Ações do Magazine Luiza sobem após anúncio de vagas de trainees só para negros

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • 'Eu nunca recusei a Eucaristia a ninguém. A comunhão não é um prêmio para os perfeitos'. Entrevista com o papa Francisco voltando da Eslováquia para Roma

    LER MAIS
  • Papa Francisco: “Vacinas, há negacionistas até entre os cardeais. Matrimônio só homem-mulher, mas uniões civis homoafetivas possíveis”

    LER MAIS
  • Alemanha. Dom Stefan Hesse: renúncia rejeitada

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Setembro 2020

Após inúmeras críticas racistas por conta do lançamento de um programa de trainee exclusivo para pessoas negras da Magazine Luiza, sobretudo grupos de direita que passaram a recriminar a Magalu por, supostamente, praticar “discriminação contra brancos”, as ações da empresa negociadas na bolsa de valores de São Paulo passaram por uma valorização, de cerca de 2,6%. Os papéis, que eram negociados a R$ 87,16 na sexta, fecharam a terça-feira a R$ 89,48.

A reportagem é publicada por Mídia Ninja, 24-09-2020.

Parlamentares bolsonaristas, como Eduardo Martins (PSC-PR) e Carlos Jordy (PSL-RJ), apontaram racismo reverso no programa trainee. Jordy, que é vice-líder do Governo na Câmara, inclusive, entrou com representação no Ministério Público pedindo providências contra a empresa por “impedir a contratação de pessoas não negras”. Sérgio Camargo, presidente da Fundação Palmares, pede o cancelamento do programa, “caso contrário, o racismo será legalizado no Brasil”, diz.

O movimento da Magalu de tentar corrigir uma distorção racial identificada em seus quadros pode emitir um sinal positivo para o mercado, de que está alinhada às práticas mais modernas de gestão da atualidade.

O CEO da empresa, Frederico Trajano, compartilhou números que comprovam essa distorção racial. Apesar de 53% dos funcionários da Magalu serem negros, apenas 16% dos líderes são negros. Em 15 anos de programas de trainees, de 250 formados, apenas 10 eram negros: “Essa dificuldade de acesso tem sido um problema para uma companhia que acredita que a diversidade aumenta a competitividade, e queremos resolvê-lo”.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ações do Magazine Luiza sobem após anúncio de vagas de trainees só para negros - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV