Todos os anos, a humanidade despeja o equivalente a seu próprio peso em plásticos nos ecossistemas

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Não tenho nenhuma esperança de que o Governo Bolsonaro ainda se empenhe em transmutar sua visão a respeito da Amazônia. Entrevista com Dom Erwin Krautler

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Março 2021

 

Em 2018, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) uniu forças com a Fundação Ellen MacArthur para enfrentar o que os especialistas ambientais chamam de um dos vícios mais perigosos do mundo: o plástico de uso único.

A reportagem é publicada por PNUMA, 17-03-2021.

Agora, quase na metade do prazo de sete anos estabelecido no Compromisso Global por uma Nova Economia do Plástico, o PNUMA e seus parceiros observam que, embora tenha havido progresso, o mundo precisa acelerar as ações para conter a poluição por plásticos.

Todos os anos, a humanidade despeja o equivalente a seu próprio peso em plásticos nos ecossistemas. São 300 milhões de toneladas por ano que asfixiam os cursos d’água e os mares, entopem as ruas, prejudicam a vida selvagem e, por fim, causam sérios danos à saúde pública.

Para conter essa maré, o PNUMA e a Fundação Ellen MacArthur pressionaram os tomadores de decisão dos setores público e privado a se comprometerem a cultivar uma economia circular em torno do plástico, uma economia na qual o plástico é feito para durar e ser reutilizado – não simplesmente jogado fora. Isto envolveria novos produtos e modelos de negócios, bem como sistemas aprimorados de reciclagem e compostagem.

Todos os anos, o rastro tóxico do crescimento econômico – poluição e desperdício – resulta na morte prematura de milhões de pessoas ao mesmo tempo em que causa danos incalculáveis ao planeta. 

Um relatório de progresso publicado no final do ano passado, encontrou uma melhoria demonstrável em um grande número de métricas em 2019:

  • O número de signatários, incluindo produtores de plásticos, instituições financeiras e governos, aumentou em 25% para quase 500.
  • Duas áreas registraram progressos significativos: o conteúdo reciclado das embalagens plásticas cresceu 22%, e 81% das empresas e 100% dos signatários do governo se comprometeram a eliminar gradualmente as piores categorias de embalagens plásticas, incluindo PVC e sacolas e canudos de uso único.
  • 56% dos signatários têm ou estão desenvolvendo pilotos para testar modelos de reutilização em suas cadeias de valor.

“Todos os anos, o rastro tóxico da poluição e dos resíduos resulta na morte prematura de milhões de pessoas enquanto causam danos incalculáveis ao planeta”, diz Elisa Tonda, Chefe da Unidade de Consumo e Produção do PNUMA. “O mundo tem feito progressos nos últimos anos na batalha contra a poluição plástica, mas ainda há muito trabalho a ser feito”.

Nos últimos 50 anos, a produção de plástico aumentou mais de 22 vezes e cerca de US$180 bilhões foram investidos em instalações de produção somente na última década. Enquanto isso, a pandemia global da COVID-19 causou um surto de máscaras médicas plásticas, luvas e óculos de proteção, enquanto muitas das políticas destinadas a limitar produtos plásticos de uso único foram revertidas.

Embora o setor privado seja responsável pela maior parte dos signatários do Compromisso Global, os especialistas dizem que uma de suas contribuições mais valiosas é fornecer aos governos uma estrutura para desenvolver padrões para uma economia de plástico circular.

Como disse Tania Bishara, do Ministério do Meio Ambiente do Chile: “Desde sua assinatura, o Compromisso Global nos ajudou a trabalhar em iniciativas para uma transformação de nossa relação com o plástico e a trabalhar com atores do setor privado, sociedade civil, municípios e academia para desenvolver um roteiro de economia circular”.

 

Combinar instrumentos políticos para alcançar o sucesso

Enquanto a Fundação Ellen MacArthur acompanha o progresso no setor privado, o PNUMA tem apoiado os 20 governos nacionais, subnacionais e municipais que até agora aderiram ao Compromisso Global de desenvolver políticas para limitar a poluição plástica.

“O compromisso tem sido integral ao nível local”, diz Cristina Helena Fabris Pinheiro, uma funcionária municipal de São Paulo, Brasil. Ela reuniu o Conselho Municipal e a Prefeitura para produzir instrumentos, especialmente estruturas legais, sobre a redução e não geração de produtos plásticos de uso único. Isso inclui decretos municipais que proíbem a distribuição de canudos plásticos e utensílios plásticos de uso único por estabelecimentos comerciais.

Em Copenhague, o Compromisso Global está ajudando as autoridades municipais a limitar os produtos plásticos de uso único em grandes eventos esportivos que acontecem na cidade, como a Euro Copa em 2021.

“Estes eventos são organizados por organizações privadas e prestadores de serviços privados. Trabalhar sob uma estrutura como o Compromisso Global para os mesmos objetivos e ter a mesma linguagem é uma grande ajuda”, diz Malene Møhl, da Administração Técnica e Ambiental da cidade.

O relatório 2020 também destaca a Responsabilidade Estendida do Produtor, ou REP, um tipo de abordagem política integrada que está começando a se impor com os governos em todas as escalas. Estas políticas colocam uma responsabilidade compartilhada pelo fim da vida útil dos produtos plásticos sobre os produtores de plástico e outros atores da cadeia de fornecimento, em vez de colocar o fardo sobre o público. A REP adequadamente projetada cria fortes incentivos para que os produtores projetem produtos que possam ser mantidos na economia, em vez de serem descartados, bem como um meio para que possam ser reciclados em novos produtos ou novos usos.

Cerca de um quarto dos signatários governamentais estão desenvolvendo políticas em torno da REP, principalmente na Holanda e no Chile.

“Estamos atualmente trabalhando na aprovação do regulamento de embalagens REP, que está em sua fase final”, diz Bishara, do Chile. Espera-se que o regulamento inclua metas para que os produtores aumentem a taxa de reciclagem de embalagens plásticas domésticas de 4,5% para 45%, bem como a obrigação de cobrir 80% das residências com coleta porta-a-porta das embalagens.

Apenas o início

O relatório de progresso deixa claro que ainda há um longo caminho a percorrer. Ele descobre que a COVID-19 expôs ainda mais os inconvenientes da economia linear. A crescente demanda por embalagens para alimentos e plástico bolha – a maioria não é reciclável – e a inversão de políticas que limitam os produtos plásticos de uso único são um problema contínuo.

O mundo não está no caminho certo para cumprir as metas do Compromisso Global para 2025. O progresso na expansão da reciclabilidade das embalagens plásticas e o fim da necessidade de produtos plásticos de uso único ainda está se movendo muito lentamente, diz o relatório. Além disso, as disparidades nas taxas de progresso entre os signatários são acentuadas.

“Quando se trata de poluição plástica, não há fronteiras”, disse Tonda do PNUMA. “Precisamos de uma abordagem comum do consumo e produção insustentáveis de plástico e da ação transformadora em todos os níveis. As parcerias e o multilateralismo são críticos”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Todos os anos, a humanidade despeja o equivalente a seu próprio peso em plásticos nos ecossistemas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV