Um convite a reconhecermos os talentos que Deus nos deu para multiplicarmos em Seu nome

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • O suicídio no clero do Brasil

    LER MAIS
  • “Agro é fogo”: incêndios no Brasil estão ligados ao agronegócio e ao avanço da fome, diz dossiê

    LER MAIS
  • Polícia de RO invade casa de advogada para apreender material de defesa de camponeses

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Novembro 2020

Estejamos preparados, porque como diz o bispo de Hipona: "Eu vos quero sem inquietações (1Cor 7,29-32). Quem não tem inquietações, aguarda com serenidade a vinda do seu Senhor. Pois, que amor ao Cristo é esse que teme a sua chegada? Irmãos, não nos envergonhamos? Amamos e temos medo de sua vinda. Será que amamos? Ou amamos muito mais nossos pecados? Odiemos, portanto, estes mesmos pecados e amemos aquele que virá castigar os pecados. Ele virá, quer queiramos, quer não. Se ainda não veio, não quer dizer que não virá. Virá em hora que não sabe; se te encontrar preparado, não haverá importância não saberes".

O comentário é de Patricia Fachin, jornalista, graduada e mestre em Filosofia pela Unisinos

Hoje, 15 de novembro, dia de eleições no país e data em que celebramos a Proclamação da República - que pouco ou nada tem de republicana -, a Igreja nos sugere duas leituras que podem ser mais úteis para nós do que a esperança que muitos ainda depositam na política. Ao invés de confiarmos irrestritamente nos homens que elegeremos neste domingo, fica o convite para voltarmos nossos olhares para Deus.

No penúltimo domingo do Tempo Comum, o Evangelho e o Ofício das Leituras nos sugerem uma reflexão para nos prepararmos para o Domingo do Cristo Rei e, logo em seguida, para o Advento, em preparação para o Natal.

Depois de um ano de tanta escuridão, medo, incertezas, insegurança em função da crise pandêmica global e seus efeitos, a Igreja, sabiamente, nos faz um convite através destas duas leituras para nos prepararmos para o que há de vir, para começarmos um novo Tempo Comum, cheio de esperança. Novamente, a Igreja de Cristo nos encoraja a usarmos os próximos dias para nos prepararmos para os novos tempos. Como sugere Santo Agostinho nos Ofícios de hoje, "Não ofereçamos resistência à sua primeira vinda": Aqueles que não tiveram medo da primeira vinda, não tenham medo da segunda. Não sabemos quando Ele virá definitivamente, mas em cada Natal celebramos a sua vinda. O Natal está chegando e aqui está um convite para iniciarmos a nossa preparação para a espera tão esperada, que nos enche de alegria.

Estejamos preparados, porque como diz o bispo de Hipona: "Eu vos quero sem inquietações (1Cor 7,29-32). Quem não tem inquietações, aguarda com serenidade a vinda do seu Senhor. Pois, que amor ao Cristo é esse que teme a sua chegada? Irmãos, não nos envergonhamos? Amamos e temos medo de sua vinda. Será que amamos? Ou amamos muito mais nossos pecados? Odiemos, portanto, estes mesmos pecados e amemos aquele que virá castigar os pecados. Ele virá, quer queiramos, quer não. Se ainda não veio, não quer dizer que não virá. Virá em hora que não sabe; se te encontrar preparado, não haverá importância não saberes".

Mas voltando ao Evangelho, também é oportuno usarmos esse tempo de incertezas, que a tantos paralisou, para nos perguntarmos: Quantos talentos Jesus te confiou? 5, 2 ou 1? O que você fez com cada um desses talentos que equivalia a 35 quilos de ouro? Fez como os que ganharam cinco ou dois, isto é, multiplicou-os e louvou a Deus por tanta graça, dividindo-os com o próximo porque ama acima de tudo o teu Deus, ou guardou este talento somente para ti, por medo de arriscar, cultivar e multiplicar?

Como multiplicamos o Evangelho a partir de nós para o outro? Estamos preocupados em multiplicarmos os talentos que Deus nos deu ou queremos enterrar esse talento conosco, no nosso amor egoísta que só vê a si mesmo, para deixá-lo morrer sem frutificar, sem compartilhar? Se somos filhos da Luz, vigilantes, e acreditamos que Deus nos confiou os talentos que temos, sejamos propositivos, operantes, não nos acovardamos com o medo, com a escuridão. Ao contrário, diferentemente daqueles que temem, nós caminhamos para frente, em busca do caminho reto, e somos convidados a seguir para trabalhar e multiplicar nossos talentos, sendo fiéis ao nosso Deus e gerando novos frutos.

Mais uma vez o óbvio do ensinamento do Evangelho nos ensina: Ama acima de tudo o teu Deus e depois ao próximo como a si mesmo. Somente seguindo o mandamento de Jesus poderemos multiplicar nossos talentos e multiplicá-los em outros. E não esqueçam: a quem muito foi dado, muito será exigido e cobrado.

Em preparação para o que há de vir, sigamos em frente. Sugiro apenas uma palavra que aprendi e que faz todo sentido para não nos paralisar no meio do caminho: coragem! E não esqueçam: Alegrai-vos, o Espírito Santo age em nós!

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um convite a reconhecermos os talentos que Deus nos deu para multiplicarmos em Seu nome - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV