Exportação de soja para a União Europeia e China são de fazendas com desmate ilegal em Mato Grosso, diz estudo

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS
  • Seu bispo necessita dos seus conselhos: o que dirá a ele?

    LER MAIS
  • Dinâmica religiosa nos Estados Unidos. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


17 Junho 2020

Segundo pesquisa, 20% da soja importada vem de fazendas com desmate ilegal.

A reportagem é publicada por Amazônia.org, 15-06-2020.

O Estado do Mato Grosso é o maior produtor de soja do Brasil e está exportando produtos de áreas desmatadas ilegalmente. Dados divulgados na quinta-feira passada apontam que 20% da soja que chega à União Europeia e China são provenientes de fazendas com derrubada irregular de vegetação tanto da Amazônia, quanto do Cerrado e Pantanal.

Os dados foram desenvolvidos pelas ONGs Instituto Centro de Vida (ICV), Imaflora e pela Trase, organização que busca dar transparência para cadeias de produção de commodities e foram divulgados pelo jornal Folha de São Paulo.

Segundo o estudo, a área destruída ilegalmente em fazendas de soja em Mato Grosso chega a 1.639.607 hectares (entre 2012 e 2017), isso acaba por revelar os problemas e limitações da Moratória da Soja, acordo que começou em 2006 e visa impedir a comercialização e financiamento de soja produzida em áreas amazônicas que foram desmatadas a partir de julho de 2008.

Os pesquisadores estimam que 81% da soja produzida em fazendas com desmatamento ilegal em Mato Grosso foi exportada.

A moratória só diz respeito à produção em áreas desmatadas de forma ilegal na Amazônia, o desmate para plantio de soja em outros biomas não entra na conta, o que é apontado por pesquisadores como um risco para o cerrado, que têm níveis de desmatamento ilegal maior que a Amazônia, com 866.469 hectares, já a Amazônia apresenta 615.114 hectares desmatados.

A coordenadora do programa de incentivos econômicos do ICV, Paula Bernasconi, afirma em entrevista à Folha de S.P. que “o mercado europeu e chinês chancelado pela moratória na verdade pode estar associado a desmatamento ilegal. O mercado chinês está começando a se interessar pela sustentabilidade, e a legalidade é uma coisa com a qual eles se preocupam.”

As ilegalidades na cadeia da soja têm ainda uma peculiaridade. Grãos derivados de diferentes produtores são misturados para estocagem. Com isso, soja produzida em uma fazenda com desmatamento ilegal pode acabar se misturando a produtos de áreas que respeitam a legislação ambiental, o que acaba contaminando a cadeia.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Exportação de soja para a União Europeia e China são de fazendas com desmate ilegal em Mato Grosso, diz estudo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV