Não era para ficar em casa, Doria? Que casa?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Nunca se viu no Brasil um governo tão abençoado pelas igrejas

    LER MAIS
  • Cardeal Hollerich “está aberto” ao sacerdócio das mulheres

    LER MAIS
  • "A REPAM é fazer conectar aquilo que é comum de todos". Entrevista com João Gutemberg Sampaio, novo secretário executivo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


08 Mai 2020

Em plena pandemia que assola, principalmente, a parte mais vulnerável da sociedade, a Polícia Militar SP fez uma operação de despejo de mais 50 famílias sem teto em uma área ocupada, no bairro Monte Líbano, região do Taquaral, Piracicaba, SP. Segundo relatos das famílias, a operação aconteceu de forma violenta. A polícia chegou por volta das 6h com tratadores destruindo suas casas.

A reportagem é publicada por Mídia Ninja, 07-05-2020.

As famílias e grupos sociais pediram intervenção da prefeitura e Defensoria Pública, argumentando, entre outras questões, o risco do despejo em meio à pandemia do novo coronavírus. Na noite desta quarta (6), horas antes do despejo acontecer, a Justiça manteve a decisão de reintegrar a área sob o argumento de que uma possível ampliação da ocupação é que pode levar à propagação da contaminação.

A área pertence à vários herdeiros de um advogado de São Paulo, e estava abandonada, servindo apenas para especulação imobiliária, sem nenhum uso.

Os sem teto ocupam a área desde janeiro deste ano, na luta pelo direito a moradia. A assessoria jurídica popular que acompanha as famílias, tentou impedir o despejo alegando questão humanitária e apelando ao bom senso diante da maior pandemia dos últimos tempos, mas tanto a justiça de Piracicaba, como o Tribunal de Justiça de SP ignoraram o risco de morte que estão impondo à essas famílias. Na noite desta quarta (6), horas antes do despejo acontecer, a Justiça manteve a decisão de reintegrar a área sob o argumento de que uma possível ampliação da ocupação é que pode levar à propagação da contaminação.

Despejo de mais 50 famílias sem teto em uma área ocupada em Piracicaba, SP. 
(Foto: Gabriel Albertini/@gabrielalbertini/Mídia Ninja)

O Despejo das famílias ocorre com a anuência do governador de São Paulo, João Doria (PDC), que tem um discurso de defesa do distanciamento social, mas na prática joga famílias inteiras na rua. Os pertences das famílias estão sendo levados para um galpão. Não foi oferecido às famílias despejadas uma alternativa de alojamento, muitos estão indo parar na rua ou para casa de parentes, se expondo à riscos de infecção a covid 19.

O Levante Popular da Juventude publicou um vídeo fazendo o comparativo entre o discurso do governador João Doria, que ignora a existência das famílias sem teto, com o ocorrido de hoje. 

 

Não era para ficar em casa, Doria? Que casa?

Às 6h da manhã dessa quinta-feira (07) a PM jogou tudo pro chão: barracos, roupas e a esperança de ter um teto pra praticar o "fique em casa".

O despejo aconteceu na ocupação do Taquaral em Piracicaba à mando do Tribunal de Justiça de SP e do governador João Dória (PSDB) com a conivência do prefeito Barjas Negri (PSDB).

Na ausência do Estado o povo da cidade esta se organizando para organizar doações as famílias.

Exigimos que sejam disponibilizadas vagas em hotéis ou alojamentos dignos para receber as famílias despejadas durante a pandemia. E que o governador de São Paulo aponte uma solução ao direito permanente de moradia às famílias sem teto. E que todas as reintegrações de posse urbanas e rurais sejam suspensas enquanto durar a pandemia.

Pelo direito de ter um teto para “ficar em casa”!

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Não era para ficar em casa, Doria? Que casa? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV