Pandemia foi o assunto que gerou maior onda de desinformação em 2020

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Não tenho nenhuma esperança de que o Governo Bolsonaro ainda se empenhe em transmutar sua visão a respeito da Amazônia. Entrevista com Dom Erwin Krautler

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


29 Janeiro 2021

Assuntos relacionados ao covid-19 com falsas informações foram os temas mais populares no Brasil em postagens em rede social em 2020, checados pelo portal Aos Fatos em parceria com o Facebook. Das 517 checagens publicadas, 247 - ou seja, 48,2% - abordaram o assunto. Desse total 243 publicações versaram sobre o covid-19, somando ao menos 6,7 milhões de compartilhamentos. 

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

Luiz Fernando Menezes, de Aos Fatos, informa que a principal narrativa dos conteúdos enganosos sobre a pandemia – presente em 47 mensagens – questionava o número de mortos no Brasil ou no mundo em decorrência da doença. Um exemplo foi a postagem alegando que no Amazonas estavam enterrando caixões vazios, informação compartilhada mais de 800 mil vezes. Outra diz que o surto de H1N1 foi mais grave que o covid-19 está sendo no país, com mais de 335 mil acessos. 

Postagens sobre vacinas também entraram nesse rol. Em 44 publicações, a CoronaVac, imunização desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantã, foi atacada. Tais postagens desinformam, por exemplo, que essa vacina causaria danos irreversíveis ao DNA humano e até “homossexualismo”. 

A figura pública mais mencionada nas publicações checadas pelo Aos Fatos em 2020 foi o presidente da República, cujo nome estava relacionado em 54 peças de desinformação, a maioria – 81% - favoráveis a Bolsonaro, inflando sua popularidade e atribuindo ao seu governo obras de outras gestões. 

China, Dória e Lula foram os mais atacados nessas postagens desinformativas. Assim, os chineses estariam disseminando o novo vírus de propósito ou que já vinham produzindo a vacina desde 2019. Aos Fatos desmentiu que existiria um complô entre Dória e a China. Das 18 publicações referentes ao ex-presidente Lula, 15 foram depreciativas, como a desinformação que ele seria amigo de um suposto irmão de Adélio Bispo, autor do atentado contra Bolsonaro. 

O levantamento completo pode ser acessado aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pandemia foi o assunto que gerou maior onda de desinformação em 2020 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV