Capacidade das florestas tropicais de remover carbono da atmosfera está diminuindo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O coronavírus é um pedagogo cruel”. Entrevista com Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • Religião remixada

    LER MAIS
  • A universidade pós-pandêmica. Artigo de Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Março 2020

O sumidouro de carbono das florestas tropicais já está enfraquecendo rapidamente.

A capacidade das florestas tropicais do mundo de remover carbono da atmosfera está diminuindo, de acordo com um estudo que rastreia 300.000 árvores ao longo de 30 anos, publicado na Nature.

A reportagem é publicada por University of Leeds e reproduzida por EcoDebate. A tradução e edição são de Henrique Cortez, 10-03-2020.

A colaboração científica global, liderada pela Universidade de Leeds, revela que uma mudança temida das florestas tropicais não perturbadas do mundo de um sumidouro de carbono para uma fonte de carbono já começou.

As florestas tropicais intactas são conhecidas como sumidouros de carbono globais cruciais, retardando as mudanças climáticas ao remover o carbono da atmosfera e armazená-lo nas árvores, um processo conhecido como sequestro de carbono . Os modelos climáticos costumam prever que esse sumidouro de carbono da floresta tropical continuará por décadas.

No entanto, a nova análise de três décadas de crescimento e morte de árvores de 565 florestas tropicais imperturbadas em toda a África e a Amazônia descobriu que a absorção geral de carbono nas florestas tropicais intactas da Terra atingiu o pico na década de 1990.

Na década de 2010, em média, a capacidade de uma floresta tropical absorver carbono havia caído em um terço. A mudança é em grande parte causada por perdas de carbono devido à morte de árvores.

O estudo de quase 100 instituições fornece a primeira evidência em larga escala de que a absorção de carbono pelas florestas tropicais do mundo já iniciou uma tendência preocupante de queda.

Nos anos 90, as florestas tropicais intactas removeram aproximadamente 46 bilhões de toneladas de dióxido de carbono da atmosfera, diminuindo para cerca de 25 bilhões de toneladas na década de 2010.

A capacidade de afundamento perdida nos anos 2010 em comparação aos anos 90 é de 21 bilhões de toneladas de dióxido de carbono, equivalente a uma década de emissões de combustíveis fósseis do Reino Unido, Alemanha, França e Canadá juntos.

No geral, as florestas tropicais intactas removeram 17% das emissões de dióxido de carbono produzidas pelo homem nos anos 90, reduzidas para apenas 6% nos anos 2010.

Esse declínio ocorre porque essas florestas foram menos capazes de absorver carbono em 33% e a área de floresta intacta caiu em 19%, enquanto as emissões globais de dióxido de carbono aumentaram em 46%.

Para calcular as mudanças no armazenamento de carbono, os cientistas mediram o diâmetro e estimaram a altura de cada árvore em 565 áreas de floresta, retornando a cada poucos anos para medi-las novamente. Ao calcular o carbono armazenado nas árvores que sobreviveram e nas que morreram, os pesquisadores acompanharam as mudanças no armazenamento de carbono ao longo do tempo.

Após a re-medição final, os autores do estudo usaram um modelo estatístico e tendências nas emissões de dióxido de carbono, temperatura e precipitação para estimar as mudanças no armazenamento de carbono da floresta até 2040.

Combinando dados de duas grandes redes de pesquisa de observações florestais na África (AfriTRON) e Amazônia (RAINFOR), os autores mostram que o sumidouro da Amazônia começou a enfraquecer primeiro, começando em meados da década de 1990, seguido por um declínio do sumidouro africano por cerca de 15 anos mais tarde.

A diferença continental decorre de uma combinação de florestas da Amazônia sendo mais dinâmica do que as da África e florestas da Amazônia enfrentando impactos climáticos mais fortes. As florestas amazônicas típicas são expostas a temperaturas mais altas, aumentos mais rápidos de temperatura e secas mais regulares e severas do que as florestas africanas.

Os autores também destacam que as florestas tropicais ainda são enormes reservatórios de carbono, armazenando 250 bilhões de toneladas de carbono somente em suas árvores. Esse armazenamento é equivalente a 90 anos de emissões globais de combustíveis fósseis no nível atual.

Como é provável que as florestas tropicais sequestrem menos carbono do que o previsto, os orçamentos e metas de emissões de carbono podem precisar ser reavaliados para dar conta disso.

Referência

Hubau, W., Lewis, S.L., Phillips, O.L. et al. Asynchronous carbon sink saturation in African and Amazonian tropical forests. Nature 579, 80–87 (2020). Disponível aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Capacidade das florestas tropicais de remover carbono da atmosfera está diminuindo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV