Contra o clericalismo, o patriarcado e a corrupção: estas são as teses das católicas alemãs

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A visibilidade que o Papa deu à guerra foi impressionante”. Entrevista com Dom Luiz Fernando, bispo de Pemba, Moçambique

    LER MAIS
  • Quem manda no Brasil

    LER MAIS
  • O Mapa da cloroquina: como governo Bolsonaro enviou 2,8 milhões de comprimidos para todo o Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Fevereiro 2021

“Em nossa Igreja todas compartilham a missão. O poder é compartilhado”.

Estas são as teses coladas nas portas das igrejas por toda a Alemanha pelo movimento de mulheres católicas “Maria 2.0”.

As teses são reproduzidas por Religión Digital, 23-02-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

1. Em nossa Igreja todos os cultos estão abertos para todas as pessoas

Pois os direitos humanos e a Lei Fundamental garantem a igualdade de direitos para todas as pessoas – somente a Igreja Católica os ignora. Ser homem hoje em dia estabelece direitos especiais na Igreja.

 

2. Em nossa Igreja todos compartilham a missão; o poder é compartilhado

Pois o clericalismo é um dos problemas básicos da Igreja Católica atual e favorece o abuso de poder com todas suas facetas desumanas.

 

3. Em nossa Igreja, os atos de violência sexual são investigados exaustivamente e os responsáveis prestam contas. As causas são combatidas sistematicamente.

Durante muito tempo, a Igreja Católica foi um cenário de violência sexual. As autoridades eclesiásticas seguem mantendo em segredo a informação sobre estes crimes violentos e eludem sua responsabilidade.

 

4. A nossa Igreja mostra uma atitude de apreço e reconhecimento para uma sexualidade atenta e autodeterminada

Pois a moral sexual ensinada oficialmente é alheia à vida e discriminatória. Não se baseia na imagem cristã do homem e já não é levada a sério pela maioria dos crentes.

 

5. Em nossa Igreja o modo de vida celibatário não é um requisito para o exercício de um ministério ordenado.

Pois a obrigação do celibato impede as pessoas de seguirem suas vocações. Os que não podem cumprir com esta obrigação vivem frequentemente por trás de falsas fachadas e se veem sumidos em crises existenciais.

 

6. A nossa Igreja funciona segundo os princípios cristãos. É a administradora dos bens que lhes são confiados; não proprietária.

A ostentação, as transações financeiras duvidosas e o enriquecimento pessoal dos responsáveis da igreja sacudiram e diminuíram profundamente a confiança na Igreja.

 

7. Nossa missão é a mensagem de Jesus Cristo. Atuamos em consequência e enfrentamos os desafios sociais

Pois os líderes da Igreja esvaziaram sua credibilidade. Não conseguem se fazer escutados de forma convincente e nem trabalhar por um mundo justo no espírito do Evangelho.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Contra o clericalismo, o patriarcado e a corrupção: estas são as teses das católicas alemãs - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV