distribuição mundial dessas espécies poderia ser prevista com muito mais precisão incluindo a temperatura na qual elas se tornam estéreis, em vez de apenas usar sua temperatura letal. Para dar um exemplo, os machos de Drosophila lummei são estéreis quatro graus abaixo de seu limite letal. Para colocar isso em contexto, quatro graus é a diferença de temperatura entre o verão no norte da Inglaterra e no sul da França.

O pesquisador principal, Dr. Steven Parratt, disse: “Nossas descobertas sugerem fortemente que onde as espécies podem sobreviver na natureza é determinado pela temperatura na qual os machos se tornam estéreis, não pela temperatura letal.

“Infelizmente, não temos como saber quais organismos são férteis até sua temperatura letal e quais serão esterilizados em temperaturas mais baixas. Portanto, muitas espécies podem ter uma vulnerabilidade oculta a altas temperaturas que passou despercebida. Isso tornará a conservação mais difícil, pois podemos estar superestimando o desempenho de muitas espécies à medida que o planeta aquece”.

Os pesquisadores passaram a modelar isso para uma das espécies de Drosophila usando previsões de temperatura para 2060 e descobriram que mais da metade das áreas com temperaturas baixas o suficiente para sobreviver serão muito quentes para os machos permanecerem férteis.

O pesquisador sênior, Dr. Tom Price, comentou: “Nosso trabalho enfatiza que as perdas de fertilidade causadas pela temperatura podem ser uma grande ameaça à biodiversidade durante as mudanças climáticas. Já tínhamos relatos de perdas de fertilidade em altas temperaturas em tudo, de porcos a avestruzes, peixes, flores, abelhas e até humanos. Infelizmente, nossa pesquisa sugere que eles não são casos isolados, e talvez metade de todas as espécies sejam vulneráveis à infertilidade térmica.

“Agora precisamos entender com urgência a gama de organismos que podem sofrer perdas de fertilidade térmica na natureza e as características que predizem a vulnerabilidade. Devemos compreender a genética e a fisiologia subjacentes, para que possamos prever quais organismos são vulneráveis, e, talvez, produzir raças de gado mais robustas a esses desafios”.

O Chefe de Ecossistemas Terrestres do Conselho de Pesquisa do Ambiente Natural, Dr. Simon Kerley, disse: “Este é um trabalho altamente empolgante que muda nossa maneira de pensar e assumir o papel, a taxa e o impacto das mudanças climáticas. Isso realmente começa a lançar luz sobre o impacto oculto e sutil das mudanças nas condições sobre a miríade de animais que talvez consideremos óbvios e que não consideramos “em risco” devido às mudanças climáticas. É importante ressaltar que ele nos alerta para o entendimento de que esse risco pode ocorrer mais cedo do que pensávamos.

“Este trabalho pega a biologia, em seu nível mais fundamental, e a explora em um animal de laboratório bem conhecido e compreendido, mas depois dá aquele passo extra crucial de relacioná-la com o mundo real e o impacto potencial que pode ter no global biodiversidade.

“Com as conferências COP15 e COP26 ocorrendo este ano, este estudo serve como um lembrete oportuno da necessidade de pesquisar e entender melhor a relação entre as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade. O Natural Environmental Research Council continuará a financiar essa pesquisa vital, e o UKRI como um todo trabalhará como parte do esforço global para proteger o ambiente natural para as gerações futuras. ”

O estudo envolveu colaboradores da University of Leeds, University of Melbourne, University of Zürich e Stockholm University e foi financiado pelo UK Natural Environment Research Council (NERC).

 

Referência:

Parratt, S.R., Walsh B.S., Metelmann, S. et al. Temperatures that sterilise males better match global species distributions than lethal temperatures. Nat. Clim. Chang. Disponível aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudanças Climáticas: Infertilidade térmica representa uma ameaça para a biodiversidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV