O Evangelho e o respeito pelas mulheres humilhadas. Artigo de Anne-Marie Pelletier

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • 12 filmes para ver e rever na quaresma

    LER MAIS
  • Líder dos bispos católicos alemães: “Eu não nego comunhão aos protestantes que me pedem”

    LER MAIS
  • “É ingênuo achar que vamos erradicar o coronavírus”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Fevereiro 2021

“O Evangelho, sem dúvida, ensina o infinito respeito de Jesus pela mulher humilhada. Ele baixou os olhos para escrever no chão, antes de deixá-la partir, livre de condenações, restaurada à vida pela confiança que demonstrava nela”, escreve Anne-Marie Pelletier, teóloga, membro da Comissão Papal de Estudo sobre o diaconato feminino, em artigo publicado por La Croix International, 08-02-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Eis o artigo.

 

As notícias fizeram muito barulho na imprensa internacional.

Na Irlanda, um relatório de 3 mil páginas relatou como, por décadas, 18 “casas para mães e bebês” eram lugares de miséria e destruição psicológica para dezenas de milhares de mulheres. Essas casas eram também lugares onde as crianças pequenas eram deixadas para morrer.

Essas atrocidades ocorreram de 1922 a 1998 em casas administradas em sua maioria por congregações religiosas.

Um relatório em 2013 denunciou a outra instituição, a Magdalene Laundries, para oprimir mães solteiras ou mulheres que foram supostamente resgatadas da prostituição.

Aqui também, a Igreja Católica estava envolvida.

Isso levanta questões sobre nossos compromissos como Igreja. Nós somos muito rápidos para denunciar e trabalhar contra o colapso da moral, assim como alarmando mudanças societárias e legislativas.

Mas agora nós encaramos uma verdade desconfortável: a “cultura da morte”, a qual o Magistério denuncia, não é simplesmente um mal cometido pelos outros.

É também esta realidade que assola a vida da Igreja e prospera nas comunidades de fiéis a quem o Evangelho da Vida é confiado.

Pode-se imaginar algo mais horrível do que os restos mortais dos 796 mortos recentemente encontrados no orfanato irlandês em Tuam, enterrados no que antes era uma fossa séptica?

Foi necessária a tenacidade de uma mulher, Catherine Corless, imbuída de sua humanidade simples e sem recursos além de sua paixão pela justiça, para que um pouco de dignidade fosse devolvida a essas criancinhas, irmãos inocentes daqueles em Belém que são lembrados em a liturgia cristã no dia seguinte ao Natal.

Como podemos entender tal aberração, que é exacerbada pelo fato de que essas instituições foram estabelecidas em um país tradicionalmente católico e tido como um exemplo de resistência cristã à secularização?

Assim, é impossível não suspeitar de outros condados de partes do Leste Europeu ou dos EUA que hoje são defensores ferrenhos de um cristianismo vinculado a posições ideológicas problemáticas.

A advertência do Papa Francisco em seu livro mais recente, “Vamos sonhar juntos: O caminho para um futuro melhor”, é pertinente aqui.

“A rigidez é o sinal do mau espírito que esconde algo. O que está oculto pode demorar muito para ser revelado, até que surja algum escândalo”, afirma.

É também o momento de reconhecer que “tudo está interligado”, segundo um princípio caro ao Papa.

Isso é particularmente verdadeiro no caso de crimes sexuais, que não são uma questão de deslizes, que seriam atribuídos a algumas pessoas mal orientadas ou pervertidas.

Não é por acaso que, em cada um desses escândalos, vemos uma relação distorcida com a sexualidade.

Proibições que alimentam fantasias, em um caso. Uma obsessão pelo pecado que traz infortúnio para mulheres grávidas solteiras, em outro caso. Estranho como os homens estão protegidos de qualquer responsabilidade.

É essa concepção equivocada da relação com “carne” (um conceito mal interpretado de São Paulo) que pode levar as mulheres – freiras – a se tornarem executoras de outras mulheres por não terem outra resposta a não ser condenar, humilhar e trancar em uma lógica criminosa de expiação.

Nestes tristes estabelecimentos irlandeses, pergunta-se, além disso, como o Evangelho poderia ter sido contornado dessa forma. É o mesmo Evangelho que retrata Jesus diante da mulher que foi arrastada diante dele por homens revestidos de respeitabilidade religiosa, designando-a adúltera e exigindo que fosse punida sem piedade.

Este Evangelho, sem dúvida, ensina o infinito respeito de Jesus pela mulher humilhada. Ele baixou os olhos para escrever no chão, antes de deixá-la partir, livre de condenações, restaurada à vida pela confiança que demonstrava nela.

Este texto deveria ter rachado, se não as paredes de pedra, pelo menos os corações endurecidos em uma moralidade desumana.

É verdade que esse relato no capítulo 8 do Evangelho de João era difícil de aceitar. Não é encontrado na maioria dos manuscritos antigos.

Isso é bastante intrigante, mas talvez revele um duplo significado.

Primeiro, a resistência à sua mensagem. E, então, a necessidade disso acabará por triunfar e impor sua presença.

A questão é decididamente crucial. Está dividido entre a culpa hipócrita e assassina, de um lado, e as boas novas do Evangelho, do outro.

O fato é que, para o momento, o choro das vítimas dentro da Igreja desqualifica a expertise reivindicada pelos católicos. Em qualquer caso, faz da Igreja suspeita desde o início. Nós destruímos nossa credibilidade.

Por fim, vamos destacar que por uma coincidência perturbadora, os bispos da França chamaram para jejuar e rezar pela próxima votação no legislativo sobre bioética, no momento em que o escândalo irlandês está se tornando pior.

E isso levanta a questão: nossas sociedades cristãs irão se responsabilizar pela devastação causada por uma inflexível e anti-evangélica moralidade, assim como nossas sociedades secularizadas terão que se responsabilizar pela vertiginosa onipotência que parece permitir a manipulação ilimitada da vida?

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Evangelho e o respeito pelas mulheres humilhadas. Artigo de Anne-Marie Pelletier - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV