“Querem me calar”, acusa Bento XVI

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Párocos, franciscanos, ex-núncios: os treze novos cardeais de Francisco ampliam as fronteiras do Colégio cardinalício

    LER MAIS
  • “Temos que entrar em sintonia com o caos”, avalia Franco “Bifo” Berardi

    LER MAIS
  • Milícias do Rio mantêm parceria com polícia, facções e igrejas pentecostais, aponta estudo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Mai 2020

“Prefiro não analisar as razões reais pelas quais simplesmente querem me calar”. Bento XVI abre a caixa dos tronos contra seus críticos, especialmente na Alemanha, aos quais acusa de oferecer uma “deformação mal-intencionada da realidade”, em seu novo livro de entrevistas com seu biógrafo, Peter Seewald, “Bento XVI. Minha vida” (Droemer Knaur). Na Espanha será publicado pelo Grupo de Comunicação Loyola.

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 04-05-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

No volume, Ratzinger repassa sua trajetória desde seu nascimento até seu caminho para o pontificado, em distintas conversas com Seewald. Nelas, o Papa emérito lamenta “o espetáculo das reações da teologia alemã” contra ele, que apelida de “aberrante e mal-intencionado”.

Ratzinger, acusado repetidamente de tentar sabotar os esforços de modernização da Igreja conduzidos por Francisco (o affaire com Sarah foi somente o último exemplo), assegura que mantém muito boas relações com Bergoglio. “Como você sabe – confessa a Seewald –, minha amizade pessoal com o papa Francisco não somente se manteve, mas se desenvolveu”.

Na biografia publicada nesta segunda-feira, 04-05, Bento XVI reitera sua oposição ao casamento homossexual. “Há cem anos considerava-se um absurdo falar de matrimônio homossexual. Hoje nos excomungam quando nos opomos a ele”, afirma, denunciando a ‘nova Inquisição’. “O mesmo acontece com o aborto ou a fabricação de humanos em laboratório”, acrescenta.

O obstáculo não é a Cúria, mas sim o mundo

E ainda, defende Ratzinger, “a sociedade moderna está formulando um credo anticristão e castigará com a exclusão social quem resistir a ele”. De fato, assegura, os principais obstáculos durante seu pontificado “não vieram da Cúria”. “Eu não queria em primeiro lugar e exclusivamente purificar o pequeno mundo da Cúria, mas da totalidade da Igreja”, assegura o Papa emérito, que acaba de completar 93 anos.

“A verdadeira ameaça para a Igreja e, portanto, para o ofício de Pedro, não reside nessas questões, mas sim na ditadura mundial de ideologias aparentemente humanistas, cuja negação implica ser excluído do consenso social básico. Há cem anos, qualquer um consideraria um absurdo falar de casamento homossexual. Hoje fica socialmente excomungado quem se opor a ele. O mesmo vale para o aborto e a fabricação de pessoas em laboratório”.

Diante dessa realidade, que classifica como “Anticristo”, acrescenta Ratzinger, “faz-se necessário realmente o auxílio da oração de todo o episcopado e de toda a Igreja mundial para resistir”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Querem me calar”, acusa Bento XVI - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV