Poluição por plástico pode aumentar mais de seis vezes até 2030

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Como as lideranças católicas ajudaram a dar origem à violência no Capitólio dos EUA. Artigo de James Martin

    LER MAIS
  • “O trumpismo se infiltrou na Igreja Católica dos Estados Unidos”. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Irlanda, 9 mil crianças mortas em casas para mães solteiras: o 'mea culpa' de Dublin sobre 76 anos de maus-tratos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Setembro 2020

Em janeiro de 2018, a China parou de aceitar a maioria dos recicláveis plásticos de nações ocidentais. Em poucos dias, não havia como esconder a quantidade de plástico que as nações estavam produzindo e consumindo. Pilhas de plástico surgiram na Grã-Bretanha, Europa, Canadá, Estados Unidos e em outros lugares. Outras nações orientais começaram a proibir a importação de resíduos plásticos. Governos em todo o mundo estão agora lutando por soluções para mitigar o problema crescente da poluição por plásticos.

A reportagem é publicada por Arizona State University e reproduzida por EcoDebate, 20-09-2020. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Agora, um novo estudo mostra que, apesar dos compromissos globais para lidar com a poluição por governos em todo o mundo cumpram seus ambiciosos compromissos para reduzir a poluição por plástico, as emissões anuais de plástico podem aumentar mais de seis vezes até 2030.

O estudo, “Predicted Growth in Plastic Waste Exceeds Efforts to Mitigate Plastic Pollution", publicado na edição de 18 de setembro da revista Science, avaliou o nível de esforço necessário para atingir uma redução global desejada na poluição por plástico.

Esta é a primeira análise global da magnitude do problema da poluição do plástico ou uma análise do impacto relativo das intervenções, como banir sacos plásticos e canudos, disse Leah Gerber, professora de ciências da conservação na Escola de Ciências da Vida da Universidade do Estado do Arizona e co- investigador do estudo.

Os plásticos demoram para se degradar e, mesmo quando isso acontece, pedaços deles, conhecidos como microplásticos, entram na cadeia alimentar aquática e, por fim, nos humanos. O Great Pacific Garbage Patch, localizado a meio caminho entre a Califórnia e o Havaí, incorpora o problema crescente da poluição por plástico. A mancha cobre 1,6 milhão de quilômetros quadrados, uma área duas vezes maior que o Texas.

Estima-se que oito milhões de toneladas de resíduos plásticos entram nos oceanos, lagos e rios do mundo anualmente

O novo estudo, baseado em modelos matemáticos, estima que até 2030, os resíduos plásticos anuais de 173 países podem aumentar para 53 toneladas métricas.

O estudo modelou cenários futuros para atingir uma meta de redução global de menos de 8 toneladas métricas até 2030 usando estratégias de mitigação existentes: redução de resíduos de plástico, que inclui proibições de plástico; melhorar a gestão de resíduos; e limpeza ambiental.

Para atingir essa meta, o estudo constatou que seria necessária uma redução de 25% a 40% nos resíduos plásticos; a gestão de resíduos de plástico teria que aumentar de 6% para 60% nas economias de baixa renda; e uma limpeza de 40% das emissões anuais de plástico seria necessária.

Os resultados do estudo enfatizam que, a menos que o crescimento da produção e do uso do plástico seja interrompido (um cenário improvável), uma transformação fundamental da economia do plástico é essencial; isto é, onde os produtos plásticos em fim de vida são avaliados em vez de descartados como resíduos.

“Há muita atenção popular em relação à limpeza, mas não há tanta atenção ao fato de que ainda estamos produzindo grandes quantidades de plástico”, disse Gerber. “E onde não há boa infraestrutura, esse plástico está se infiltrando em habitats marinhos e aquáticos.”

Os autores do estudo sugerem que, para atingir uma redução substancial nas emissões globais de plástico, é necessária uma mudança significativa nas políticas. Essas mudanças incluem a redução ou eliminação de plásticos desnecessários; estabelecer limites globais para a produção de novos plásticos; criar padrões globais que garantam que os plásticos sejam recuperáveis e recicláveis; e desenvolvimento e dimensionamento de tecnologias de processamento e reciclagem de plástico.

“Nos EUA, somos grandes consumidores de plástico descartável”, disse Gerber. “Tenho esperança de que nossas descobertas levem as pessoas a repensar esses padrões de consumo. Mesmo aqui no Arizona, as escolhas que fazemos impactam o futuro de nossos oceanos.”

 

Referência:

Predicted growth in plastic waste exceeds efforts to mitigate plastic pollution. BY STEPHANIE B. BORRELLE, JEREMY RINGMA, KARA LAVENDER LAW, COLE C. MONNAHAN, LAURENT LEBRETON, ALEXIS MCGIVERN, ERIN MURPHY, JENNA JAMBECK, GEORGE H. LEONARD, MICHELLE A. HILLEARY, MARCUS ERIKSEN, HUGH P. POSSINGHAM, HANNAH DE FROND, LEAH R. GERBER, BETH POLIDORO, AKBAR TAHIR, MIRANDA BERNARD, NICHOLAS MALLOS, MEGAN BARNES, CHELSEA M. ROCHMAN. SCIENCE18 SEP 2020: 1515-1518. Disponível aqui.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Poluição por plástico pode aumentar mais de seis vezes até 2030 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV