Amazônia: 73% do desmatamento para garimpo aconteceu em áreas protegidas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Da crise não saímos iguais. Ou saímos melhores ou saímos piores”, afirma Papa Francisco na ONU

    LER MAIS
  • O olhar sobre a “comunhão eucarística”: uma mudança de paradigma. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Pós-humano: o desafio de falar do humano e de seu valor. Mudança de época. Artigo de Paolo Benanti

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Agosto 2020

Segundo levantamento feito pela organização Greenpeace Brasil, durante o mês de julho deste ano 73% do desmatamento na Amazônia ocorreu dentro de áreas protegidas e territórios indígenas

A reportagem é de Larissa Calixto, publicada por Congresso em Foco, 22-08-2020.

De acordo com o estudo, três áreas protegidas no Pará concentram 55% do desmatamento para garimpo na região: Área de Proteção Ambiental Tapajós, Terra Indígenas Munduruku e a Terra Indígena Kayapó.

Garimpo ilegal que funcionava na Amazônia Legal e foi desativado pelo Ibama em 2012. (Foto: Usace/CC)

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) detectou uma área de 2.369 hectares desmatados pelo garimpo na Amazônia, somente no último mês. O estado do Pará concentra 91% desta área desmatada. O estado é o terceiro maior produtor de minério no Brasil. Segundo o Greenpeace, o índice oficial de exportação de ouro da região aumentou em 418,5% entre janeiro e julho, em comparação com o mesmo período no ano anterior.

A região Tapajós, no Pará, é considerada o epicentro do garimpo ilegal na Amazônia. Somente em duas cidades, Itaituba e Jacareacanga, localizadas na região, foram registrados 70% de todo o desmatamento do garimpo na Amazônia brasileira. Segundo o Greenpeace, estas duas cidades são conhecidas como os principais pontos de origem de ouro ilegal.

Com a crise do novo coronavírus o valor do ouro no mercado bateu recordes, chegando a atingir o pico mais alto dos últimos 30 anos. Para a organização, este é um dos fatores que influencia no aumento do garimpo ilegal na região.

No início do ano, a organização já havia denunciado que entre os meses de janeiro e abril, 72% do garimpo realizado na Amazônia tinham origem em áreas protegidas. Segundo a Constituição Federal a exploração de garimpo é proibida em território indígena.

“Os dados confirmam que o avanço do garimpo sobre as terras indígenas e unidades de conservação tem sido contínuo. Essa realidade explicita a vulnerabilidade em que se encontram essas áreas e os povos indígenas diante da corrida desenfreada pelo ouro, que se alastra como uma epidemia pela Amazônia”, afirma Carolina Marçal, porta-voz da campanha Amazônia do Greenpeace Brasil.

Para a porta-voz, outro fator que explica o aumento do desmatamento é o posicionamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, quanto ao tema. Ele defende da legalização do garimpo em terras indígenas em muitas declarações.

“Além dos fatores econômicos, existem condições políticas favoráveis para o avanço da atividade. Declarações do presidente Bolsonaro, diminuição da fiscalização e propostas de legalização do garimpo em terras indígenas aumentam ainda mais a pressão sobre a floresta nessas áreas, além de serem uma afronta à Constituição e violarem os direitos dos povos indígenas”, conclui Carolina.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Amazônia: 73% do desmatamento para garimpo aconteceu em áreas protegidas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV