Os desafios desta crise civilizatória como sintomas da atual pandemia. “Para onde íamos? Aonde queremos ir?”

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma escolha crucial: como a Igreja seleciona seus bispos?

    LER MAIS
  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Os três passos dos homens

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Julho 2020

“A tragédia nos desnuda de nossa perversão e bondade, sem confusão nos unimos, freamos e desconstruímos a tendência sistemática que nos mata cotidianamente e começamos a germinar o 'nós pluriversal', onde ninguém sobra, enquanto o pão, o abraço e o canto são compartilhados como alimento para a alma. Ou assistiremos a nosso próprio enterro”, escreve César A. Valera y Baeza, filósofo, teólogo e assessor de educação para a paz do Instituto Militarizado del Sureste, em Mérida, no México. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

As luzes deslumbrantes do neoliberalismo precisaram se apagar para que fosse acesa a vela do calor humano. Coração e condição humana feita de risco, necessidade do outro, dor, amor, sonhos, poesia, canção, abraço, choro, fé, alegria compartilhada... até a nova consciência dos limites, não já da mãe terra, mas de nossa cegueira e necessidade de crer e alimentar miragens da morte, arrogância e dominação como espécie humana.

Resta-nos um tempo, para tirar poder deste sistema em todos os âmbitos; pessoal, político e econômico. Seus frutos gritam contradições de miséria e opulência, individualismo e violento genocídio e ecocídio.

Foram muitos os alertas científicos e da própria natureza, e agora, sob a atual circunstância mundial... e é na clausura em que nos encontramos, que nos vemos e nos assumimos iguais, como irmãos da mesma espécie.

É outro grito da dor de parto a uma nova humanidade. Exige-se a nós, como espécie, renascer, gerar outra fortaleza maior da condição humana, mais valente, resiliente e solidária que nunca. Desde os sempre inviabilizados e sobreviventes deste modelo civilizatório mercantil que começa a morrer, os que até para “protegê-los da morte” são mortos ou de fome ou de solidão... os milhares de irmãos que não têm onde se refugiar e a rua ou os caminhos de fronteira e risco permanente são seu habitat. Talvez sejam eles os que tenham essa nova fortaleza: a “terna solidariedade”, a milagrosa imunidade contra toda enfermidade egoísta. E oxalá contagiosa salvação humana!

É a grande oportunidade! Não de fazermos uma arca, mas sim um vínculo único e comum com o planeta e todas as espécies cuja base seja o mútuo cuidado ecossolidário.

Precisamos tirar desde as raízes mais profundas ainda na (ou pela) própria vulnerabilidade, o amor, o cuidado, a dignidade, o valor e a consciência do outro que foram e serão as fortalezas humanas de nosso futuro possível.

Com a inspiração e convicção dessa utopia de viver por quem se ama, pelo que se crê e dá sentido, e nada mais digno que nossos milhões de amigos, irmãos, os mais excluídos, os empobrecidos e as gerações que exigem melhor exemplo e herança: a justiça e a solidariedade!

Novamente, a tragédia nos desnuda de nossa perversão e bondade, sem confusão nos unimos, freamos e desconstruímos a tendência sistemática que nos mata cotidianamente e começamos a germinar o 'nós pluriversal', onde ninguém sobra, enquanto o pão, o abraço e o canto são compartilhados como alimento para a alma. Ou assistiremos a nosso próprio enterro.

Algumas questões

  • Quais são os desafios e os maiores aprendizados que tivemos neste período de confinamento? E quão finita é a própria vida?
  • Que sociedade, que mundo eu quero viver e construir para as próximas gerações?
  • Eu me senti chamado a fazer alguma mudança na minha vida?
  • Durante esse período, fomos capazes de realizar algum ato de solidariedade com outra pessoa em situação pior que a dele?
  • Existe alguma atitude, ato (comigo mesmo, família, trabalho, amigos, parceiro, econômico, social) que eu descobri, que não quero mais continuar fazendo ou que preciso fazer com urgência?

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os desafios desta crise civilizatória como sintomas da atual pandemia. “Para onde íamos? Aonde queremos ir?” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV