Chile. A construção do poder constituinte

Revista ihu on-line

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Mais Lidos

  • Moçambique. “Ameaças de morte por parte do governo. Há anos que lançamos apelos para Maputo. Sem sucesso”, denuncia ex-bispo de Pemba

    LER MAIS
  • Assim, o Papa Francisco nos lembrou que o comunismo pertence ao pensamento religioso

    LER MAIS
  • Repartir os bens não é comunismo, é cristianismo puro, diz o Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Outubro 2020

“O processo constituinte que estamos vivendo no Chile precisa ser um processo sem fim, como a própria democracia, só necessitamos impulsioná-lo em todos os espaços possíveis”, escreve Andrés Kogan Valderrama, sociólogo, em artigo publicado por OPLAS, 28-10-2020. A tradução é do Cepat.

Eis o artigo.

A propósito do histórico resultado do plebiscito no Chile, no último dia 25 de outubro, em que mais de 78% das pessoas votaram na opção aprovo para elaborar uma nova constituição, o novo desafio é consolidar um processo democrático que vá muito além do eleitoral.

Embora a votação tenha atingido 50,9% do eleitorado, nunca tantas pessoas haviam votado em uma eleição no Chile (7.562.173). Além de ser inédita tanta diferença entre nós que optamos por votar aprovo e convenção constitucional paritária, frente à opção conservadora da rejeição e convenção mista. De fato, a votação e a diferença, em um contexto sem pandemia e de voto obrigatório, poderiam ser muito maiores.

Uma surra eleitoral que mostra que a grande maioria de nós que votamos nesse dia queremos construir um país diferente, não apenas de uns poucos, e que responda realmente à pluralidade de vozes e experiências, para que a dignidade das pessoas, comunidades e territórios se torne rotina.

Não é por acaso, portanto, que nas chamadas zonas de sacrifício, ícones da negação e violência por parte do sistema neoliberal-extrativista, o “aprovo” tenha vencido por mais de 89% dos votos (Freirina, Huasco, Mejillones, Petorca, Illapel, Tocopilla, Chañaral, Andacollo, María Elena, Diego de Almagro). O que nos mostra que o Chile mais maltratado e pisoteado se levantou para dizer basta.

Além disso, esta grande votação não é apenas o resultado da grande revolta de outubro do ano passado, mas é algo que vem sendo construído há décadas, onde as lutas estudantis, socioambientais, feministas, indígenas, de dissidências sexuais, animalistas, de trabalhadores, entre outras, foram gerando as condições políticas para abrir um processo constituinte inédito na história do Chile.

Pelo mesmo, essas lutas devem continuar se articulando para pressionar e exigir grandes transformações na própria convenção constitucional, que provavelmente será cooptada pelos mesmos partidos políticos tradicionais, já que o chamado “Acordo pela Paz Social e a Nova Constituição” restringe bastante o acesso de pessoas que estejam fora desses partidos para fazer parte do novo órgão constitucional.

Por isso, como bem expõe o ex-presidente da Assembleia Constituinte do Equador, Alberto Acosta, a constituição não pode ser apenas o resultado do trabalho daqueles que formarem a convenção constitucional, mas dos próprios cidadãos, que são as e os reais constituintes, que devem ser protagonistas na construção deste novo projeto de vida em comum.

Daí que seja tão ou mais importante o processo de elaboração da constituição do que a própria constituição, já que caso se conquiste uma maior politização da sociedade, com a instalação de cabildos por todas partes, os novos integrantes da convenção constitucional serão obrigados a incluir as grandes demandas históricas na nova constituição. O desafio, por conseguinte, é encontrar mecanismos cidadãos para visibilizar o máximo possível essas demandas.

As demandas são muitas, mas é fundamental que tanto os Direitos Humanos e os da Natureza sejam garantidos na nova constituição, para que assim a propriedade privada nunca mais se interponha sobre outros direitos, e se abra assim um novo caminho que impulsione múltiplas soberanias (alimentar, hídrica, energética).

O mesmo em relação à necessidade de se construir uma constituição plurinacional, onde o centro não seja alcançar o progresso e o desenvolvimento, mas uma vida sustentável territorialmente. Temos muito a aprender dos diferentes povos indígenas e de sua relação com os ecossistemas, e de como estes contribuíram em outros processos constituintes da região.

A respeito dos riscos de que após a aprovação da nova constituição seu cumprimento seja fragilizado por grandes empresas transnacionais ou cooptada por caudilhos autoritários, como aconteceu com países vizinhos, depende do quão organizada ou não a sociedade esteja para estar atenta e exigir o cumprimento dos direitos.

Por tudo o que foi destacado, o processo constituinte que estamos vivendo no Chile precisa ser um processo sem fim, como a própria democracia, só necessitamos impulsioná-lo em todos os espaços possíveis.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chile. A construção do poder constituinte - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV