Covid-19: sistema de saúde em Altamira entra em colapso

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma escolha crucial: como a Igreja seleciona seus bispos?

    LER MAIS
  • Os três passos dos homens

    LER MAIS
  • Abismo de desigualdades

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Março 2021

 

100% dos leitos de UTI no Hospital Regional estão ocupados e o número de novos casos atingiu 187 em 24h; Carta enviada por 47 organizações da sociedade civil que fazem parte da campanha “Respira Xingu” pede que prefeitura decrete lockdown imediato.

A reportagem foi publicada pelo Instituto Socioambiental - ISA, 18-03-2021.

Não há mais vagas de UTI no Hospital Regional Público da Transamazônica, referência para tratamento da Covid-19 em Altamira e outros nove municípios no sudoeste do Pará. Com 100% dos leitos ocupados, organizações da sociedade civil denunciam o colapso do sistema de saúde e exigem que a prefeitura decrete lockdown para conter o avanço da doença. “O momento é de uma Emergência dentro da Emergência! (...) Nesse momento, salvar vidas e manter o comércio e outros espaços não essenciais abertos são atos incompatíveis”, denunciam em carta enviada para a prefeitura municipal de Altamira, MPF, MPE e Defensoria Pública da União. [Leia na íntegra]

O número de novos casos supera 187 em 24h e já são 404 mortes e 20,7 mil casos da Covid-19 confirmados na região, que além de atender nove municípios é referência para indígenas e ribeirinhos de 11 Terras Indígenas e sete Unidades de Conservação. Os dados são do Grupo de Monitoramento epidemiológico da Covid-19 da região do Xingu da Faculdade de Medicina da UFPA em Altamira. Segundo o monitoramento, a taxa de letalidade de pacientes entubados nas UTIs está entre 80% e 90%.

O apelo foi feito pela campanha “Respira Xingu”, iniciativa de 47 organizações da sociedade civil lançada no início de fevereiro para enfrentar a segunda onda de Covid-19. “Não ficaremos parados enquanto vemos o horror se instalar. Não podemos seguir o exemplo de outras cidades onde, infelizmente, a doença tem matado por falta de oxigênio na rede hospitalar”, diz o manifesto [leia na íntegra].

Na carta, pedem que o prefeito de Altamira, Claudomiro Gomes (PSB) tenha “coragem e assuma seu papel como gestor municipal para salvar vidas (...) A sociedade saberá reconhecer o seu gesto”.

Os movimentos denunciam a falta de leitos, profissionais, medicamentos e equipamentos para o enfrentamento da Covid-19. “Vivemos uma 1ª onda de contaminação do Covid-19 em 2020 e esperava-se uma curva de aprendizado maior. Na prática percebemos que pouco evoluímos para enfrentar essa 2ª onda que veio muito mais forte e de uma vez em todo o território nacional”. Para agravar o quadro, a taxa de vacinação na região, 0,7%, é menor do que a média do estado do Pará, o estado brasileiro com a menor porcentagem de população vacinada (2,8%).

A região ainda enfrenta os impactos da hidrelétrica de Belo Monte, projeto marcado por um desastroso número de impactos socioambientais. “Os Royalties de Belo Monte e outros recursos devem ser utilizados com prioridade e agilidade para lidar com essa crise”, diz a carta.

Além de receber doações e promover ações de conscientização, a campanha “Respira Xingu” busca pressionar o poder público para implementar medidas efetivas de contenção do vírus. [Acesse o site e saiba como ajudar].

Compromisso

Nesta terça-feira o prefeito de Altamira recebeu representantes da campanha “Respira Xingu” para participar de reunião com a secretaria municipal de saúde, a 10ª regional da Secretaria Estadual, empresários, Guarda Municipal e outras organizações da região.

Claudomiro reconheceu a emergência e se comprometeu com uma série de medidas restritivas para combater a escalada de casos na cidade. Decreto deve ser publicado hoje (17) com medidas mais restritivas, como toque de recolher, fechamento de bares, igrejas e restaurantes, proibição de venda de bebidas alcoólicas e instalação de barreiras nas entradas dos municípios.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Covid-19: sistema de saúde em Altamira entra em colapso - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV