Crimes ecológicos e cultura do ódio, forte alerta do Papa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Em busca de cliques, sites e blogs resolveram "matar" Dom Pedro Casaldáliga

    LER MAIS
  • Dentro de um inferno, algo do paraíso não se perdeu. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • “Pandemia causará um desencanto que chegará às ruas”, afirma Mike Davis

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Novembro 2019

A tenacidade com que o Papa Bergoglio incita o mundo em questões sociais é tão insistente que se corre o risco de nos acostumarmos e não prestar mais atenção às suas preciosas denúncias, muito raras no clima atual de acirramento de conflitos e soberanismos. Três dessas denúncias foram formuladas na sexta-feira, 15-11, com um discurso de alto nível para a Associação Internacional de Direito Penal.

O comentário é de Luigi Accattoli, jornalista italiano e vaticanista, publicado por Corriere della Sera, 18-11-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

A "globalização do capital especulativo", em primeiro lugar, que agora confere às corporações econômicas internacionais "mais poder que os Estados", colocando as democracias "em risco". Um segundo alerta do Papa sobre os pobres diz respeito a crimes "contra a casa comum" que atentam contra a sobrevivência da humanidade e que geralmente permanecem "impunes". Ele usou o neologismo "ecocídio": crime contra o meio ambiente. Ele ressaltou que a Igreja Católica está estudando a introdução no Catecismo do "pecado ecológico": palavra que entrou no documento aprovado em 26 de outubro pelo Sínodo sobre a Amazônia. Ele solicitou aos juristas que preparem instrumentos apropriados para sancionar aqueles que causam desastres ecológicos.

Por fim, nessa preciosa intervenção, o Papa assumiu com ênfase - mais uma vez, mas com palavras mais fortes do que nunca – a disseminação da "cultura do descarte e do ódio", acompanhada e também favorecida por declarações de "alguns responsáveis pela ordem ou pelo governo", que lembram ‘os discursos de Hitler em 1934 e 1936’”. Ele listou as vítimas de então e de hoje: judeus, ciganos, homossexuais, imigrantes. É uma sorte que, na atual mistura dos povos no planeta, seja Papa e possa se fazer ouvir por todos um homem que vêm do sul do mundo. Ou seja, que desponha da mais alta autoridade moral alguém que pode se apresentar, de maneira totalmente natural, como advogado dos mais necessitados.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Crimes ecológicos e cultura do ódio, forte alerta do Papa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV