Mais de 3 milhões de brasileiros procuram emprego há dois anos ou mais

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O risco que eu estou correndo é cada vez maior, e a responsabilidade vocês sabem de quem é”, denuncia padre Júlio Lancellotti

    LER MAIS
  • A nova encíclica de Francisco nascida do diálogo com o Islã e do Covid. Artigo de Alberto Melloni

    LER MAIS
  • Padre Julio Lancellotti recebe novas ameaças após ataques virtuais de deputado

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Novembro 2019

Taxa de desemprego do terceiro trimestre permanece estável em relação ao mesmo período de 2018, em 11,8%, aponta IBGE. Pesquisa mostra que 4,7 milhões desistiram de procurar trabalho.

A reportagem é publicada por Deutsche Welle, 19-11-2019.

O Brasil tem cerca de 3,2 milhões de desempregados que estão à procura de trabalho há dois anos ou mais, revelou uma pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgada nesta terça-feira (19/11). Esse número corresponde a 25,2% dos 12,5 milhões de desempregos do país.

A taxa de desemprego recuou 0,2 pontos percentuais em comparação com o trimestre anterior, passando de 12% entre abril a junho para 11,8% de julho a setembro, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad). Em relação ao mesmo período de 2018 (11,9%), o desemprego se manteve estável.

A pesquisa mostrou ainda que 1,8 milhão de desempregados buscam por trabalho há menos de um mês, e 1,7 milhão procuram por trabalho há um período que varia entre um ano e dois anos. Já o número de pessoas que desistiram de procurar um emprego, classificados pelo IBGE como desalentados, ficou em 4,7 milhões.

Os estados com as maiores taxas de desemprego são Bahia (16,8%), Amapá (16,7%) e Pernambuco (15,8%). Santa Catarina (5,8%), Mato Grosso do Sul (7,5%) e Mato Grosso (8%) foram os estados com as menores taxas de desemprego.

Em relação ao segundo trimestre deste ano, a taxa permaneceu estável em quase todas as unidades da federação, com exceção de Rondônia, onde foi registrado um aumento de 1,5 ponto percentual, passando de 6,7% para 8,2%, e São Paulo, onde houve uma queda de 0,8 ponto percentual, ficando em 12%.

De julho a setembro, a taxa de subutilização da força de trabalho, ou seja, pessoas desocupadas ou subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas, ficou em 24%. O Maranhão foi o estado com maior percentual de trabalhadores nessa situação (41,6%) e também foi a unidade da federação com o maior percentual de emprego informal (50,1%).

Além de ter a menor taxa de desemprego, Santa Catarina também foi o estado com o maior percentual de trabalhadores com carteira assinada, 87,7%.

A pesquisa mostrou ainda que o desemprego atinge mais as mulheres. A taxa ficou em 10% entre homens e 13,9% entre mulheres.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais de 3 milhões de brasileiros procuram emprego há dois anos ou mais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV