Plano Trump-Netanyahu para a Palestina e Israel: um “ultimato”, afirma secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O testamento de Dom Jacques Noyer, bispo francês. "O celibato eclesiástico é uma falsa aventura"

    LER MAIS
  • “O pior de tudo em Manaus é a sensação de impotência”

    LER MAIS
  • As grandes mulheres por trás das vacinas contra o Covid

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Janeiro 2020

O secretário geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), Rev. Dr. Olav Fykse Tveit, no dia 29 de janeiro, pediu à comunidade internacional que não apoie uma proposta do presidente dos EUA, Trump, e do presidente de Israel, Netanyahu, para dividir a Palestina e Israel – um plano desenvolvido sem qualquer participação significativa do povo palestino.

A nota é publicada por Conselho Mundial de Igrejas (CMI), 29-01-2020. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“O CMI urge os membros da comunidade internacional a não apoiarem essa proposta ou a reconhecerem a sua implementação, a menos e até que um plano melhor seja negociado e acordado com representantes do povo palestino e em conformidade com os princípios do direito internacional sobre ocupação beligerante e direitos humanos”, disse Tveit.

“Essa proposta foi desenvolvida sem a participação significativa de representantes do povo palestino, e principalmente de acordo com os objetivos israelenses há muito tempo estabelecidos."

A proposta, chamada de “Paz para a prosperidade: uma visão para melhorar as vidas do povo palestino e israelense”, foi apresentada no dia 28 de janeiro.

“Ela constitui um ultimato, e não uma solução real, sustentável ou justa”, disse Tveit. “Em última análise, qualquer ‘solução’ que não se baseia na justiça e no acordo negociado será uma imposição e um instrumento de opressão.”

O CMI continua estudando o documento e recebendo análises e reações das Igrejas membros e de parceiros da região. “Essa proposta reconhece a força como direito e não leva em consideração os princípios do direito, da justiça e da responsabilidade internacionais”, disse Tveit.

“Os territórios ‘alocados’ aos palestinos de acordo com esse plano são pequenos enclaves isolados sem nenhuma contiguidade territorial, separados por assentamentos israelenses e conectados apenas por desvios sob controle israelense.”

O CMI considera a “solução dos dois Estados” o melhor caminho rumo à coexistência pacífica entre palestinos e israelenses. “Mas deve ser uma solução real dos dois Estados, envolvendo o estabelecimento de um Estado palestino viável, independente e autogovernado, conforme previsto em resoluções relevantes da ONU, não simplesmente renomeando o atual sistema de ocupação e controle como um Estado palestino’”, disse Tveit.

“Convocamos o governo de Israel e a Autoridade Palestina a se comprometerem com um processo de diálogo e negociações com base nesses fundamentos.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Plano Trump-Netanyahu para a Palestina e Israel: um “ultimato”, afirma secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV