Nova forma, mesma proposta: #PL2633NÃO #MP910NÃO

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Propor vacinação só em março e alcançar no máximo 1/3 da população em 2021 é um crime

    LER MAIS
  • Ailton Krenak: “A Terra pode nos deixar para trás e seguir o seu caminho”

    LER MAIS
  • Covid-19: 'Pandemia no Sul caminha para agravamento sem precedentes', diz epidemiologista

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Mai 2020

Após mobilização nacional, realizada nesta semana, que impediu a votação da Medida Provisória 910/2019 - conhecida como a MP da grilagem - os deputados encontraram uma nova forma para aprovar as propostas contidas na MP, por meio de um Projeto de Lei.

A reportagem é publicada por Terra de Direitos, 15-05-2020.

O Projeto de Lei 2633/2020, apresentado nesta quinta-feira (14) na Câmara dos Deputados, reúne propostas contidas no relatório da MP 910 que perde a validade na próxima terça-feira (19). O PL de autoria do deputado Zé Silva (SD-MG), relator da MP 910, foi apresentado após a Medida Provisória ter sido retirada da pauta de votações do plenário, nessa semana, por falta de acordo sobre o tema. O novo projeto, com medidas que estavam no relatório apresentado à MP, continua favorecendo grandes proprietários e grileiros de terras públicas, e incentivando o desmatamento ilegal.

Mesmo com a diminuição - de 15 para 6 módulos fiscais - da extensão das terras liberadas de vistoria prévia e passíveis de regularização, por mera declaração do ocupante, o PL mantém a ampliação da regularização para terras da União e do Incra em todo o país: as dispensas mencionadas aumentam de 4 para 6 módulos fiscais.

De acordo com nota técnica da Terra de Direitos, divulgada nessa semana, as propostas contidas na MP 910 ainda "fragilizam comunidades quilombolas em virtude da possibilidade de sobreposição de áreas e ampliação de conflitos fundiários tanto na região amazônica quanto em todo o território nacional", dentre outros problemas de inconstitucionalidade.

Organizações da sociedade civil, movimentos do campo, das águas e das florestas, repudiam a votação de uma proposta com esse tema em um contexto de pandemia. Além de criticarem a ausência de transparência nesse debate, sem mecanismos estabelecidos pelo Congresso que garantam a participação da sociedade durante as sessões virtuais.

Continuamos mobilizados #PL2633NÃO #MP910NÃO

Leia a nota técnica produzida pela Terra de Direitos que aponta os riscos da MP 910 para a Amazônia e terras quilombolas.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nova forma, mesma proposta: #PL2633NÃO #MP910NÃO - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV