Bergoglio evitou que Bento XVI interviesse nos jesuítas em 2007

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A ONU alerta que a covid-19 acelerará a transferência do poder econômico e político para as elites ricas

    LER MAIS
  • “Em nossa história moderna nunca sofremos duas revoluções tão profundas, em tão pouco tempo”. Entrevista com Ángel Bonet Codina

    LER MAIS
  • #MeToo e os novos movimentos eclesiais. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


23 Janeiro 2020

No livro “Los Jesuítas”, o historiador Gianni La Bella revela como o hoje Papa se “opôs tenazmente” à tentativa do cardeal Bertone de voltar a intervir na Companhia de Jesus. Também detalha o “conflitivo” comissariado de João Paulo II contra a Ordem.

A reportagem é publicada por Valores Religiosos, 22-01-2020. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

“Um livro de história, não de ideologia”, diz o autor.

O arcebispo de Buenos Aires, Jorge Bergoglio “opôs-se tenazmente” ao que o cardeal Tarcisio Bertone voltasse a intervir na Companhia de Jesus em 2007, durante o pontificado de Bento XVI. É uma das principais revelações do livro “Los jesuitas: del Vaticano II al papa Francisco”, do historiador Gianni La Bella que acaba de ser apresentado em sua edição em espanhol.

“É um livro de história, não é de ideologia, nem de apologética”, esclarece o professor italiano vinculado à Comunidade de Santo Egídio, que contempla a trajetória dos discípulos de Inácio de Loyola como “um caleidoscópio no qual se pode olhar os grandes temas da vida da Igreja”. Para La Bella, “nenhuma ordem viveu uma metamorfose tal. Converte-se em um laboratório cultural para toda a Igreja sobre como dialogar com o mundo moderno sem medo”.

Assim testemunham os três superiores-gerais que conduziram neste período: Arrupe, Kolvenbach e Nicolás. Elías Royón, conselheiro-geral e assistente para Europa Meridional com o superior holandês, viveu isso em primeira pessoa: “Os três gerais foram missionários, no sentido estrito da palavra, – dois no Japão e um no Líbano –, que estiveram inseridos na cultura desses povos. Nascemos para a missão, sempre adaptada às condições geográficas, culturais e sociais”.

Ao olhar para trás, aquele que foi presidente da CONFER e atualmente vigário de Madri pela Vida Consagrada está convencido de que “foi um tempo frutífero desde a eficácia evangélica de tornar realidade a Igreja do Conselho, harmonizando e integrando a fidelidade ao carisma fundacional e à renovação eclesial, de acordo com hoje, um lago que dificilmente pode ser alcançado sem lágrimas internas e externas. ”

Este lançamento fez com que os poucos metros que separam a Cúria da Companhia da Praça de São Pedro se desviassem em quilômetros do Vaticano. Aí está o comissariato executado por João Paulo II. “Não foi apenas um conflito entre a Santa Sé e os jesuítas, mas para toda a vida religiosa, porque sua efervescência não foi compreendida. Isso cria um curto-circuito que os jesuítas pagam por ser o farol que todos os religiosos olham”, diz La Bella.

No pontificado de Bento XVI, houve uma segunda tentativa de intervenção em 2007 promovida pelo Secretário de Estado, Tarcisio Bertone. Isso é revelado no livro, tendo como fonte o pai Urbano Valero, falecido jesuíta e arquiteto da edição em espanhol. Durante a apresentação da obra em Madri, o diretor editorial do Grupo de Comunicação Loyola, Ramón Alfonso, prestou homenagem a ele, cantando este episódio em que conta como ele pensava no cardeal arcebispo de Buenos Aires, Jorge Mario Bergoglio, para guardar esse processo Bergoglio é decididamente contrário à ideia de uma intervenção papal", afirma o texto, afirmando como "ele se opôs tenazmente ao papa Bento XVI" em relação a essa decisão.

Com esse olhar no passado, La Bella acredita que “o rosto dos jesuítas hoje e amanhã será o dos mártires da fé, da justiça, da evangelização, do meio ambiente... Hoje a Companhia não busca ser todo-poderosa, mas aquela Companhia que sonhava Kolvenbach”. Nesta linha, Royón deixa cair que vivemos “uma terceira recepção do Concílio”, após o empurrão de Paulo VI e o freio subsequente. “Não sei se a Companhia está à frente, mas não está mancando, mas tenta olhar, ouvir e discernir”, acrescenta.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bergoglio evitou que Bento XVI interviesse nos jesuítas em 2007 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV